Brasileirão Série A

Como Diogo Barbosa foi de criticado à solução no Fluminense na Libertadores

Equipe já lidou com muitos problemas na lateral esquerda durante a temporada: sete atletas já passaram pela posição

De janeiro até agosto, sete jogadores já passaram pela lateral esquerda do Fluminense. O último deles foi Diogo Barbosa, que de criticado, virou solução na posição para a partida de volta das oitavas de final da Libertadores contra o Argentinos Juniors.

Antes do novo reforço estrear pelo Flu, a equipe lidou com muitos problemas no setor. Negociações, lesões e improvisações viraram rotina em 2023.

Quando o torcedor menos esperava, uma contratação contestada surpreendeu no início e virou solução.

Assim que as conversas com Diogo Barbosa foram publicadas pela imprensa, os torcedores passaram a criticar a negociação nas redes sociais. A felicidade dos gremistas com a saída dele não ajudou muito.

Mas Fernando Diniz sempre acreditou no jogador. Foi dele o pedido da contração, que já havia sido pedida no início de 2023, quando o Flu fechou com Jorge. Diogo Barbosa é sonho antigo do clube. Em 2016 e 2020, ele recebeu propostas do Tricolor, mas acabou preferindo Cruzeiro e Grêmio.

— Para mim, ele é um grande lateral-esquerdo. Um jogador primoroso. Às vezes um jogador vive um momento em que as coisas não fluem como o potencial dele permitiria. Eu acho que ele veio para uma casa que sabe acolher e foi escolhido a dedo. Jogador tem momentos. Jogador não deixa de ser bom porque tem um momento ruim em algum clube — opinou Diniz após vitória sobre o Santos, pelo Brasileirão.


Agora, depois de três boas atuações, Diogo Barbosa provavelmente será titular do Fluminense contra o Argentinos Juniors, na terça (8), às 19h, no Maracanã. O Tricolor tenta anular o cartão vermelho de Marcelo para tê-lo no jogo da volta, mas o caso é muito difícil.

— Treino sempre para ter uma oportunidade, vim para o Fluminense para jogar. Sei que o Marcelo não vai aguentar jogar todos os jogos, é um jogador experiente e a carga física é muito alta. Então estou preparado. Diniz vai começar a montar a estratégia agora para o jogo da volta. Jogo de Libertadores é disputado e truncado, mas foi um resultado importante. Tomamos o gol, conseguimos empatar, dava para termos buscado a vitória, forçado um pouco mais. Agora é buscar dentro de casa, conseguir a classificação com o apoio da torcida, que vai fazer uma festa bonita como sempre — disse Diogo Barbosa, na zona mista após o empate em Buenos Aires.

Flu começa com improviso e ‘dono da posição’ não vinga

O primeiro titular em 2023 foi Calegari, que é volante de origem e se tornou lateral-direito nos profissionais. Reforço contratado para ser o dono da posição, Jorge não vingou no Flu.

O camisa 6 chegou fora de forma, e quando mostrava evolução, sofreu uma grave lesão no joelho. Fora de combate, Jorge não joga mais pelo Tricolor e retornará ao Palmeiras, dono de seus direitos.


Depois de um pênalti perdido contra o Botafogo, ainda no Campeonato Carioca, Calegari foi negociado com o Los Angeles Galaxy. Ele tem sido destaque na MLS, e provavelmente terá sua opção de compra exercida ao fim do empréstimo. Mas deixou o Fluminense com menos opções na posição.

Marcelo volta, mas lesões impedem sequência de Flu ‘ideal’

O ano ainda estava no início quando o Fluminense surpreendeu o mercado da bola e anunciou o retorno de um ídolo. Depois de 17 anos na Europa, Marcelo voltou ao clube e começou sua trajetória em grande estilo.

Primeiro, estreou com vitória contra o Sporting Cristal, na Libertadores, fora de casa. Depois, o apogeu veio com um gol na final do Carioca, quando o Flu goleou o arquirrival Flamengo por 4 a 1 e conquistou o bicampeonato da competição.


As lesões, entretanto, começaram a aparecer. Um problema na panturrilha impediu que o camisa 12 tivesse sequência na equipe.

Para piorar, quando o momento ainda era bom, o volante Alexsander, outro jogador que poderia ser utilizado na lateral-esquerda, machucou o joelho contra o Cruzeiro.

O jovem de 19 anos surpreendeu em sua recuperação, mas acabou sofrendo outra contusão, dessa vez muscular, mas mais séria. Já são três meses que o Flu está sem o camisa 5, que está em fase de transição.


Os desfalques fizeram que o Fluminense ideal na cabeça do técnico Fernando Diniz tenha jogado apenas três partidas: vitórias sobre Sporting Cristal, Flamengo e River Plate. Nelas, o Tricolor marcou 12 gols e sofreu apenas três.

Diniz tenta mais improvisos, e Diogo Barbosa vira solução

Antes de contratar Diogo Barbosa, o Tricolor ainda testou outras opções. Diniz voltou a tentar improvisações. Guga foi o mais utilizado: atuou por 15 vezes na esquerda.

Outro que acabou sendo improvisado em situações de jogo foi Gabriel Pirani, homem de confiança do treinador. O meia, entretanto, foi negociado pelo Santos, dono de seus direitos, para o DC United, também da MLS, após 24 jogos.


Tudo isso antes que Diogo Barbosa estreasse pelo Fluminense na derrota para o Coritiba, no Couto Pereira. Embora o Tricolor tenha tido péssima atuação, o lateral-esquerdo foi um dos únicos a se salvar.

Depois, foi titular na vitória sobre o Santos pelo Brasileirão e peça muito importante para o empate com o Argentinos Juniors pela Libertadores.

No jogo, Diogo participou das jogadas da expulsão do goleiro Arias e do gol de Samuel Xavier. Por pouco, não deu sua primeira assistência pelo Fluminense quando Leo Fernández balançou as redes. O uruguaio, entretanto, foi flagrado em impedimento pelo VAR.

— O Diogo foi muito bem contra o Coritiba, em uma noite em que a gente não estava com um time com tanta fluência como hoje. Temos o privilégio de ter um dos maiores jogadores da história da posição e um outro que conhece muito da posição e tem muita coisa a entregar para o Fluminense – disse Fernando Diniz.

Foto de Caio Blois

Caio Blois

Jornalista pela UFRJ, pós-graduado em Comunicação pela Universidad de Navarra-ESP e mestre em Gestão do Desporto pela Universidade de Lisboa-POR. Antes da Trivela, passou por O Globo, UOL, O Estado de S. Paulo, GE, ESPN Brasil e TNT Sports.
Botão Voltar ao topo