Sem categoria

Um Passeio por Cingapura (parte final)

Fechando nossa seqüência de entrevistas com grandes figuras da S-League, o Campeonato de futebol de Cingapura, batemos um papo com o goleiro da seleção do país, Lionel Lewis (foto ao lado com o técnico Carlo Ancelotti, do Milan). O 8º melhor jogador da Ásia em 2006 é um homem sorridente e de poucas palavras. Sendo o primeiro jogador na história do sudeste asiático a ser indicado para o prêmio de melhor do continente, Lionel quase acertou com o Los Angeles Galaxy, onde jogaria ao lado de David Beckham, mas acabou ficando no país de origem.

Concentrado no seu clube, o Home United, que está brigando pelo título nacional este ano, o jogador de 25 anos também está cursando Gerência Esportiva e de Lazer na conceituada Faculdade Nanyang Polytechnic.

Confira outros temas discutidos nesta entrevista no texto abaixo. Não perca!

A S-League está extremamente competitiva este ano com Tampines Rovers, Home United e Singapore Armed Forces (SAFFC) travando um acirrado duelo pela ponta da tabela. Mas você não acha que a juventude do seu Home United é um ‘handicap’ perante os experientes elencos dos outros dois concorrentes?
Sim, eu concordo…Tampines e SAFFC tem jogadores mais experientes, mas a nossa juventude nos permite despejar maior energia nos jogos.

Quais os jogadores que atualmente estão tendo a melhor performance na S-League?
Peres (meia brasileiro do Tampines Rovers) e Therdsak Chaiman (meia tailandês do SAFFC). Estes são os melhores jogadores da S-League na atualidade em termos de técnica e habilidade individual.

Quais as principais diferenças entre seu técnico Vincent Subramaniam e o treinador da seleção de Cingapura, o sérvio Radojko Avramovic?
Basicamente eles são bastante similares. Ambos querem que seus jogadores estejam bem fisicamente e ressaltam sempre que a boa preparação física é um importante fator no futebol.

O único torneio continental que os clubes de Cingapura disputam é a AFC Cup. Quando ‘afunila’ e chega às quartas-de-final nota-se uma dificuldade tremenda em enfrentar as equipes árabes. Porque é tão difícil bater os times do Oriente Médio?
O problema é que na S-League existe um determinado limite no orçamento para cobrir o salário dos jogadores. Então, isso torna impossível trazer estrelas para ajudar as equipes daqui a progredir e ir mais além…

Gosta do trabalho dos cartolas em Cingapura?
Não sei dos bastidores, mas o que vemos a distância aparentemente não tem nenhum problema no trabalho deles.

Você foi eleito o 8º Melhor jogador da Ásia em 2006. Nunca um futebolista do sudeste asiático conseguiu tal proeza. O que isso representou para você?
Eu me senti muito feliz. Jogando na S-League e conseguir esta nomeação mostrou que nossa seleção e nosso campeonato está melhorando.

Você tem alguma admiração por outros grandes goleiros asiáticos como Al-Deayea, Kawaguchi, e Lee Won-Jae? Como começou esse apreço por atuar como arqueiro?
Não, eu prefiro os goleiros europeus..eu comecei como zagueiro, mas meu treinador Robert Lim (no juniores do Geylang United) sugeriu que eu tentasse ser goleiro porque eu tinha atributos físicos adequados para a posição (Lionel tem 1,88 de altura).

Você recebeu uma proposta para atuar no Los Angeles Galaxy, dos Estados Unidos. Porque não houve acordo?
Eu tenho intenção de jogar fora, mas estou na metade do meu curso na Faculdade. Só depois de completar minha graduação eu vou considerar seriamente as ofertas que virão.

Certa vez o treinador Abdul Karim Razzaq, do Geylang United, disse que você é um goleiro que pode ganhar 20 pontos para uma equipe em uma temporada. Seu técnico na seleção, Radojko Avramovic, conversou com a Trivela há alguns meses e também disse que seria ideal uma experiência européia na sua carreira. Você tem preferência por atuar em algum país em particular?
Qualquer tipo de liga na Europa será maravilhoso para mim. Só estou esperando terminar minha graduação e vou aguardar um clube me dar esta chance.

Seu ex-companheiro de equipe, Egmar, falou conosco e se mostrou indignado pelo pouco espaço que a mídia de Cingapura dá para o futebol local, dando maior ênfase a Liga Inglesa. Você acha que isso reflete no pouco público nos estádios do país?
Os torcedores cingapurianos olham somente os resultados. Então, se uma equipe vem obtendo bons resultados, ai você verá o público encher o estádio.

Como foi a conquista do ASEAN Games, a popular ‘Tiger Cup’, este ano?
Foi fantástico vencer o torneio pela segunda vez (Lionel esteve na conquista de 2004), pois envolve um trabalho muito duro.

Como é enfrentar seleções como Tailândia, Indonésia, Vietnã e principalmente o clássico contra os vizinhos malaios?
Para mim todos os jogos são difíceis, sem exceção.

Existem muitos estrangeiros naturalizados atuando pela seleção do país de vocês. Qual sua visão sobre isso?
Num curto período de tempo penso que é positivo, pois pode ajudar a seleção a melhorar…já para um futuro mais distante eu prefiro que os jogadores locais roubem a cena porque eu espero que os estrangeiros possam nos ajudar de outra forma. Mais treinadores estrangeiros, por exemplo, seria legal aqui.

A fragilidade física dos jogadores no sudeste asiático é apontado como um dos problemas mais sérios no desenvolvimento do futebol na região. Como este tema é tratado por vocês?
É verdade…nós temos que melhorar esta parte para realmente podermos competir com outros centros. Deve haver um planejamento a longo prazo para melhorar isso.

Este é um dos motivos de centroavantes vigorosos fisicamente como Egmar, Mirko Grabovac e Alexander Duric terem feito bastante sucesso marcando tantos gols na S-League?
Em parte sim porque a enorme massa muscular destes jogadores os torna aptos para superar facilmente os defensores daqui.

Na S-League já existem vários ‘bad boys’. Entre os atacantes Kairul Amri, do Young Lions, e Ahmed Latiff, do Woodlands Wellington, qual é mais problemático?
Ahmed Latiff.

Você esteve em campo nas duas partidas contra o Iraque pelas Eliminatórias da Copa da Ásia, no ano passado. O que tem a dizer dos atuais campeões do continente?
É definitivamente um time muito forte…em casa nós vencemos por 2 a 0, e bater uma equipe como o Iraque é surpreendente..mostra que qualquer coisa pode acontecer no futebol.

Qual o conceito que você tem do futebol brasileiro?
Já ouvi falar de grandes times do Brasil. Foram campeões do mundo várias vezes, e isto mostra que é um país de jogadores muito talentosos.

O que você espera do futebol de Cingapura para o futuro?
O desenvolvimento do futebol está sendo muito rápido em Cingapura. Dentro de alguns anos, eu direi que o futebol aqui definitivamente melhorou

FICHA:

Nome: Lionel Lewis
Data de Nascimento: 16/12/1982
Local de Nascimento: Cidade de Cingapura
Clubes:
2001: Geylang United
2002: Geylang United
2003: Young Lyons
2004: Young Lyons
2005: Young Lyons
2006: Home United
2007: Home United

* Nossos agradecimentos ao treinador inglês Steve Darby, do Perak, da Malásia, e ao jogador Egmar, que nos ajudaram a realizar esta série de entrevistas denominada “Um passeio por Cingapura”. Sentimos que ‘Mani’, Iskandar e Lionel Lewis são muito mais do que futebolistas. São pessoas de uma categoria extraordinária. Sucessos a todos eles!

Mostrar mais

Equipe Trivela

A equipe da redação da Trivela, site especializado em futebol que desde 1998 traz informação e análise. Fale com a equipe ou mande sua sugestão de pauta: [email protected]

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo