Libertadores

Grupo H da Libertadores: a única chave que não tem clubes brasileiros

Sem nenhum brasileiro, mas com River Plate favorito, este é o Grupo H da Libertadores

Para além dos times brasileiros, campeões nas últimas cinco edições da Copa Libertadores, o River Plate quase sempre é apontado como favorito e não é diferente ao chegar como atual campeão argentino. Os Milionários dividem o grupo H com Libertad, Deportivo Táchira e Nacional e não devem ter muitas dificuldades para alcançar a primeira colocação. No entanto, a disputa pelo segundo lugar promete ser emocionante.

Confira a situação de cada clubes na última chave do guia especial da Trivela sobre a Libertadores.

Grupo H: River Plate, Libertad, Deportivo Táchira e Nacional

River Plate

River Plate na Libertadores

  • Participações: 39
  • Títulos: 4
  • Última participação: 2023
  • Melhor participação: Campeão (1986, 1996, 2015 e 2018)

São quatro títulos, outros três vices e o projeto mais consolidado do futebol argentino nos últimos anos. É verdade que o River decepcionou nas últimas edições da Libertadores, caindo duas vezes seguidas nas oitavas de final, mas chega para sua 40ª participação como o campeão argentino sem nenhuma contestação e promete incomodar os brasileiros no mata-mata. O técnico é o promissor Martín Demichelis e o elenco está recheado de opções com os experientes e consolidados Franco Armani, Manuel Lanzini e Nacho Fernández, o ainda jovem Ezequiel Barco, de volta após passagem nos Estados Unidos, e a joia Claudio Echeverri, de 18 anos, já vendido ao Manchester City, onde chega em 2025.

Libertad

Libertad na Libertadores

  • Participações: 22
  • Títulos: 0
  • Última participação: 2023
  • Melhor participação: Semifinal (2006)

O clube da capital paraguaia vem para oitava edição consecutiva, sendo a última vez que ficou fora da Liberta em 2016. Apesar de sempre estar, não costuma lutar pelo título e até hoje sua melhor campanha é a semifinal de 2006, quando caiu para o Internacional que seria campeão frente ao São Paulo. Em 2024, o time chega sob comando do jovem Ariel Galeano, de apenas 27 anos, que pegou o bom trabalho de Daniel Garnero (assumiu a Seleção do Paraguai em setembro de 2023) e levou o Libertad aos títulos do campeonato e copa local. Isso com um grupo de jogadores bem mais velhos que o treinador, casos dos intermináveis Roque Santa Cruz (42 anos), Martín Silva (41) e Tacuara Cardozo (40).

Deportivo Táchira

Deportivo Táchira na Libertadores

  • Participações: 25
  • Títulos: 0
  • Última participação: 2022
  • Melhor participação: Quartas de final (2004)

Também com tradição de participação na Copa Libertadores, o Deporto Táchira nunca chegou a fazer muita graça na competição. Normalmente, caí na fase prévia ou nos grupos. Avançou ao mata-mata apenas quatro vezes nas 25 edições disputadas, sendo o máximo que alcançou a quartas de final em 2004 (foi eliminado pelo São Paulo). Ao menos no cenário local, a equipe de San Cristóbal tem ido bem. Conquistou o último Campeonato Venezuelano, a quinta taça nos últimos 15 anos, com um recorde da história do futebol doméstico: 29 partidas de invencibilidade (18 vitórias e 11 empates) na liga, perdurando entre março e novembro. Na atual edição, ainda não engrenou em nove rodadas e está em sexto.

Nacional

Nacional na Libertadores

  • Participações: 50
  • Títulos: 3 
  • Última participação: 2023
  • Melhor participação: Campeão (1971, 1980 e 1988)

Recordista em participações na Libertadores, indo para incrível 51ª edição (29ª seguida), o Nacional é o caso de “gigante adormecido”. Como seu rival Peñarol e todo futebol uruguaio, vive decadência contra o poderio financeiro dos vizinhos. Desde a conquista do tri em 1988, só alcançou a semifinal uma vez, em 2009. No restante, ficou pelo caminho, seja na fase de grupos, oitavas ou quartas. No Uruguai, viu o Liverpool ser campeão nacional no ano passado e teve que passar pela pré-Libertadores para chegar aos grupos em 2024. Primeiro eliminou o Puerto Cabello (2 a 0 na ida e volta) e depois teve que ir aos pênaltis para passar pelo Always Ready. Vale citar que a equipe é comandada pelo ex-jogador Álvaro Recoba, que tem no elenco seu filho Jeremia Recoba, o destaque Mauricio Pereyra, de volta após 13 anos fora, e os velhos conhecidos do torcedor são-paulino: Gonzalo Carneiro e Antonio Galeano. 

Foto de Carlos Vinicius Amorim

Carlos Vinicius Amorim

Carlos Vinicius é nascido e criado em São Paulo e jornalista formado pela Universidade Paulista (UNIP). Escreveu sobre futebol nacional e internacional no Yahoo e na Premier League Brasil, além de eSports no The Clutch. Além disso, atuou como assessor de imprensa no setor público e privado.
Botão Voltar ao topo