Premier League

Everton é punido com perda de 10 pontos na Premier League e vai brigar para não cair mais uma vez

Punido por estourar limite de perdas financeiras, o Everton caiu para vice-lanterna da Premier League e viu a temporada que parecia tranquila complicar

Geralmente um período monótono no futebol de clubes, a Data Fifa de novembro não trouxe boas notícias para o Everton. Nesta sexta-feira (17), a Premier League anunciou a decisão de punir os Toffees com a perda da 10 pontos na tabela de classificação da atual temporada por violar as regras do fair play financeiro da liga sobre rentabilidade e sustentabilidade do clube durante a temporada 2021/22.

Recentemente adquirido pela 777 Partners, dona da Vasco SAF, o Everton agora aparece em penúltimo lugar na Premier League, com apenas quatro pontos em 12 jogos. Parecia que o time azul de Liverpool teria um ano mais tranquilo e de meio de tabela após duas temporadas escapando por pouco do rebaixamento, mas a punição imposta imediatamente por uma comissão independente mudou o panorama. De acordo com o The Guardian, a sanção é a maior já imposta a algum clube na história da liga.

O que fez o Everton

A Premier League apresentou uma queixa contra o Everton por violar as regras de lucratividade e sustentabilidade da liga. O caso foi encaminhado no início de 2023 para uma comissão independente, que determinou depois de uma audiência de cinco dias em outubro que o clube excedeu o limite de perda financeira em quase 20 milhões de libras, com 124,5 milhões de libras registradas em perdas nos últimos três anos.

Durante o processo, os Toffees admitiram a violação das regras sobre rentabilidade e sustentabilidade na temporada 2021/22, mas o comunicado oficial da Premier League afirma que extensão do descumprimento permaneceu.

Na Premier League 2021/22, o Everton ficou na 16ª posição com 39 pontos, quatro a mais que o rebaixado Burnley, que terminou em 18º lugar. Já na edição passada, o clube de Merseyside somou 36 pontos e se salvou com a 17ª colocação. Leicester e Leeds United chegaram na última rodada com chances matemáticas de permanência, mas acabaram rebaixados.

Segundo o The Guardian, Burnley, Leeds United e Leicester já informaram a 777 Partners que irão processar o Everton por danos em caso de veredito de culpa. O Southampton, lanterna na última Premier League, também ameaçou tomar medidas legais.

O grande problema do Everton é relacionado ao novo estádio da equipe, que ficará no norte de Liverpool e deve ficar pronta no início da temporada 2024/2025. Os Toffees precisaram desistir de um acordo de naming rights avaliado em 200 milhões de libras com a holding USM, do oligarca russo Alisher Usmanov, após a invasão russa à Ucrânia.

O que diz o Everton

Após o anúncio da punição, o Everton também emitiu um comunicado oficial criticando a decisão da comissão independente. CEO e diretor interino do clube, Colin Chong ainda afirmou em vídeo que todos estão “chocados e desapontados” com a dedução de dez pontos.

— O Everton está chocado e desapontado com a decisão da Comissão da Premier League. O clube acredita que a Comissão impôs uma sanção desportiva totalmente desproporcional e injusta. O clube já comunicou a intenção de recorrer da decisão à Premier League. O processo de apelação começará agora e o caso do clube será ouvido por um Conselho de Apelação nomeado de acordo com as regras da Premier League em seu devido tempo — disse o clube em comunicado.

— O Everton afirma que tem sido aberto e transparente nas informações que prestou à Premier League e que sempre respeitou a integridade do processo. O clube não reconhece a conclusão de que não agiu com a máxima boa-fé e não entende que esta tenha sido uma alegação feita pela Premier League durante o curso do processo. Tanto a dureza como a severidade da sanção imposta pela Comissão não são um reflexo justo nem razoável das provas apresentadas. O clube também monitorará com grande interesse as decisões tomadas em quaisquer outros casos relativos às Regras de Lucro e Sustentabilidade da Premier League — concluiu.

O Everton ainda terminou a nota afirmando que não poderá comentar mais sobre o assunto até que o processo de apelação seja concluído. A tendência é que o processo termine antes do fim da atual temporada.

O copo meio-cheio

Perder dez dos 14 pontos conquistados nas 12 primeiras rodadas e cair da 14ª colocação para a 19ª certamente era algo que a equipe comandada por Sean Dyche não esperava. Brigar na zona de rebaixamento, da qual estava a oito pontos de distância, também não. Os torcedores do Everton mais otimistas, no entanto, podem ficar aliviados pelas pontuações dos demais concorrentes na parte de baixo da Premier League.

O Burnley tem a mesma pontuação dos Toffees e é o atual lanterna da competição, mas leva a pior nos critérios de desempate. Já o Sheffield United soma cinco pontos e fecha a zona da degola. Logo acima está o Luton Town, com somente seis pontos.

Neste século, nunca a nota de corte da zona de rebaixamento da Premier League foi tão baixa passadas 12 rodadas. Nas últimas duas temporadas, a equipe que aparecia em 17º lugar nesta altura da competição tinha nove pontos. Se dá para dizer que existe uma boa hora para perder dez pontos, a hora definitivamente é agora.

As regras de rentabilidade e sustentabilidade da Premier League

Todos os clubes da Premier League são avaliados anualmente quanto ao cumprimento das regras de rentabilidade e sustentabilidade. Cada equipe pode ter um prejuízo máximo de 105 milhões de libras em três anos. O cálculo leva em conta o lucro ou prejuízo após depreciação e juros, mas antes de impostos, e depois aplica uma série de aditivos.

Os aditivos são custos que a Premier League e os clubes reconhecem como sendo do interesse geral so futebol, como investimento em infra-estruturas, comunidade, futebol feminino e desenvolvimento juvenil. Para as temporadas 2019/20, 2020/21 e 2021/22, os custos decorrentes da pandemia de covid-19 também foram considerados aditivos.

O cálculo de rentabilidade e sustentabilidade do Everton nas últimas três temporadas determinou perdas de 124,5 milhões de libras, 19,5 milhões de libras a mais que o permitido. Em 2022, Burnley e Leeds United questionaram a Premier League sobre 371,8 milhões de libras em perdas registradas pelos Toffees, que afirmaram possuir uma série de fatores atenuantes, como o acordo de naming rights desfeito com a USM.

Foto de Felipe Novis

Felipe Novis

Felipe Novis nasceu em São Paulo (SP) e cursa jornalismo na Faculdade Cásper Líbero. Antes de escrever para a Trivela, passou pela Gazeta Esportiva.
Botão Voltar ao topo