Ásia/OceaniaColunas

Favoritos avançam na Liga dos Campeões da Ásia com ajuda dos brasileiros

Nos jogos de volta das quartas de final da Liga dos Campeões da Ásia 2015, deu o que se imaginava. Os favoritos comprovaram a superioridade dentro das quatro linhas e agora são apenas quatro times na briga pelo título continental e pela chance de jogar o Mundial de Clubes da FIFA 2015.

Mais uma vez, como vem sendo a tônica na Liga dos Campeões da Ásia 2015, os jogadores brasileiros contribuíram com suas equipes, e apenas um não conseguiu classificar o time que defende. Veja um resumo das quartas de final e o que esperar das semifinais do torneio asiático, que ocorrerão nos próximos dias 29/30 de setembro e 20/21 de outubro.

VEJA TAMBÉM: Capitã da seleção iraniana perderá Copa da Ásia de futsal porque o marido a proibiu de viajar

Digão e Carlos Eduardo às redes

Enquanto os atuais zagueiros do Fluminense andam falhando demais a cada jogo, o Al Hilal aproveita as características ofensivas do zagueiro Digão, que já tem seis gols em quase 70 partidas pelo time da Arábia Saudita, em sua terceira temporada. Foi dele o gol de empate em 2 a 2 do Al Hilal com o Lekhwiya (Catar), já aos 43 minutos da etapa final, recebendo passe dentro da área e tocando na saída do goleiro como um atacante.

Mas quem abriu o placar sobre o Lekhwiya foi o meia Carlos Eduardo (o menos famoso, que jogou no Fluminense, no Porto e estava no Nice), que tem cinco gols em cinco jogos. Porém, neste lance ele estava visivelmente impedido, o que certamente atrapalhou a vida dos catarianos, que já tinham levado de 4 a 1 no jogo de ida.

Mesmo diante do erro de arbitragem, o Lekhwiya foi à luta e virou o jogo com um gol nos acréscimos da etapa inicial e outro aos 27 do segundo tempo, em dois lances de bola aérea, muita liberdade para Ismaeel Mohammad (golaço!) e o espanhol Chico Flores (jogou no Barcelona B e estava no Swansea City). Porém, o Lekhwyia não conseguiu fazer os outros dois gols necessários para levar a disputa à marca da cal e acabou sofrendo o empate de Digão.

Cristiano marca, mas não avança

A tarefa do atacante Cristiano (Coritiba e Juventude), do meia Éderson (Atlético Paranaense e Ceará) e do meia Dudu (Metropolitano) não era nada fácil. Jogadores do Kashiwa Reysol (Japão), eles tinham de vencer por três gols de diferença o poderoso Guangzhou Evergrande (China), que contou com quase força máxima. Na casa do adversário.

Estiveram em campo Paulinho, Elkeson e Ricardo Goulart, mas não Robinho, que nem foi relacionado após ser substituído no último jogo da equipe no Campeonato Chinês. Com 48.643 torcedores no estádio, o segundo maior público da fase de mata-mata da Liga dos Campeões da Ásia 2015 (118 pessoas a menos que o jogo do time chinês nas oitavas de final), o grande susto ocorreu aos 12 minutos, quando Cristiano desviou de cabeça em cobrança de falta no canto do goleiro.

A vantagem do Guangzhou Evergrande ainda era grande e ficou maior aos 30 minutos, num golaço sensacional do meia chinês Huang Bowen, da seleção de seu país. Ele recebeu cruzamento na meia-lua da grande área e meteu o pé esquerdo na bola, sem deixá-la tocar o gramado. Foi quase no ângulo, sem chances para o goleiro adversário!

Com a vantagem garantida, o Guangzhou Evergrande diminuiu o ímpeto ofensivo e levou alguma pressão dos japoneses no segundo tempo, mas o Kashiwa Reysol não conseguiu colocar fogo no jogo graças ao goleiro chinês Zheng Cheng, que fez boas defesas (também é da seleção).

Lima, sempre Lima no Al Ahli Dubai

A média do atacante brasileiro Lima, ex-Benfica e Sporting Braga, é simplesmente sensacional. A temporada emiriana acabou de começar e ele já tem seis gols em cinco partidas, contando com todas as competições. Diante do Naft Tehran (Irã), o Al Ahli Dubai (Emirados Árabes Unidos) já tinha vencido por 1 a 0 fora de casa e, logo aos 26 minutos, Lima dominou a bola na intermediária e resolveu arriscar dali mesmo, com a bola indo no cantinho!

Aos três do segundo tempo, o Al Ahli Dubai ficou ainda mais tranquilo no jogo após pênalti a favor da equipe anfitriã. Ahmed Khalil, outro dos craques do time emiriano, tratou de mostrar toda a sua habilidade ao arriscar uma linda cavadinha. Que tranquilidade arrasadora do jogador da seleção principal de seu país, viu? O Naft Tehran até diminuiu após furada incrível do zagueiro dois minutos depois, mas já não era possível sonhar com a vaga nas semifinais.

Brasileiros marcam, mas só um segue

No jogo mais emocionante da rodada, até porque era o único sobre o qual não se tinha prognósticos certeiros, o Gamba Osaka (Japão) suou a camisa para superar o Jeonbuk Motors (Coreia do Sul). Atuando em casa, os japoneses levaram um gol aos 13 minutos do primeiro tempo, depois de lambança incrível dos dois times (parecia um jogo entre crianças na escola) e mão dentro da área.

O brasileiro Leonardo Pereira converteu a cobrança com tranquilidade e o Jeonbuk Motors estava avançando com a vitória parcial. Porém, a euforia durou até o minuto seguinte: na famosa linha burra, a defesa dos sul-coreanos saiu toda e deixou livre um atleta do Gamba Osaka. Ele viu Patric Lins e só rolou para o brasileiro mandar às redes! Que lambança…

O empate persistiu até os 31 minutos do segundo tempo, quando o Jeobuk Motors pareceu pôr tudo a perder. Chute despretensioso da entrada da área desviou num zagueiro e matou o goleiro do time sul-coreano, que não desistiu e empatou aos 43 minutos, com o espanhol Urko Vera, voltando a se classificar.

Festa na Coreia do Sul e decepção no Japão, certo? Claro que não! Tudo mudou já nos acréscimos, aos 48 minutos, quando o desconhecido zagueiro Koki Yonekura (um jogo na seleção) recebeu passe dentro da área, deu uma escorregada, mas se recuperou a tempo de dar um carrinho e tirar a bola do goleiro. Que sufoco…

O que esperar das semifinais

Não há dúvidas de que o Guangzhou Evergrande é favorito diante do Gamba Osaka, que mostrou problemas na defesa na Liga dos Campeões da Ásia 2015. Já Al Hilal e Al Ahli Dubai é um confronto bem parelho, com leve favoritismo para os emirianos, justamente por causa de Lima e Everton Ribeiro, que podem mesmo desequilibrar um jogo.

Mostrar mais

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo