Sem categoria

França: pela reação, e rumo à Copa

Entre os cinco jogos isolados que formam a rodada das Eliminatórias da Zona Europeia para a Copa de 2010, nesta quarta, o destaque está em Torshavn, capital das Ilhas Faroe. No estádio Torsvollur, a França tenta impulsionar sua campanha, no grupo 7 da qualificação, contra as Ilhas Faroe. O time de Raymond Domenech ocupa a vice-liderança da chave, com 10 pontos, oito atrás da líder Sérvia.

Entretanto, os Bleus vão para a partida com vários problemas a serem resolvidos. O principal deles, a possível ausência de Franck Ribéry. O atacante ficou de fora da estreia do Bayern de Munique na Bundesliga, por contusão, e pode não jogar contra os faroenses.

Mesmo assim, Raymond Domenech anunciou que, após conversa com o técnico do Bayern, Louis van Gaal, o francês pode atuar por alguns minutos: “Franck está pronto para jogar parte do jogo. Falei com Van Gaal ao telefone, e concordamos que temos de fazer Ribéry voltar à melhor condição. Se necessário, ele pode jogar 15 ou 20 minutos, para ficar pronto para o jogo do Bayern, no sábado.”

Porém, a possível ausência de Ribéry soma-se aos desfalques já certos de Thierry Henry, com dores nos dois tendões de Aquiles, além do meio-campista Patrick Vieira e do defensor Philippe Méxès. Todavia, ao confrontar o lanterna da chave, a França só pensa em vencer, como disse Domenech, em conversa com o time (“Sejam verdadeiros consigo mesmos, mostrem que merecem vestir a camisa da seleção. Qualquer outra coisa além de uma vitória seria uma catástrofe”), e o atacante Nicolas Anelka (“Se não pudermos bater as Ilhas Faroe, não temos direito de estar na Copa do Mundo”).

Na Alemanha, retornos contra o Azerbaijão

Já na ida ao estádio Tofik Bakhramov, para enfrentar o Azerbaijão, a Alemanha (líder do grupo 4, com 16 pontos, um à frente da Rússia) joga para se distanciar na ponta do grupo, como disse o técnico do Nationalelf, Joachim Löw: “Temos de vencer o jogo, para manter nossa boa posição no grupo.”

E Löw terá o retorno de vários jogadores. Para iniciar, o capitão alemão, Michael Ballack, foi confirmado entre os titulares iniciais. Ballack retornara da pré-temporada do Chelsea mais cedo, com um dedo quebrado, mas atuou normalmente pelos Blues, na Supercopa da Inglaterra, contra o Manchester United.

Com um tornozelo inchado, o atacante Miroslav Klose era dúvida para a partida, sendo cogitada a entrada do brasileiro naturalizado Cacau, do Stuttgart. Mas o jogador, de 31 anos, foi confirmado entre a relação de 19 jogadores inscritos.

As ausências ficam por conta do atacante Lukas Podolski, que deixou a seleção no fim de semana e foi substituído por Stefan Kiessling, e do meia Torsten Frings, que sequer foi convocado. Thomas Hitzlsperger deve ocupar seu lugar.

Outros jogos: no grupo 9, Noruega quer reação e Escócia, repescagem

Das três outras partidas que completam o dia de Eliminatórias, a principal será disputada em Oslo. Pelo grupo 9 – onde a Holanda já está com vaga na Copa garantida -, a Noruega recebe a Escócia, em busca da reação que possa aumentar as chances remotas de classificação.

O defensor Brede Hangeland pensa na possibilidade de ir ao Mundial, ainda, atentando para o retrospecto de Egil Olsen, técnico atual, que levou os noruegueses às Copas de 1994 e 1998: “Historicamente, Olsen fez grandes coisas à seleção. Ele fez milagres, há 15 ou 20 anos atrás, e vimos algo disso na vitória contra a Alemanha, em amistoso no começo deste ano.”

Na Escócia, vice-líder do grupo, o técnico George Burley tem problemas para escalar o goleiro. Sem conseguir recuperar-se de lesão no joelho, Craig Gordon sequer foi convocado para o Tartan Army, e Allan McGregor foi banido da seleção. O provável titular será Neil Alexander, do Rangers.

Enquanto isso, o meia Darren Fletcher acredita na classificação para a Copa: “Um Mundial é o ápice na carreira de qualquer jogador. A maioria de nosso elenco não experimentou isso, e o país já não vai ao torneio há muito tempo. Estamos desesperados para conseguir isso.”

O grupo 6 vê um jogo crucial para a Croácia. Precisando da vitória para abrir vantagem em relação à Ucrânia na vice-liderança, o time de Slaven Bilic enfrenta Belarus, em Minsk, capital bielorrussa. Sem Robert Kovac, lesionado, o time pode ter a volta do brasileiro naturalizado Eduardo da Silva. Para o defensor Josip Simunic, “será um jogo difícil. Eles têm Alexandr Hleb, que é um jogador excepcionalmente talentoso, mas se jogarmos solidamente, como um time, poderemos vencê-los.”

Já o treinador de Belarus, o alemão Bernd Stange, aposta na obrigação da vitória, para fazer com que a equipe salte rumo à vice-liderança da chave: “Temos de vencer em casa. À primeira vista, um empate frente a um time tão forte como a Croácia seria considerado um bom resultado, mas ainda estamos na corrida pelo segundo lugar, e vamos lutar para vencer.”

No grupo 3, a Eslovênia, com oito pontos, enfrentará San Marino, lanterna da chave, sem nenhum ponto.

Mostrar mais

Equipe Trivela

A equipe da redação da Trivela, site especializado em futebol que desde 1998 traz informação e análise. Fale com a equipe ou mande sua sugestão de pauta: [email protected]

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo