Portugal

‘O Porto precisa de mudança’, diz Villas Boas que, agora, é oficialmente candidato à presidência do clube

Ex-treinador prodígio do Porto quer implementar mudanças e fazer história como dirigente nos Dragões

André Villas-Boas, ex-treinador do Porto, oficializou sua candidatura à presidência do clube. Aos 46 anos, sua última função dentro do futebol foi como treinador do Olympique de Marselha, onde ficou por quase duas temporadas e se retirou em fevereiro de 2021. Depois de um início de carreira muito promissor, quando conquistou a Liga Europa, o Campeonato Português e a Taça de Portugal pelos Dragões, Villas-Boas não conseguiu ter o mesmo sucesso e agora parte para um novo desafio em sua trajetória no futebol.

O agora candidato à dirigente concedeu entrevista à ESPN e afirmou que está preparado para ser um motor de mudança dentro do Porto, que tem como presidente, Jorge Nuno Pinto da Costa, à frente do clube desde 1986, com 86 anos, o atual presidente dos Dragões é um símbolo controverso, já que é amado, mas também questionado em relação ao seu longínquo trabalho à frente do club, neste sentido, Villas Boas, que trabalhou junto do mandatário em sua época de treinador, entende que o momento é de algo novo e diz estar preparado para transformar o clube português.

“Não é porque não estejamos gratos a Jorge Nuno Pinto da Costa, é porque o FC Porto está numa fase diferente da sua vida. O FC Porto precisa de mudança. Tenho-me preparado nesse sentido, para ser um motor de transformação do FC Porto”, disse Villas Boas.

Eleições no Porto acontecem em abril

Villas-Boas se apresentou oficialmente como candidato à presidência do Porto aos torcedores nesta quarta-feira (17). Em um discurso emotivo e muito vibrante, o ex-treinador dos Dragões fez várias referências ao passado do clube, incluiu um agradecimento à Jorge Nuno Pinto da Costa, por quem sente admiração e agradecimento, mas foi contundente em suas palavras ao dizer que atualmente, os Dragões parecem presos a um “conjunto de interesses próprios”, que nada agregam para o bom desenvolvimento esportivo da equipe.

Além disso, Villas-Boas criticou a atual administração, questionando principalmente a parte financeira do clube. Como agremiação que mais arrecadou em transferências nos últimos anos, o novo candidato à presidência do Porto achou lamentável que a situação financeira atual esteja tão abaixo do esperado.

“Nos últimos 10 anos, o FC Porto conseguiu encaixar mais de 700 milhões em vendas e, em 2015, fez o maior contrato de direitos televisivos no valor de 457 milhões. Qual é a realidade actual? Um passivo de 500 milhões e uma dívida de 310 milhões”, afirmou Villas-Boas.

As eleições no Porto acontecem em abril e Villas-Boas aparece como segundo candidato ao comando dos Dragões. Neste momento, o outro candidato é o empresário Nuno Lobo. Pinto da Costa, atual mandatário dos Dragões, se manteve em silêncio sobre uma possível candidatura, tendo em vista os vários problemas financeiros do clube que podem ser investigados em breve.

Nuno Pinto, criador do Football Leaks, é torcedor fanático do Porto e defende que seja feita uma auditoria forense dos últimos 20 anos de gestão de Pinto da Costa. O principal objetivo deste trabalho seria mostrar aos torcedores dos Dragões os motivos que levaram o clube a esta situação financeira grave, mesmo sendo um dos times que mais vendem atletas em todo o mundo.

Villas-Boas quase treinou o São Paulo

Uma curiosidade sobre a trajetória de Villas-Boas é que por pouco o ex-treinador não treinou o São Paulo. Em entrevista ao Fox Sports em 2020, o português revelou que assim que saiu do Chelsea, em 2012, recebeu o convite do Tricolor para assumir o cargo de treinador.

Seu projeto para o clube do Morumbi era promissor, ambicioso e pautado em diversas transformações que gostaria de fazer, desde metodologias de treino até a infraestrutura dentro do próprio clube. As conversas não avançaram após o português dizer que gostaria de assumir o time no início de 2013, assim que começasse o Campeonato Paulista.

 “Terminei o contrato com o Chelsea em março e minha ideia era criar uma capacidade entre os novos talentos que estavam surgindo no futebol brasileiro. Fiquei uma semana e meia no Brasil e recebo uma chamada do então vice-presidente do São Paulo. Falamos muito e chegamos a um acordo total sobre as mudanças que eu queria implementar no São Paulo. Ia mudar a forma de comunicar, método de treino, infraestrutura, estruturas do clube. Para isso acontecer, eu precisava começar no início do estadual em janeiro de 2013. Esse sonho acabou por não se realizar”, revelou.

 

Foto de Lucas de Souza

Lucas de SouzaRedator

Lucas de Souza é jornalista formado pela Universidade São Judas em São Paulo. Possui especialização em Marketing Digital pela Digital House, e passagens pelos sites Futebol na Veia e Futebol Interior.
Botão Voltar ao topo