Sem categoria

Euro 2008 – Portugal

Como se classificou?
Portugal decepcionou sua torcida ao ficar em segundo lugar no Grupo A e obter a vaga apenas na última rodada, com um empate sem gols em casa diante da Finlândia. Com esse resultado, os Tugas obtiveram 27 pontos em 14 partidas e ficaram atrás da Polônia, líder da chave com 28. O pior é que a seleção lusa não conseguiu vencer nenhum dos principais concorrentes do grupo: foram dois empates com a Sérvia, outros dois empates com a Finlândia e uma derrota e um empate com a Polônia.

Time-base
Ricardo; Miguel (Bosingwa), Ricardo Carvalho, Bruno Alves e Caneira; Miguel Veloso (Petit), Maniche, Deco e Quaresma; Cristiano Ronaldo e Hugo Almeida (Nuno Gomes).

Técnico
Luiz Felipe Scolari dirige a Seleção Portuguesa desde o final de 2002, num percurso em que polêmica e competência misturam-se continuamente. Conseguiu levar a equipe à decisão da Eurocopa sediada no próprio país, em 2004, e às semifinais do Mundial da Alemanha, em 2006. Entretanto, a derrota para a Grécia em duas partidas em casa na última Eurocopa (incluindo-se aí a finalíssima) não foi bem digerida pela torcida. Conseguiu renovar um elenco viciado após o vexame na Copa de 2002 e vem procedendo a uma renovação pós Copa-2006, com a promoção de jovens valores em substituição aos atletas mais envelhecidos. O episódio da agressão ao sérvio Dragutinovic, em partida da eliminatória realizada em Lisboa, feriu a imagem do brasileiro junto à opinião pública portuguesa.

Expectativa local
Os portugueses confiam em sua seleção desconfiando. Sabem que possuem um elenco diferenciado e um treinador vitorioso. Ao mesmo tempo, a derrota em casa para a Grécia, na final da Eurocopa-2004, pôs em xeque a autoconfiança da alma lusitana. Passar da primeira fase é quase obrigação. A partir daí, espera-se que a França não apareça no caminho (os gauleses foram os algozes dos Tugas nas semifinais do último Mundial e nas semifinais das Eurocopas de 1984 e 2000).

Retrospecto nas últimas competições
Na Copa da Alemanha, Portugal surpreendeu após chegar a uma semifinal, 40 anos depois do heróico terceiro lugar na Copa da Inglaterra. A seleção lusa foi ainda escolhida pela Fifa como a equipe mais espetacular do torneio. Presentes também nas últimas três edições da Eurocopa, os Tugas mostram uma evolução curiosa: perderam nas quartas-de-final em 1996, nas semifinais em 2000 e na final de 2004. Quem sabe agora, em 2008?

Jogador-chave
Cristiano Ronaldo, meia-atacante do Manchester United-ING.

Maior virtude
Poucas seleções européias podem contar com tantos talentos individuais e virtuosos, como acontece com Cristiano Ronaldo, Ricardo Quaresma, Nani e Deco. Do meio-campo pra frente, Portugal tem um poder de fogo capaz de causar inveja a qualquer adversário, a despeito da ausência de um matador nato no ataque. A presença de Felipão no banco também é uma mais-valia que não pode ser desprezada.

Calcanhar de Aquiles
Para não fugir à tradição das seleções portuguesas de outras épocas, a fraqueza defensiva continua sendo o ponto mais débil da equipe. O quase-perfeito Ricardo Carvalho não consegue suprir as deficiências do conjunto, e o goleiro Ricardo é quase sempre imprevisível. Além disso, o complexo de vira-latas impede que o elenco tenha mais confiança em seu próprio potencial.

Cotação William Hill
9/1

Alemanha
Áustria
Croácia
Espanha
França
Grécia
Holanda
Itália
Polônia
Portugal
República Tcheca
Romênia
Rússia
Suécia
Suíça
Turquia

Mostrar mais

Equipe Trivela

A equipe da redação da Trivela, site especializado em futebol que desde 1998 traz informação e análise. Fale com a equipe ou mande sua sugestão de pauta: [email protected]

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo