Ásia/Oceania

Torcedores de Hong Kong são reembolsados pela ausência de Messi em jogo

Empresa que organizou amistoso entre seleção de Hong Kong e Inter Miami devolverá 50% do valor dos ingressos após Messi não entrar em campo

Depois do desapontamento, um mínimo de sensação de reconforto. Torcedores que foram acompanhar a partida amistosa entre a seleção de Hong Kong e o Inter Miami, no último domingo (4), no Hong Kong Stadium, poderão recuperar ao menos parte do valor de seus ingressos. Isso acontecerá após parte do acordo combinado não ser cumprido pelo do time dos Estados Unidos, que não colocou Lionel Messi e Luis Suárez para jogarem no amistoso, em que os americanos ganharam por 4 a 1, e não quiseram avisar aos fãs que estavam presentes.

Em um acordo que envolveu também o governo local, foram distribuídos cartazes, banners e feito toda uma promoção em cima da partida. Nesta sexta-feira (9), a empresa Tatler Asia, responsável por organizar o jogo, se manifestou em comunicado via redes sociais.

– Nos desculpamos a todos aqueles que ficaram desapontados com a partida entre a seleção de Hong Kong e Inter Miami, no dia 4 de fevereiro. Um evento que foi trabalhado para ser uma fonte de orgulho da cidade, em que trabalhamos muito duro por meses, se transformou em fonte de decepção.

– O Inter Miami tinha se comprometido sob contrato que seus principais jogadores – Messi, Alba, Busquets e Suárez – jogariam por 45 minutos a não ser em caso de lesão. Mas como vimos depois, fomos informados de que Messi e Suárez não poderiam jogar por conta de uma lesão.

O não cumprido foi ficando claro para os torcedores ao longo do jogo. E já nos minutos finais, o clima foi ficando cada vez mais tenso e hostil, porque nada foi dito a eles. Sabendo da situação, a empresa tentou conversar com os diretores do time dos Estados Unidos, que segundo eles, ignoraram seus conselhos.

‘Tapa na cara', dizem torcedores sobre ausência de Messi

– Torcedores vieram para ver o jogo e os grandes astros, e lesões são parte do jogo. Mas o que chateou foi a aparentemente falta de respeito mostrada no gramado. Quando descobrimos que Messi não jogaria, pedimos para a direção do Inter Miami e a comissão técnica se levantarem e explicarem para os espectadores sobre o por quê eles não poderiam jogar. Não fizeram isso. O fato de Messi e Suárez terem jogado no dia 7 de fevereiro no Japão foi como um tapa na cara -, afirmou o comunicado, referente ao amistoso do Inter Miami contra o Vissel Kobe, em que Suárez começou como titular e o melhor jogador do mundo entrou durante a partida.

Para compensar os sonhos despedaçados, a empresa se comprometeu a devolver ao menos uma parte do dinheiro para as 40 mil pessoas que foram ao estádio, mas somente para torcedores que adquiriram seus ingressos via canais oficiais. Por lá, teve torcedor que pagou cerca de 600 euros para ver Messi, mas no fim, o assistiu no máximo sentado no banco de reservas.

– O sonho foi quebrado hoje para nós e para todos aqueles que compraram ingressos para verem Messi no campo. Tivemos discussões com as autoridades locais para resolvermos isso. Não vamos fugir da nossa responsabilidade como organizadores e é por isso que a Tatler Asia vai oferecer a todos que compraram bilhetes do jogo por canais oficiais um reembolso de 50% do valor.

Messi passou a ser odiado na Ásia

A atitude da empresa foi elogiada pelo governo local, que viu o gesto da Tatler Asia como “atitude positiva e responsável”. Inclusive membros do governo de Hong Kong passaram os últimos dias atacando o atacante argentino e o Inter Miami.

– Ele (Messi) nunca mais deveria ser autorizado a voltar para Hong Kong. Suas mentiras e hipocrisias são nojentas -, disse Regina Ip Lau Suk-yee, conselheira do governo local em suas redes sociais.

Foto de Vanderson Pimentel

Vanderson PimentelRedator de esportes

Jornalista formado em 2013, e apaixonado por futebol desde a infância. Em redações, também passou por Estadão e UOL.
Botão Voltar ao topo