Sem categoria

Carreira antes dos 40

 

Além da proximidade geográfica e do fato de terem sido muito superiores aos adversários em suas conquistas na temporada 2010/11, Barcelona e Porto têm mais uma coisa em comum: o traço da juventude no comando técnico. Josep Guardiola, 40 anos, e André Villas-Boas, 33 são no momento os principais símbolos de uma geração de treinadores nascidos na década de 70 e que já fazem sucesso no banco de reserva enquanto alguns de seus contemporâneos – sobretudo no caso de Villas-Boas seguem jogando.

Guardiola e Villas-Boas, porém, não são os únicos a fazerem sucesso. Outros treinadores “sub-40” já despontam pelo mundo inteiro, conquistando títulos ou fazendo belos trabalhos com suas equipes mesmo sem levantar taças. Embora a maioria ainda não tenha espaço em grandes clubes, eles já mostram talento e indicam que, em breve, poderão assumir desafios cada vez maiores e se firmar como grandes técnicos do futebol mundial.

Confira uma lista com dez grandes treinadores “sub-40” do futebol na atualidade.

 

10. Francisco Arce – Rubio Ñú

Ex-lateral de Palmeiras e Grêmio, Arce encerrou a carreira de jogador em 2006 e um ano depois assumiu como técnico do modestíssimo Rubio Ñú, que estava na segunda divisão paraguaia. Subiu com o time em 2008 e desde então figura com a equipe entre a quarta e a oitava posição dos Torneos Apertura e Clausura, fazendo também um belíssimo trabalho de base que já revelou alguns bons jogadores para o futebol local. Se der sequência ao bom trabalho realizado em seus primeiros anos de carreira, é forte candidato a treinar a seleção paraguaia em um futuro não muito distante.

 

9. Roberto Martínez – Wigan

Aos 37 anos de idade e apenas quatro como treinador na Inglaterra, o espanhol Roberto Martínez já tem muito o que comemorar. Afinal de contas, já conquistou a terceira divisão inglesa com o Swansea em 2008/09 e, depois disso, foi para o Wigan, onde consegue, já há duas temporadas, evitar o rebaixamento do clube. Feito imenso para um time pequeno que precisa sobreviver em um ninho de gigantes. Apesar de alguns deslizes graves, como a goleada por 9 a 1 sofrida diante do Tottenham, Martínez continuou prestigiado no cargo e, ao que tudo indica, disputará mais uma Premier League em 2011/12, desta vez com a presença do Swansea, seu antigo clube.

 

8. 0mar Asad – San Lorenzo

Idolo do Vélez Sarsfield como jogador, “El Turco Asad” encerrou a carreira em 2000 aos 29 anos e continuou no Fortín, como técnico das categorias de base do clube entre 2003 e 2009. Ao perceber que não teria oportunidade na equipe principal, resolveu mudar de ares e assinou com o Godoy Cruz em 2010, fazendo belas campanhas nos Torneos Apertura e Clausura e levando o time à Copa Libertadores de 2011. Após uma rápida passagem pelo Emelec no começo do ano, Asad acertou com o San Lorenzo, mas enfrenta algumas dificuldades para acertar a equipe no momento.

 

7. Gabriel Schürrer – Lanús

Cria das categorias de base do Lanús como jogador, Gabriel Schürrer atuou pelo clube durante oito anos até embarcar para a Europa, onde atuou por 11 temporadas e sagrou-se campeão espanhol pelo Deportivo de La Coruña em 1999/00. Se aposentou e 2007 pelo Málaga e assumiu a base dos granates em 2009, sendo efetivado no time principal após a saída do também jovem Luis Zubeldia, de apenas 30 anos, em 2010. O bom primeiro semestre da equipe, que luta pelo título do Torneo Clausura, credencia Schürrer a figurar nessa seleta lista.

 

6. Mauricio Pochettino – Espanyol

Após se aposentar em 2006, Mauricio Pochettino tirou umas férias e voltou como treinador do Espanyol, mesmo clube pelo qual encerrou sua carreira nos gramados. Assumiu a equipe lutando para não ser rebaixada e conseguiu terminar na décima colocação, sendo recompensado com uma renovação de contrato por três anos. O prestígio de Pochettino é tão grande por lá que Raúl Tamudo, jogador-símbolo do clube por muitos anos, tentou disputar uma “queda de braço”com ele e precisou se transferir para a Real Sociedad para continuar atuando com frequência. Aos 39 anos, o argentino de Murphy, Santa Fé, vem de duas boas temporadas pelos blanquiazules e, ao que tudo indica, ficará por lá mais algum tempo.

 

5. Thomas Tuchel – Mainz 05

Depois de cuidar da base do Stuttgart e ajudar a revelar Sami Khedira e Mario Gómez, Thomas Tuchel mudou-se para o Mainz 05, novamente para a base, onde, mais uma vez, fez um grande trabalho ajudando a revelar jogadores como André Schürrle, hoje na seleção alemã. Alçado ao time principal após a saída de Jürgen Klopp para o Borussia Dortmund, Tuchel não fez feio. Manteve-se no meio da tabela em sua primeira temporada, e, em 2010/11, começou o campeonato com tudo, obtendo sete vitórias nas sete primeiras partidas. Não manteve o ritmo, é verdade, mas conseguiu a quinta colocação e a classificação para a Liga Europa, feito inédito no clube. E tudo isso aos 37 anos.

 

4. Leonid Slutsky – CSKA Moscou

Depois de alguns bons trabalhos em times médios da Rússia, sobretudo o Krylya Sovetov, Leonid Slutsky foi convidado em 2009 para o maior desafio de sua curta carreira: substituir o já badalado Juande Ramos no comando técnico do CSKA Moscou. Em princípio, seria apenas para o final daquela temporada, mas o técnico saiu-se bem, chegou às quartas de final da Liga dos Campeões em 2009/10 e foi vice-campeão russo em 2010, perdendo apenas para o Zenit, mas se garantindo na fase de grupos da Liga dos Campeões 2011/12. Aos 40 anos, já é respeitado por todo o país e se mantiver os bons resultados, poderá continuar no clube moscovita ainda por muito tempo.

 

3. Unai Emery – Valencia

Jogador até o ano de 2004, quando se aposentou em função de uma lesão no joelho, Unai Emery assumiu o pequeno Lorca Deportiva em 2004/05, levando o clube a uma inédita promoção para a segunda divisão espanhola. Na Liga Adelante seguinte, mais um bom trabalho do treinador levou o time à quinta posição. Era o momento de alçar voos mais altos, e Emery mudou-se para o Almería, conseguindo uma também inédita subida para a elite espanhola em 2007 e, no ano seguinte, terminando a primeira divisão em um honroso oitavo lugar. Foi o suficiente para que o Valencia se interessasse pelos serviços do técnico que hoje, aos 39 anos, vai para a sua quarta temporada com os Ches.

 

2. André Villas-Boas – Porto

Mais jovem técnico da lista, André Villas-Boas teve sua primeira experiência na função em 1999, quando comandou a seleção de Ilhas Vírgens. Depois, tornou-se assistente de José Mourinho e só voltou a ser técnico em 2009, na Acadêmica. Após boa temporada em Coimbra, mudou-se para o Porto, onde, logo em sua primeira temporada, faturou três títulos, incluindo a Liga Europa. Aos 33 anos, já é uma realidade e tornou-se o principal objeto de desejo de vários clubes europeus. Tem todos os atributos necessários para fazer história como treinador nas próximas três décadas, seja qual for a opção que fizer na carreira.

 

1. Pep Guardiola – Barcelona

Aos 40 anos de idade e apenas três de carreira como técnico, Josep Guardiola já soma dez títulos, sendo dois deles da Liga dos Campeões. Isso talvez bastasse para colocá-lo no grupo dos grandes treinadores do futebol, mas Pep é mais do que isso. É simplesmente o técnico do melhor Barcelona da história Após assumir o cargo, em 2008, incentivou o aproveitamento de canteranos no time principal, como Sergio Busquets e Pedro, além de efetivar Andrés Iniesta como titular. Tricampeão espanhol, conseguiu o feito contra o poderoso Real Madrid e, se mantiver o ritmo, logo entrará para o grupo dos maiores treinadores da história do futebol mundial.
 

Mostrar mais

Equipe Trivela

A equipe da redação da Trivela, site especializado em futebol que desde 1998 traz informação e análise. Fale com a equipe ou mande sua sugestão de pauta: [email protected]

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo