AlemanhaBundesliga

Bayern só precisou de um pouco de eficiência para vencer o Augsburg

O Bayern de Munique não precisou fazer um grande jogo para vencer o Augsburg. Foi um time pragmaticamente belo, se é possível dizer isso. Depois de um primeiro tempo empatado em 0 a 0, os comandados de Pep Guardiola venceram os também bávaros do Augsburg por 4 a 0, sem dificuldades, graças a boas atuações dos seus principais jogadores de ataque. O principal deles, Arjen Robben, marcou aqueles gols de videogame que ele costuma fazer, puxando da direita para a esquerda e chutando. A questão é: quem consegue pará-lo?

INFLUÊNCIA: Não satisfeito em ser um técnico consagrado no futebol, Guardiola dá dicas no rúgbi
CARIDADE: O gol de Götze rendeu bem mais que o tetra: € 2 milhões doados para crianças carentes
EMOÇÃO: Um ano após ser ressuscitado em campo, alemão anota gol decisivo e emociona a todos

Como era esperado, o Bayern dominou a posse de bola e, assim, também tentou muito no ataque. Foram mais de 20 chutes a gol, o que resultaria, eventualmente, em um gol. Até porque o goleiro Manninger nem fazia uma grande atuação, faltava só o time da Baviera acertar o pé mesmo. O fez no segundo tempo. Primeiro, com Benatis, de cabeça. Depois, Robben, em um chute colocado. Lewandowski, finalizando no cantinho, ampliou. Robben, novamente, chutou no canto do goleiro para decretar a goleada.

O estilo de jogo do Bayern é bastante marcante: foram  731 passes durante a partida, sendo Rafinha (99) e Xabi Alonso (85) os principais jogadores nesse quesito. O que diferencia o Bayern atual do Barcelona de Guardiola é a forma como o time chega ao ataque. Pela característica dos seus jogadores e por um plano de jogo, não há como segurar que jogadores como Robben, Lewandowski e Ribéry fiquem trocando passes incessantemente. Eles não farão isso. Então, o time acaba finalizando mais e corre mais riscos de perder a posse de bola. Em compensação, com jogadores tão bons finalizadores como Robben e Lewandowski, o time também é bastante perigoso nos chutes.

As vitórias são sempre importantes, mas o Bayern precisa mesmo é de alternativas. O time sabe que precisa chegar forte na Champions League, seu grande objetivo da temporada. Então, quando mais o time conseguir variar o seu jogo, melhor será. É isso que Guardiola tem tentado fazer. Contra o Augsburgo, precisou suar no primeiro tempo, mas a partir do gol que abriu o placar. Tudo aconteceu naturalmente. Robben foi decisivo e o time venceu fácil.

Coletivamente, o Bayern ainda não chegou no seu melhor. Individualmente, com Robben, Ribéry e Lewandowski em boa fase, é difícil enfrentar o Bayern. Por isso, é bom os adversários se prepararem, porque seja quem for o adversário do time alemão na próxima fase da Champions League, haverá dificuldades. Na Bundesliga, a vida está fácil. São 39 pontos, neste momento dez a mais que o Wolfsburg, que tem um jogo a menos. O time garantiu o título simbólico do primeiro turno.

Mostrar mais

Felipe Lobo

Formado em Comunicação e Multimeios na PUC-SP e Jornalismo pela USP, encontrou no jornalismo a melhor forma de unir duas paixões: futebol e escrever. Acha que é um grande técnico no Football Manager e se apaixonou por futebol italiano (Forza Inter!) desde as transmissões da Band. Saiu da posição de leitor para trabalhar na Trivela em 2009.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo