Ásia/Oceania

Vaias, vexame e um Messi ausente: a pré-temporada do Inter Miami na Ásia foi uma furada

Torcida que compareceu ao último amistoso do time norte-americano pede reembolso após estrela argentina não entrar em campo

O que era para ser uma baita campanha promocional do futebol norte-americano em solo asiático, se transformou em uma ação no mínimo constrangedora e que causou a ira dos torcedores que estiveram no Hong Kong Stadium neste domingo. Os milhares de torcedores que estiveram no local para assistir a Messi no amistoso entre a seleção local e o Inter Miami, ficaram indignados com a não participação do craque e de seu companheiro Luis Suárez, que permaneceram no banco de reservas durante todo o encontro.

Foram três dias de uma imensa mobilização que contou com cartazes, banners e todo o aparato de marketing imaginável para promover a partida. Irados com a ausência do astro argentino, quem estava no estádio bradou gritos de “queremos Messi”, além de vaias, muitas vaias a cada minuto que passava sem a presença do melhor jogador do mundo em campo. A vitória do Inter Miami sobre Hong King por 4 x 1 pouco importou aos fãs, já que o único interesse do público no evento era ver o craque jogando.

A indignação dos torcedores foi tanta, que após a partida, muitos solicitaram o reembolso dos ingressos (que custaram entre R$ 565 e R$ 3.125 mil reais) como forma de protesto pela não participação da estrela durante a partida. Mais de 38 mil pessoas estiveram presentes para acompanhar ao jogo. A empresa Tatler Asia foi a responsável pela organização do evento e recebeu mais de dois milhões de dólares do Comitê de Grandes Eventos Esportivos (MSEC) para promover o jogo.

Comitê organizador do evento promete punir empresa Tatler Asia

Nos últimos dez minutos de partida, quando os torcedores perceberam que nem Messi, nem Suárez entrariam em campo, o clima no Hong Kong Stadium começou a ficar ainda mais tenso. No apito final do encontro, o ex-jogador da seleção inglesa e coproprietário do Inter Miami, David Beckham, tentou discursar agradecendo a presença do público, mas foi completamente abafado por conta dos gritos de protesto ensandecidos do público presente no local.

“Quanto a Messi não jogar hoje, o Governo, assim como todos os adeptos de futebol, estão extremamente decepcionados com o acordo dos organizadores. O organizador deve uma explicação a todos os fãs de futebol. O MSEC tomará medidas de acompanhamento com o organizador de acordo com os termos e condições, o que inclui a redução do valor do financiamento em caso de Messi não jogar a partida.”, disse um representante do Comitê.

O MSEC não tinha a informação de que Messi e Suárez não reuniam condições de jogo e aguardavam pela presença dos craques em campo. A ausência dos jogadores foi um “balde de água fria” em todos os responsáveis pela organização do evento, já que nem mesmo a Tatler Asia, tinha conhecimento de que os dois astros não poderiam entrar em campo.

“Apesar de algumas notícias, a Tatler não tinha nenhuma informação sobre a não participação de Messi ou Suárez antes do início do jogo. Messi e Suárez foram considerados inadequados para jogar pelo departamento médico de seu time, para decepção de todos, inclusive a nossa”, disse a empresa em comunicado.

Torcedores de Hong Kong se sentem enganados por ausência de Messi

Jhonatan Wong, um dos torcedores no Hong Kong Stadium, concedeu entrevista à agência AFP. Parte do conteúdo foi publicado no portal Al Jazeera. Em seu relato, Wong se sentiu enganado pela ação de marketing envolvendo o amistoso, já que pagou muito dinheiro para ver Messi. Nos jogos da liga do país, o valor das entradas não passa de 11 dólares (aproximadamente R$ 55). Sem a presença do astro argentino, o jogo perdeu todo o sentido e o valor empregado para ver a partida foi praticamente perdido.

“Estou muito decepcionado. Todo mundo está aqui para ver Messi, então me sinto um pouco enganado. Sem ele, é como qualquer outro jogo normal da Premier League de Hong Kong, onde o ingresso custa apenas 80 dólares de Hong Kong (R$55). Desta vez, pagamos 5.000 dólares de Hong Kong (mais de três mil reais)”, indagou o torcedor.

Comissão técnica do Inter Miami tenta se justificar

Gerardo Martino, técnico do Inter Miami, informou que a decisão de tirar Messi da partida aconteceu momentos antes do jogo, na manhã do domingo. Recém-recuperado de uma distensão no tendão da coxa, a equipe médica do time norte-americano temeu por mais uma lesão do argentino, o qual é o principal jogador do time e peça fundamental do planejamento da equipe para a temporada.

O comandante disse reconhecer a decepção dos torcedores pela ausência do craque e afirmou que gostaria de colocar o jogador em campo por ao menos 45 minutos, mas a avaliação feita momentos antes do amistoso acontecer o fez mudar de ideia de última hora, pensando no restante da longa temporada que o time terá pela frente.

“Entendemos a decepção dos torcedores pela ausência de Leo (Messi) e pedimos perdão”, disse Martino aos repórteres. Gostaríamos de ter enviado Leo por pelo menos um tempo, mas o risco era muito grande”, disse o treinador.

“Messi” mania tem fim melancólico em Hong Kong

Um dia antes da partida, milhares de torcedores pagaram altos valores (125 dólares, cerca de R$ 626 reais), somente para ver o treinamento do Inter Miami para o amistoso diante de Hong Kong e ter a chance de ver Messi de perto. O argentino não fez mais do que se alongar e correr um pouco, nada que justificasse o alto investimento feito pelo público, que fez um grande esforço para ver o astro e no final pagou caro para acompanhar um jogo de baixo nível.

A próxima parada do Inter Miami na Ásia será no Japão. A equipe norte-americana enfrentará o Vissel Kobe e a repercussão do caso em Hong Kong já preocupa a torcida nipônica, que espera ver o craque em campo, mas pode se decepcionar caso o argentino não reúna condições para o jogo que está marcado para esta quarta-feira, às 7h (horário de Brasília).

Foto de Lucas de Souza

Lucas de SouzaRedator

Lucas de Souza é jornalista formado pela Universidade São Judas em São Paulo. Possui especialização em Marketing Digital pela Digital House, e passagens pelos sites Futebol na Veia e Futebol Interior.
Botão Voltar ao topo