Ásia/Oceania

“Quero que meus filhos cresçam em uma atmosfera islâmica”, diz Benatia, agora no Catar

Depois de defender clubes como Roma, Bayern de Munique e Juventus, Medhi Benatia deixou a Europa para trás. Tinha possibilidades, como o Manchester United, em que foi especulado, mas preferiu assinar com o Al Duhail, do Catar. Não por motivos esportivos. Por motivos religiosos.

LEIA MAIS: Anistia Internacional cobra Catar por descumprimento de melhorias trabalhistas em obras da Copa

Questionado pelo site oficial do seu novo clube, cujo treinador é Rui Faria, antigo assistente de José Mourinho, sobre as críticas que recebeu por ter preferido o Al Duhail ao Manchester United, Benatia afirmou que fez o que julgava ser melhor para a sua família.

“Eu recebi críticas de analistas marroquinos, após me mudar para Doha, mas quero que todos respeitem minha decisão porque foi a melhor para mim e para minha família porque eu quero que meus filhos cresçam em uma atmosfera islâmica”, afirmou o zagueiro marroquino de 31 anos.

“Eu poderia ter ido para clubes nos Emirados Árabes ou na Arábia Saudita, mas eu preferi o Al Duhail e há vários jogadores marroquinos que jogam na seleção nacional que estão em clubes do Golfo. O treinador Hervé Renard me conhece bem e, se ele achar que eu não mereço ser convocado, respeitarei a sua decisão”, completou.

Campeão na Alemanha e na Itália, Benatia tem um novo objetivo: conquistar a Champions League asiática. “Joguei em grandes times e conquistou vários títulos. Agora eu quero o título asiático com este clube. O Al Duhail contratou um grande treinador em Rui Faria. O japonês Nakajima é uma boa contratação também. Junto com os jogadores que já estavam no elenco, acho que esses fatores podem levar o time ao sucesso na Champions League asiática”, encerrou.

Mostrar mais

Bruno Bonsanti

Como todo aluno da Cásper Líbero que se preze, passou por Rádio Gazeta, Gazeta Esportiva e Portal Terra antes de aterrissar no site que sempre gostou de ler (acredite, ele está falando da Trivela). Acredita que o futebol tem uma capacidade única de causar alegria e tristeza nas mesmas proporções, o que sempre sentiu na pele com os times para os quais torce.

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo