Ásia/Oceania

Al-Hilal vence, mas cai na Champions Asiática para time de Crespo com gol brasileiro

Apesar de derrota por 2 a 1, vitória no primeiro jogo por 4 a 2 faz com que Al-Ain avance para a final da Champions Asiática

O Al-Hilal quebrou o recorde de maior número de vitórias consecutivas ao chegar aos 34 triunfos em 34 partidas. Entretanto, quando perdeu a invencibilidade, deixou também de conquistar a Ásia pela quinta vez na sua história. Mesmo jogando diante de uma Kingdom Arena lotada, em Riad, nesta terça-feira (23), o time da Arábia Saudita deu adeus à Champions Asiática mesmo após ganhar do Al-Ain, dos Emirados Árabes Unidos, por 2 a 1.

Apesar dos tentos anotados por Rúben Neves e Salem Al-Dawsari, o gol marcado por Erik, lateral-esquerdo brasileiro naturalizado emiradense, garantiu o placar agregado por 5 a 4 para o time dos Emirados Árabes Unidos, que venceu o primeiro jogo por 4 a 2. Com o resultado, os visitantes conseguiram uma classificação para a final da competição, em que enfrentarão o vencedor do duelo entre Yokohama Marinos, do Japão, contra o Ulsan Hyundai, da Coreia do Sul, que duelam nesta quarta-feira (24).

Gol no início iludiu sauditas

O jogo parecia que seria uma pressão constante do Al-Hilal, e já aos 4 minutos, o time da casa abriu o placar. Após penalidade marcada com auxílio do VAR, Rúben Neves cobrou com maestria para abrir o placar no que parecia ser uma virada certa do Al-Hilal.

Porém, o time de Hernán Crespo não deixou os anfitriões crescerem na partida e igualou rapidamente o placar. Após jogada que começou pelo lado esquerdo, o brasileiro Erik, revelado pelo Internacional, avançou para o meio e após receber passe, e bateu de primeira com a perna direita para empatar, aos 11 minutos.

Por mais que o Al-Hilal conseguisse colocar uma bola na trave, foi o Al-Ain ficou mais próximo de marcar novamente. O time dos Emirados Árabes Unidos aproveitou o nervosismo dos sauditas e passou a controlar a partida. Os jogadores chegaram a reclamar de um pênalti em Rahimi, mas que o árbitro não marcou após consultar o VAR.

Arbitragem evita dois gols visitantes, mas resultado pouco muda

Precisando da vitória e reverter a vantagem, o Al-Hilal voltou para a etapa final com muito mais ímpeto e controle de bola. E aos 6 minutos, Al-Dawsari aproveitou uma sobra em bola aérea para dominar a bola e bater forte no canto esquerdo para pôr os sauditas novamente na frente.

Precisando de mais um gol para levar a partida ao menos para o tempo extra, quase o Al-Hilal igualou o placar agregado aos 15 minutos. Milinkovic-Savic deixou Michael na cara do gol. Porém, o chute do brasileiro foi em cima do goleiro Eisa. Aos 23 minutos foi a vez do sérvio quase fazer. Mas seu chute foi desviado na pequena área e saiu pela linha de fundo.

Aos 31 minutos, foi Al-Shamrani que quase marcou. Ele deu um carrinho perfeito após lançamento de um lado para o outro, e o goleiro defendeu. 3 minutos depois, o Al-Ain chegou a marcar de cabeça com Palacios, mas a arbitragem anulou acertadamente o gol.

E já próximo dos 43 minutos da etapa final, o Al-Ain marcou novamente o que parecia ser o gol da classificação de Rahimi. Porém, o auxiliar levantou a bandeira por um impedimento no início da jogada. Com muito mais posse de bola, o Al-Hilal se desesperou e seguiu fazendo pressão. Tanto que aos 53 minutos, quase Michael anotou, mas parou novamente em Eisa. Com uma defesa bem postada por Hernán Crespo, o time dos Emirados Árabes conseguiu a vitória no placar agregado, e agora lutará para conseguir o segundo título continental de sua história.

Foto de Vanderson Pimentel

Vanderson Pimentel

Jornalista formado em 2013, e apaixonado por futebol desde a infância. Em redações, também passou por Estadão e UOL.
Botão Voltar ao topo