Mundo

El Diablito, nosso diabo hoje: quem é Claudio Echeverri, o carrasco argentino do Brasil no Mundial Sub-17

Autor de hat-trick contra a Seleção Brasileira, o promissor Echeverri chama atenção de grandes clubes da Europa e brilha na base do River Plate há muito tempo

Três golaços, dribles, arrancadas e muita técnica com a bola nos pés. Os brasileiros que não conheciam o promissor Claudio Echeverri, 10 e faixa na Argentina sub-17, passaram a conhecer nesta sexta-feira (24), quando o meia acabou com a Seleção Brasileira na Copa do Mundo da categoria, levando os argentinos às semifinais ao marcar todos os gols na vitória por 3 x 0. De trajetória meteórica, o “Diablito”, apelido que ganhou pela semelhança com o nome do ex-jogador boliviano Marco Antonio “El Diablo” Etcheverry, veste a camisa do River Plate desde os 11 anos e conta com multa considerada “baixa” para os padrões do futebol mundial.

Echeverri driblou os primeiros adversários na pequena Resistencia, cidade da província de Cacho, a quase mil quilômetros de Buenos Aires. A transferência do Deportivo Luján ao gigante timer argentino aconteceu em 2017, quando se destacou em um teste nos Milionários e os diretores de formação do clube fizeram questão de falar com os pais do adolescente para efetuar a contratação. Uma dificuldade de adaptação nos primeiros meses no time da capital argentina quase o fizeram retornar à casa dos pais, mas o River fez de tudo para manter a joia, garantindo moradia a toda família.

Apesar de problemas de adaptação fora de campo, nos gramados, Diablito não precisou de muito tempo para se sentir a vontade. Na estreia, foi às redes na vitória por 2 x 0 sobre o Argentinos Juniors. Poucos meses depois, em torneio na Itália, brilhou contra as bases de Chelsea, Benfica e Juventus – o último, inclusive, foi vítima de quatro gols de Claudio.

O brilho e potencial de Echeverri causava nos adversários uma preparação antes de enfrentá-lo. É o que conta Martín Pellegrino, um dos técnicos da joia na base do River, ao portal argentino Infobae.

– Desde criança ele se destaca. E os rivais, à medida que foram crescendo e com o passar dos anos, preocuparam-se em enfrentar um rival da categoria do Cláudio, em tomar precauções. Echeverri teve que aprender com vários obstáculos, aprender a jogar futebol, não tanto a bola, entender os espaços, jogar em equipe, esse é um esporte coletivo, em que seus companheiros o ajudam e ele ajuda seus companheiros. Ele é muito inteligente e sabia como entender e incorporar isso rapidamente.

Brilhando por qual categoria que fosse, Claudio Echeverri estreou na equipe B do River no ano passado, apenas aos 16. Em junho desse ano, recebeu a primeira oportunidade no profissional do River Plate com Martín Demichelis ao entrar no segundo tempo contra o Instituto Córdoba em um Monumental de Núñez completamente lotado e dar uma assistência para o terceiro gol do 3 x 1, marcado por Lucas Beltrán. Ele ainda jogou mais três partidas na equipe principal dos Milionários.

Em 2 de janeiro de 2023 (justamente quando completou 17 anos), o Diablito assinou um novo contrato com o gigante argentino, agora válido até o fim de 2025 e multa rescisória de 25 milhões de euros (que saltou para 30 com o término da janela de transferências), mas o River já corre para aumentar a multa e chegar na casa dos 50 milhões.

Echeverri tem multa rescisória “baixa” de 25 milhões de euros (Foto: Reprodução/Instagram)

Echeverri treinou com time principal da Argentina e chamou atenção de Di Maria

Destaque no Mundial sub-17 desse momento, Claudio Echeverri já havia chamado atenção pelo nível apresentado no Sul-Americano da modalidade com cinco gols e três assistências.

Na preparação para a Copa, a joia ganhou uma oportunidade treinar na seleção principal da Argentina, junto de Lionel Messi e outros craques argentinos, e chamou atenção de um deles.

– Parecia bem “quente” [jogando], já estávamos vendo. Ele tem muito para dar. É bom que a comissão técnica traga jogadores mais jovens para que possam curtir com os mais velhos este lindo momento que vivemos – disse Ángel Di Maria, ídolo da Argentina e autor de gols em finais da Copa do Mundo e Copa América.

Claudio Echeverri recebeu oportunidade de treinar com a seleção principal e paparicou o ídolo Messi (Foto: Reprodução/Instagram)

Real Madrid sonha com joia argentina, diz impresa local

Jornais da Argentina e Espanha repercutiram em abril desse ano, período que Echeverri brilhava no Sul-Americano sub-17, que o Real Madrid considera fazer um investimento “significativo” para tirar a joia do River Plate – motivo que faz o clube correr para aumentar o contrato e a multa.

Segundo o Diário Olé, o empresário Enzo Montepaone, que representa o jovem, já está em contato com a direção dos Milionários, mas a situação é complexa, ainda mais pelo contexto atual de valorização. Ainda segundo a informação, além do Real, Paris Saint-Germain, Milan, Manchester City, Feyenoord e Genk demonstraram interesse pelo Diablito.

Foto de Carlos Vinicius Amorim

Carlos Vinicius Amorim

Carlos Vinicius é nascido e criado em São Paulo e jornalista formado pela Universidade Paulista (UNIP). Escreveu sobre futebol nacional e internacional no Yahoo e na Premier League Brasil, além de esports no The Clutch. Como assessor de imprensa, atuou no setor público e privado.
Botão Voltar ao topo