Sem categoria

Há algo de podre na Tailândia

Chicão Gaúcho (foto ao lado) foi jogador do Novo Hamburgo, interior do Rio Grande do Sul, e logo partiu para uma carreira de treinador que já dura 10 anos. Depois de passagens por equipes do interior gaúcho e paranaense, se arriscou numa aventura na longínqua Tailândia, onde treinou o Tobacco Monopoly. Neste bate-papo, ele revela a Trivela os motivos que o levaram a rescindir o contrato com a equipe mesmo com um aproveitamento de 81,4% na liga. Além de falar a respeito de comentários que ouviu nos bastidores sobre um esquema de máfia de apostas envolvendo dirigentes e jogadores.

Confira!

Quando você deixou o Tobacco Monopoly o time estava entre os três melhores colocados da Liga Tailandesa e hoje o clube está em 7º lugar. Isso mostra que sua saída não era a solução. O que realmente aconteceu para você sair?
Gostaria de deixar claro que fui eu quem pedi a rescisão de contrato devido a interferência no meu trabalho do intérprete. Ele influenciava negativamente não só os atletas, mas também o quadro diretivo com sua ganância e ciúme. Esta foi a causa maior da minha saída do Tobacco. Mas antes fizemos um trabalho em que a equipe ficasse bem posicionada, mostrando que estava ali por nossa competência e conhecimento, o que foi confirmado com os resultados. Informo ainda que este rapaz (intérprete) a todo momento tentava interferir no trabalho que realizávamos, inclusive, até na relação de quartos na concentração.

Os desentendimentos com o intérprete foi o motivo da sua saída. Como era sua relação com ele desde o inicio? Ele pelo menos tem algum curso de especialização para exercer a profissão de treinador?
Tivemos varias discussões, pois ele era intérprete e não tinha conhecimento de questões táticas e técnicas, até porque o mesmo exerce a função de Pastor de uma igreja e queria, com sua ganância e ciúme, interpelar nossas atitudes perante o grupo, sonegando muitas vezes informações que ajudariam no desenvolvimento técnico e tático da equipe. Pelo que sei, nunca jogou futebol, apesar disso não ser desculpa para sua falta de conhecimento. Um elemento que quer ser técnico e não sabe diferenciar um esquema de outro fica difícil aceitar sua intromissão.

O fato de não dominar o idioma prejudicou seu trabalho no Tobacco?
Um pouco, mais ainda com a pessoa (intérprete) que era responsável de traduzir o que falávamos aos atletas e nem sempre era como queríamos. Mas nada que os gestos e sinais não diminuíssem o problema, pois conseguimos nos fazer entender em muitas vezes sem a participação desse rapaz (intérprete) que queria apenas prejudicar e criar dificuldades para nós.

Sobre a 'loteria clandestina', como isso funcionava? Você soube através de quem?
Fomos informados pelos próprios tailandeses da existência de uma loteria clandestina que girava altas apostas. Porém, não posso precisar como funcionava, pois procuramos ficar alheios a tal loteca. Fomos informados que havia participação de atletas e dirigentes, mas nunca conseguimos ver ou até ser vitima de tal máfia de apostas.

Qual impressão o Senhor teve dos dirigentes tailandeses, especialmente do Tobacco Monopoly? Existem suspeitas de envolvimento deles com corrupção?
Quanto ao envolvimento com a loteria, como já frisei, não saberia informar. O que posso dizer é que o Presidente do Tobacco era uma pessoa íntegra e cumpridor de seus compromissos. Pelo pouco que conheci dele acho muito difícil ele compactuar com tais esquemas.

Os árbitros recebem propina com frequência?
Quanto aos valores pagos ou não aos possíveis participantes (da loteria clandestina) não saberia informar, mas posso dizer que tecnicamente os árbitros são ruins.

Qual o salário médio dos jogadores na Tailândia?
No Tobacco entre 35 e 60 mil bahts, o equivalente a 875 a 1.500 dólares, nas demais equipes não saberia informar.

O senhor disse que na Tailândia não existe categoria de base nos clubes. Então, como é formado um time profissional? Onde se encontram jogadores?
A grande maioria sai das universidades ou de equipes de divisões inferiores, pois soube que existem três ou quatro divisões no país (são cinco divisões).

Os jogadores no Vietnã chegam de moto nos treinos e nos jogos. Na Tailândia eles vão treinar e jogar de carro, de moto ou a pé?
Alguns vão de carro, outros de moto. A grande maioria possui ambos os veículos.

Os jogadores tailandeses falavam inglês?
Não, no Tobacco me parece que apenas dois falavam e entendiam um pouco.

FICHA

Nome: Francisco José da Silva “Chicão Gaúcho”

Data de Nascimento: 03/01/1958, em Novo Hamburgo/RS

Clubes:
1997: Caxias de Palmas-PR
1998: Mixto-PR
1999: Prudentópolis-PR
1999: Ji-Paraná-RO
2000: Novo Hamburgo-RS (juniores)
2001: Associação Sapiranga-RS
2002: Dois Vizinhos-PR
2003: Dois Vizinhos-PR
2004: Operário Ferroviário-PR
2005: Dois Vizinhos-PR
2006/7: Tobacco Monopoly-TAI

Mostrar mais

Equipe Trivela

A equipe da redação da Trivela, site especializado em futebol que desde 1998 traz informação e análise. Fale com a equipe ou mande sua sugestão de pauta: [email protected]

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo