Brasil

Em meio a crise de lesões, Carpini ao menos deve ter retorno de Calleri no São Paulo

Ausente da estreia, Calleri deve ficar à disposição na partida contra o Cobresal pela Libertadores

Jonathan Calleri decidiu viajar rumo a Córdoba mesmo sem condições de jogo e assistiu in loco à derrota por 2 a 1 do São Paulo para o Talleres, na última quinta-feira (4), no Estádio Mario Alberto Kempes, em partida que marcou a estreia das duas equipes no Grupo B da Libertadores. Trata-se de (mais) uma amostra do comprometimento do centroavante com o clube em que virou ídolo da torcida.

E é justamente esta entrega que deve transformá-lo em reforço para Thiago Carpini no duelo com o Cobresal, na próxima quarta-feira (10), às 21h30 (horário de Brasília), no MorumBIS, pela segunda rodada da competição continental. O treinador deve contar com os gols do centroavante numa partida em que está obrigado a vencer para enfim começar a dissipar a pressão que só aumenta sobre o seu cargo.

A situação física de Calleri

Calleri se recupera do rompimento de um cisto de baker na região do joelho direito. O argentino sentiu um “estalo” no local durante a vitória sobre o Ituano na última rodada da primeira fase do Campeonato Paulista. Mais tarde, ele passou por exame médico que confirmou a lesão, considerada simples, mas que o tirou de combate por mais do que o esperado.

Havia até expectativa de que ele pudesse atuar contra o Novorizontino, na partida que resultou na eliminação precoce do São Paulo no Campeonato Paulista, mas isso não aconteceu. Pelo contrário. Desde então, o centroavante fez sessões diárias de fisioterapia para voltar a ficar à disposição e não participou de treinamentos durante a Data Fifa.

Conforme apurado pela Trivela, o argentino iniciou os trabalhos em campo apenas na última segunda-feira (1). Mesmo fora das condições ideais, Calleri insistia com o departamento médico e com a comissão técnica para poder atuar na partida em Córdoba, mas ele acabou vetado. Com mais uma semana apenas de treinamentos, o centroavante deve ter condições iniciar a partida contra o Cobresal.

Lesões tornam retorno de Calleri ainda mais importante

O retorno de Calleri é ainda mais importante para o São Paulo diante das (muitas) ausências que a equipe deve ter contra o Cobresal. O Tricolor já tinha oito desfalques antes da partida. Quatro jogadores estavam no Departamento Médico (Moreira, Patryck, Luiz Gustavo e Calleri — o único que deve ficar à disposição contra o Cobresal) que foram ausências. Outros quatro não estão entregues ao DM (Rodrigo Nestor, Sabino, Young e Nikão), mas ainda aprimoram a parte física e também foram desfalques.

E só no primeiro tempo em Córdoba, o São Paulo perdeu Rafinha e Wellington Rato por pancadas e Lucas Moura com uma lesão muscular — a segunda na temporada. O camisa 7 saiu de campo às lágrimas, e é quem mais desperta preocupação e deve ser desfalque novamente por pelo menos algumas semanas.

Calleri tenta ultrapassar Rogério Ceni

A partida contra o Cobresal é a primeira em que Calleri terá a chance de marcar seus gols para tentar ultrapassar “apenas” Rogério Ceni e Luis Fabiano para se tornar o maior artilheiro do São Paulo na história da Libertadores. Para isso acontecer, ele precisa balançar as redes seis vezes numa campanha que pode alcançar no máximo 13 partidas caso a equipe chegue à final. Parece muito, mas fale isso para Calleri.

Em 2016, o Tricolor foi até a semifinal, quando caiu para o Atlético Nacional, que seria o campeão da competição. Calleri despejou todos os seus nove gols marcados pelo clube em Libertadores nesta única temporada, a sua primeira no MorumBIS.

O desempenho o alçou a sexto maior artilheiro do São Paulo na competição continental. Ele está atrás de Pedro Rocha, Müller e Palhinha, com 10 gols cada, e de Rogério Ceni e Luis Fabiano, que marcaram 14 gols em Libertadores pelo Tricolor.

Artilheiros do São Paulo na Libertadores

  • Luis Fabiano — 14 gols em 24 jogos (2004, 2013 e 2015)
  • Rogério Ceni — 14 gols em 90 jogos (2004, 2005, 2006, 2007, 2008, 2009, 2010, 2013 e 2015)
  • Pedro Rocha — 10 gols em 23 jogos (1972 e 1974)
  • Müller — 10 gols em 29 jogos (1987 e 1992-1994)
  • Palhinha — 10 gols em 28 jogos (1992-1994)
  • Calleri — 9 gols em 12 jogos (2016)

Agora, Calleri conta com a semana livre como trunfo para ficar à disposição e iniciar sua trajetória na Libertadores em 2024. O São Paulo enfrenta o Cobresal na próxima quarta-feira (10), às 21h30 (horário de Brasília), no MorumBIS, pela segunda rodada do Grupo B. Após a derrota na estreia, o Tricolor é o lanterna da chave.

Foto de Eduardo Deconto

Eduardo Deconto

Jornalista pela PUCRS, é setorista de Seleção e do São Paulo na Trivela desde 2023. Antes disso, trabalhou por uma década no Grupo RBS. Foi repórter do ge.globo por seis anos e do Esporte da RBS TV, por dois. Não acredite no hype.
Botão Voltar ao topo