Sul-Americana

Seabra e Marlon admitem jogo inseguro do Cruzeiro e técnico explica Arthur na direita

O Cruzeiro venceu o Unión La Calera, por 1 a 0, mas treinador e elenco veem margem de melhora

O Cruzeiro venceu mais uma vez na Copa Sul-Americana, desta vez batendo o Unión La Calera, do Chile, por 1 a 0, na noite dessa quinta-feira (16), no Independência, e se garantiu nos playoffs da competição. E como se não bastasse, a Universidad Católica (EQU) tropeçou em casa contra o Alianza FC (COL), dando a possibilidade da Raposa buscar o primeiro lugar do grupo B da competição. Apesar do saldo positivo da noite, o treinador Fernando Seabra, seu auxiliar Moisés Moura e o lateral-esquerdo Marlon apontaram a necessidade de melhora no desempenho do time, que sofreu em momentos pontuais da partida.

— É muito importante que quando a gente tenha uma produção ofensiva de criação de chance que a gente concretize elas em gol. Precisa ter criatividade, mas precisa ter eficácia. Se você não tem eficácia, você fica sujeito a ter placar adverso. A margem ficou estreita, só que para a gente não tem surpresa. A gente conhecia o adversário e sabia que todo fim de jogo eles pesam com número a área, colocam dois centroavantes, fazem jogo direto e a gente sabia que se não tivesse margem maior final de jogo teria esse cenário — afirmou Fernando Seabra, na zona mista após a partida.

Ainda assim, o treinador destacou o volume ofensivo do Cruzeiro, que finalizou muitas vezes, mas acabou perdendo boas oportunidades, inclusive parando no travessão em uma cabeçada de Marlon.

— Corremos risco e precisamos trabalhar para continuar criando, é o copo meio cheio, mas o meio vazio é que a gente precisa ter eficácia e transformar essas chances em gols — apontou Seabra.

Fernando Seabra explica Arthur Gomes pela direita

O treinador Fernando Seabra também comentou a escolha de atuar com Arthur Gomes pelo lado direito, o oposto do que ele costuma jogar, e Barreal aberto na esquerda. Segundo ele, a ideia foi deixar o Cruzeiro mais equilibrado em campo.

— Ofensivamente, a gente precisaria equilibrar o lado direito em alguns momentos, que faltava apoio ao William. Ele precisa de passe por dentro, cobertura atrás, movimento de ruptura. Nos outros jogos, estava conseguindo intencionalmente jogar com pouco mais de superioridade pela esquerda, para ter velocidade pela direita. Mas a gente avaliou que era necessário uma variação, equilibrar os dois lados e ter um parceiro para o William poder se associar. Foi bacana, porque o Arthur está de parabéns. Foi um desafio e é importante para o atacante ter essa versatilidade — apontou Seabra.

O próprio Arthur Gomes se mostrou confortável com a nova função e fez avaliação positiva de sua atuação como um ponta direita.

— Foi uma forma que o Seabra enxergou da equipe ficar mais consistente nos dois lados, com dois pontas. Avalio que fiz uma partida muito boa, no primeiro tempo a gente teve muito volume pelo lado, com o William, e é muito importante para mim e para o time — destacou Arthur.

 

Barreal como um ponta esquerda

Fernando Seabra também falou sobre a escolha de ter Álvaro Barreal aberto como um ponta pela esquerda, e não junto a Arthur Gomes, dando suporte ao camisa 11, por aquele lado.

— Avaliamos que era necessário o William ter um pouco mais de apoio para criar jogadas do lado direito. O Barreal já fez partidas melhores, mas sobrecarregávamos ele intencionalmente com mais jogadores. Assim, hoje, ele teve menos apoio — afirmou o treinador do Cruzeiro.

Na entrevista coletiva de pós-jogo, que contou com o auxiliar técnico Moisés Moura e o lateral-esquerdo Marlon, que terminou a partida como capitão da Raposa, foi tocado no assunto, e o camisa 3 analisou as mudanças na formação.

— A gente procura ter uma equipe equilibrada, explorar bastante os flancos. O William é um jogador mais associativo, que chega com mais facilidade à frente, eu sou um jogador de valências mais físicas, que vai aos trancos e barrancos. O Álvaro Barreal é um jogador que já jogou de lateral-esquerdo, de ala, sabe fazer um jogo por dentro muito bom também, e é uma maneira de a gente deixar o Matheus Pereira flutuando mais livre no jogo, não sobrecarrega tanto ele. Nas últimas partidas nós sacrificamos ele em alguns aspectos e como é o nosso jogador referência a gente precisa dele mais fresco para criar as jogadas — começou Marlon.

— Foi uma estratégia muito boa montada pelo Seabra, a gente conseguiu explorar muito o Arthur Gomes e William na primeira etapa, saíram jogadas boas por ali, com o Álvaro também conseguimos criar boas situações. Claro que a gente vai buscando esse leque de opções porque quando você tem uma gama maior de variações durante a temporada, você vai enfrentar equipes com diversas formações, mas terá opções para jogar. A gente também tem o Gabriel Veron, que está ganhando minutos, é um jogador que quando tiver um ritmo bom e aptas condições vai conseguir nos entregar muito, temos os meninos que estão trabalhando muito bem, almejando suas oportunidades — finalizou o lateral-esquerdo.

Foto de Maic Costa

Maic Costa

Maic Costa é mineiro, formado em Jornalismo na UFOP, em 2019. Passou por Estado de Minas, Superesportes, Esporte News Mundo, Food Service News e Mais Minas, antes de se tornar setorista do Cruzeiro na Trivela.
Botão Voltar ao topo