Mundo

‘Tapa na cara’: Único jogador abertamente gay do Reino Unido não poupa críticas a ida de Henderson à Arábia Saudita

Jake Daniels se mostrou decepcionado com a escolha de Henderson por país que historicamente reprime população LGBTQIA+

Na última janela de transferências, inúmeros jogadores trocaram o futebol europeu pela Arábia Saudita, que investiu pesado em contratações de peso. Esse foi o caso de Jordan Henderson, que encerrou uma passagem de 12 anos pelo Liverpool para assinar com o Al-Etiffaq. Capitão dos Reds nas últimas temporadas, o volante levantou os títulos da Champions League, em 2019, e da Premier League, em 2020, e foi negociado por € 14 milhões (cerca de R$ 73 milhões à época).

Mas a ida de Henderson para a Arábia Saudita não foi bem vista por grande parte da comunidade do futebol. Esse é o caso de Jake Daniels, único jogador abertamente gay em atividade do Reino Unido. O atacante do Blackpool, que disputa a League One (terceiro divisão do país), se mostrou decepcionado com a decisão do volante.

O atleta de 18 anos assumiu sua sexualidade em maio de 2022, se tornando o primeiro atleta profissional de futebol masculino abertamente gay no Reino Unido desde Justin Fashanu, em 1990. À época, Daniels contou que recebeu uma mensagem de apoio em suas redes sociais do próprio ídolo do Liverpool.

Jake Daniels detona Jordan Henderson por escolher Arábia Saudita

Em entrevista à BBC, o atacante do Blackpool contou que Jordan Henderson deu suporte no momento que se assumiu gay e ainda disse que “estava orgulhoso” do que ele tinha feito. Por isso, a escolha pela Arábia Saudita foi como um “tapa na cara”, segundo Jake Daniels, ainda mais levando em consideração o apoio do volante inglês à comunidade LGBTQIA+.

O jovem atleta admite que a parte financeira deve ter pesado na decisão do ex-capitão dos Reds. De acordo com o jornal francês Le Parisien, Henderson tem um salário anual de € 40 milhões (cerca de R$ 213,2 milhões) no Al-Ettifaq. Jake acredita que essa seja a justificativa para o veterano ir para o futebol saudita:

“Acho que o dinheiro paga bem. O dinheiro deve significar mais para as pessoas”.

O atacante do Blackpool também não gostou de ver outro ídolo do Liverpool ir para a Arábia Saudita. Trata-se de Steven Gerrard, que é o treinador do próprio Al-Ettifaq. Daniels classificou o movimento do técnico como “frustrante”. O jogador de 18 anos relembrou de quando se encontrou pessoalmente com o ícone inglês:


Eu o conheci pessoalmente e ele disse: ‘Se você quiser entrar em contato, me mande uma mensagem' – mas ele se mudou (para a Arábia Saudita)”.

Arábia Saudita tem histórico de repressão à população LGBTQIA+

Na Arábia Saudita, relações sexuais entre pessoas do mesmo sexo é considerado uma atividade ilegal. Além disso, a comunidade LGBTQIA+ é vista como “imoral e indecente” no país, sendo que a Lei pode punir com multa, castigo corporal, prisão ou até mesmo execução.

Jordan Henderson, por sua vez, ficou conhecido por ser contra a homofobia e ativo em causas sociais. Em dezembro de 2020, o volante usou uma braçadeira de capitão com as cores do arco-íris. No ano seguinte, chegou a ser declarado como “aliado no futebol” pelo British LGBT Awards.

Daniels não foi o primeiro a criticar o ex-jogador do Liverpool. Em setembro deste ano, Henderson garantiu que ficou “muito magoado” por isso, insistindo que suas intenções são “sempre de ajudar causas e comunidades”, e que ele “não mudou como pessoa”. Fato é que ida para o país saudita, conhecido por não respeitar direitos humanos, abriu brecha para frustrações de fãs ao redor do mundo.

Foto de Matheus Cristianini

Matheus Cristianini

Formado em Comunicação Social - Jornalismo pela Unesp, é apaixonado por esportes, acima de tudo o futebol. Por mais redundante que seja, ama escrever sobre o que é apaixonado, ficando de olho em tudo o que acontece dentro e fora de campo. Após passar por Antenados no Futebol, Bolavip Brasil, Minha Torcida e Esportelândia, se juntou à equipe da Trivela com muita vontade de continuar crescendo.
Botão Voltar ao topo