América do Sul

Grupo A da Sul-Americana 2024: único grupo sem brasileiros promete equilíbrio

Único grupo sem brasileiros, o A chega bem equilibrado e promete forte disputa entre Defensa y Justicia, Independiente Medellín e Always Ready

O grupo A da Copa Sul-Americana 2024 é o único grupo sem times brasileiros e, até por isso, é um dos mais equilibrados. O argentino Defensa y Justicia desponta como principal favorito na chave, mas não deve encontrar facilidade contra o Independiente Medellín e Always Ready – este, principalmente pela altitude. Enquanto isso, o César Vallejo corre por fora na disputa pela segunda posição na chave que leva a um playoff contra o terceiro da Copa Libertadores. Vale citar que o primeiro avança direto às oitavas de final.

Confira no guia da Trivela uma análise de como chegam argentinos, colombianos, peruanos e bolivianos.

Defensa y Justicia

Defensa y Justicia na Sul-Americana

  • Participações: 6
  • Títulos: 1
  • Última participação: 2023
  • Melhor participação: Campeão (2020)

Até então um desconhecido no cenário continental, o Defensa y Justicia passou a ganhar os holofotes a partir da Copa Sul-Americana de 2017, o primeiro torneio internacional de sua história, quando eliminou o São Paulo. Participou da competição em todos os anos seguintes, com exceção de 2021, e conquistou a sonhada taça em 2020 sob comando de Hernán Crespo. Para atual edição, a sétima disputada, chega após alcançar a semifinal no ano passado, caindo apenas para LDU, que terminaria como campeã. A equipe é muito bem treinada por Julio Vaccari, ex-auxiliar de Marcelo Bielsa e Gabriel Heinze, e segue tendo o centroavante Nicolás Fernández como destaque. Inclusive, o centroavante foi autor dos dois gols que eliminaram o Botafogo nas quartas de final da Sula de 2023.

Independiente Medellín

Independiente Medellín na Sul-Americana

  • Participações: 6
  • Títulos: 0
  • Última participação: 2023
  • Melhor participação: Quartas de final (2016)

Vindo da primeira fase ao passar nos pênaltis do Tolima, o Independiente Medellín busca uma classificação ao mata-mata que não acontece desde 2016, justamente quando fez sua melhor campanha ao cair nas quartas para o Cerro Porteño. Desde então, os colombianos foram eliminados na fase inicial em 2017, 2018, 2022 e 2023. No ano passado nem alcançaram os grupos ao serem eliminados pelo San Lorenzo ainda na pré-Sul-Americana. Apesar de um Apertura irregular nesse começo de 2024, com cinco vitórias, três empates e cinco derrotas, o time foi bem no Clausura do ano passado, terminando em segundo com apenas uma derrota. Esse desempenho levou o clube à final do Campeonato Colombiano, mas caiu para o Junior Barranquilla. O técnico uruguaio Alfredo Arias, responsável pela retomada do time no último semestre de 2023, permanece no cargo.

César Vallejo

César Vallejo na Sul-Americana

  • Participações: 4
  • Títulos: 0
  • Última participação: 2023
  • Melhor participação: Quartas de final (2014)

O Club Deportivo Universidad César Vallejo tem coincidências com o colega de grupo Independiente. Também nunca conquistou a competição, sua melhor campanha é apenas uma quarta de final (2014) e, para 2024, avançou aos grupos após passar por um compatriota na fase inicial – neste caso, venceu por 2 a 0 o Sport Huancayo. Em 2023, até chegou a fase de grupos, no mesmo grupo do Botafogo, só que ficou na lanterna da chave. No cenário doméstico, no Peru, não faz nada de empolgante. Inclusive, no Apertura de 2024, venceu apenas uma vez em oito rodadas e 17º entre 18 times. Só não é último por um ponto. Até por isso demitiu o técnico Roberto Mosquera em 15 de março. Guillermo Salas assumiu o comando e busca melhorar a equipe que tem Paolo Guerrero, aos 40 anos, como referência técnica.

Always Ready

Always Ready na Sul-Americana

  • Participações: 1
  • Títulos: 0
  • Última participação: 2020
  • Melhor participação: 1ª fase (2020)

O Always Ready chega para segunda Sul-Americana de sua história ao cair, nos pênaltis, na pré-Libertadores. A equipe até venceu a ida contra o Nacional, mas perdeu no Uruguai e não aguentou a pressão das penalidades. O clube é um pesadelo para qualquer adversário que não esteja acostumado com altitude porque conta com o Municipal de Al Alto, 2º estádio mais alto do mundo, a 4.150m acima do nível do mar, local onde já foram derrotados Corinthians e Internacional. No último Campeonato Boliviano, marcado por escândalos de manipulação de resultado, fez boa campanha e terminou em terceiro, oito pontos atrás do campeão The Strongest.

Foto de Carlos Vinicius Amorim

Carlos Vinicius Amorim

Carlos Vinicius é nascido e criado em São Paulo e jornalista formado pela Universidade Paulista (UNIP). Escreveu sobre futebol nacional e internacional no Yahoo e na Premier League Brasil, além de eSports no The Clutch. Além disso, atuou como assessor de imprensa no setor público e privado.
Botão Voltar ao topo