Mundo

Mais polêmica para 777 Partners: Justiça dos EUA investiga empresa por lavagem de dinheiro

777 Partners, empresa dona do Vasco e que quer fechar a aquisição do Everton, enfrenta investigação nos Estados Unidos

A empresa norte-americana 777 Partners é um sinônimo de polêmicas, situações contraditórias e seguintes notícias negativas. A companhia de investimentos é dona de diversos clubes no mundo, dentre eles o Vasco (no qual quase perdeu o controle após atrasar um aporte financeiro), e está próxima de fechar a aquisição do Everton. Mas tudo é meio nebuloso na empresa, principalmente as questões financeiras, e agora enfrenta uma nova investigação: suspeita de lavagem de dinheiro, segundo informações do portal estadunidense Semafor.

Uma equipe do Departamento de Justiça dos Estados Unidos investiga se a 777 infringiu leis de lavagem de dinheiro e outras violações durante a ascensão de uma empresa desconhecida, fundada em 2015, até se tornar um dos maiores conglomerados de clubes de futebol do mundo, afirmaram fontes à reportagem do site americano.

Um advogado que representa a companhia americana afirmou ao Semafor que “considera que estas acusações obscenas e prejudiciais foram deliberadamente cronometradas para minar as suas atividades comerciais em curso, incluindo o período contínuo de aprovações regulamentares para a proposta de aquisição do Everton FC”.

A aquisição do Everton citada pelo advogado segue travada, mesmo após anuncio da compra de 94,1% das ações do clube ainda em setembro. A 777 encontra dificuldades para levantar os 550 milhões de libras que prometeu ao iraniano Farhad Moshiri, dono do time de Liverpool. Ainda, há uma desconfiança nas finanças da empresa por parte das três instituições que precisam aprovar a compra: a Premier League, a Federação Inglesa e a Autoridade de Conduta Financeira, principal órgão regulador financeiro da Inglaterra.

Uma polêmica recente envolvendo a tentativa dos executivos levarem os fundos para compra do Everton foi a investigação também dos EUA, que apontou Kenneth King, dono da Haymarket (companhia que estaria por trás dos investimentos no clube inglês), como réu em um processo de fraude contra uma empresa seguro domiciliar.

A história é tão contraditória que King também é dono da A-CAP, empresa na qual a 777 deve US$ 338 milhões, segundo a revista norueguesa Josimar.

Outra justificativa para essa desconfiança das instituições inglesas acontece, principalmente, de uma extensa reportagem (novamente) da Josimar. Segundo a publicação, feita em julho desse ano, a 777 Partners utiliza o mesmo aporte para garantir as aquisições de clubes pelo mundo.

Se confirmar aquisição, 777 encontrará Everton em “frangalhos”

A venda dos Toffees para 777 se explica pela situação financeira do clube. São seguintes anos sofrendo com prejuízos nos balanços. Somando últimas três temporadas, teve perdas financeiras de 124,5 milhões de libras, quase 20 milhões a mais do que as regras de sustentabilidade das finanças da Premier League, que prevê prejuízos até 105 milhões de libras em três anos.

Por conta desses problemas financeiros, o Everton foi punido com a perca de 10 pontos na atual Premier League, além de, segundo a organização do campeonato, demorar a assumir os prejuízos.

Nesse momento, o time de Liverpool soma sete pontos em 14 rodadas e está em 18º, o primeiro dentro da zona de rebaixamento do Campeonato Inglês. Um rebaixamento seria um desastre financeiro. Além da queda nos direitos de televisão, o clube está construindo um novo estádio, que será inaugurado no próximo ano, e o ticket médio em uma Premier League elevaria muito as receitas.

Os clubes da 777 Partners

O Sevilla foi o primeiro clube que contou com investimento da empresa americana, em 2018, inicialmente com 5%, depois elevando dois pontos percentuais e meio de participação minoritária. Três anos depois, o Genoa foi totalmente vendido à 777, mesmo caminho do Red Star (França) e Standard de Liège, ambos em 2022, ano no qual o Vasco negociou 70% do clube com os americanos.

Em 2023, o Hertha Berlin e o Melbourne Victory foram adquiridos. Se acontecer, a compra do Everton será a próxima a ser anunciada, ainda neste ano.

Foto de Carlos Vinicius Amorim

Carlos Vinicius Amorim

Carlos Vinicius é nascido e criado em São Paulo e jornalista formado pela Universidade Paulista (UNIP). Escreveu sobre futebol nacional e internacional no Yahoo e na Premier League Brasil, além de esports no The Clutch. Como assessor de imprensa, atuou no setor público e privado.
Botão Voltar ao topo