América do SulEuropaMundo

Ideia de Liga das Nações conjunta entre Uefa e Conmebol é um golpe no plano da Fifa de Copa a cada dois anos

Articulação entre as duas confederações pode promover um torneio que atrairá atenção mundial e enfraquece a vontade da Fifa de Copa a cada dois anos

A Copa do Mundo a cada dois anos é uma ideia da Fifa que tem sido muito debatida nos últimos meses, porque é uma vontade da entidade – como explicamos aqui, por aumento de receitas e de poder também. A entidade, porém, enfrenta oposição das duas confederações mais importantes – e as únicas com títulos mundiais: Uefa e Conmebol, que se tornaram parceiras nos últimos anos. E o plano mais recente das duas é uma porrada imensa nos planos da Fifa: fazer com que as seleções da Conmebol integrem a Liga das Nações a partir de 2024.

Uefa e Conmebol assinaram a renovação do Memorando de Entendimento na quarta-feira em que as duas mais poderosas confederações de futebol do mundo irão colaborar uma com a outra. Se comprometeram inclusive a “abrir um escritório compartilhado da Uefa e Conmebol em Londres e a potencial organização de uma variedade de eventos de futebol”.

O primeiro desses eventos reunirá as seleções campeões da Copa América e Eurocopa, Argentina e Itália, respectivamente. O jogo será em Londres no dia 1º de junho e recebeu o nome de Finalissima. Além do jogo comemorativo, haverá também colaboração entre as duas confederações para a formação de árbitros e também competições de categorias de base, de futebol feminino, futsal e beach soccer.

Também haveria uma formação conjunta para os treinadores, o que pode ser muito importante para os técnicos sul-americanos terem as licenças Uefa, atualmente as mais desejadas para trabalhar no mercado internacional, para além até mesmo da Europa. Alguns brasileiros mais privilegiados conseguem ir para a Europa para fazer a formação de treinador por lá, mas evidentemente essa é uma possibilidade bastante restrita atualmente aos jogadores de elite que desejem ser treinadores.

Conmebol e Uefa assinaram acordo de cooperação

Novo formato seria a partir de 2024

“Esta é a última Liga das Nações nesse formato. Tivemos uma reunião com a Conmebol, a confederação dos países sul-americanos. A partir de 2024, os times daquele continente irão se juntar à competição. Em qual formato será? Ainda estamos trabalhando nisso. A agenda de jogos de seleções é restrita, então não podemos misturar muito”, afirmou Boniek, ex-chefe da Federação Polonesa de Futebol, em entrevista para o Meczyki.

Segundo Boniek, os seis principais países da Conmebol, o que significaria, pelo atual ranking da Fifa, Brasil, Argentina, Colômbia, Uruguai, Peru e Chile, seriam adicionados à Liga A da Liga das Nações. Com isso, haveria uma série de jogos espetaculares com enfrentamentos contra seleções como Espanha, Alemanha, Inglaterra e França. As outras quatro seleções sul-americanas, Bolívia, Equador, Paraguai e Venezuela entrariam na a Liga B.

Resolveria uma das principais reclamações atuais das seleções sul-americanas, de não poderem fazer amistosos contra seleções europeias. Melhor do que amistosos, disputariam uma competição que vale, com rivalidade e camisas de peso. É uma solução das melhores possíveis para os dois continentes.

Atualmente, cada uma das ligas tem 16 seleções, de modo a ter quatro grupos de quatro seleções. Ainda não está claro como seria esse novo formato, já que a Liga A ficaria com 22 seleções. Talvez precise ser pensado em um formato um pouco diferente. É especulado também que haja uma fase local e os vencedores se unam em uma fase final.

A competição já nasceria com cara de torneio grande, como é a Copa América e, em maior escala, a Eurocopa. Reuniria todas as seleções campeãs do mundo em um formato que se mostrou bem interessante. Acabaria com o problema das seleções da Conmebol de não poderem enfrentar os europeus justamente por causa da Liga das Nações. E ainda exerceria um papel pesado de bater na Fifa com um torneio que não tem nada a ver com ela, mas tem o peso de uma mini Copa do Mundo. É um golpe de mestre.

O calendário internacional ainda será definido para 2024. A Fifa tem forçado a barra para vender a ideia de uma Copa do Mundo a cada dois anos. Além disso, a própria entidade tem a ideia de uma Liga das Nações Mundial que é falada desde 2018. A ideia parece ter sido deixada de lado pela Copa do Mundo a cada dois anos, mas com os planos de Uefa e Conmebol, pode ser que essa ideia seja tirada da gaveta.

Até porque a Liga das Nações conjunta entre Uefa e Conmebol é uma grande ideia para as duas, mas criaria um problema para as seleções dos outros países, que não conseguiriam mais jogar contra as seleções dos dois continentes mais fortes do mundo. Assim como a Conmebol não consegue, atualmente, fazer amistosos com os europeus, os asiáticos, africanos, caribenhos e norte-americanos não conseguiriam mais enfrentar seleções dessas duas confederações. Seria também um problema nesse sentido. Mas a Fifa precisaria trabalhar bem para resolver isso.

Enquanto isso, Conmebol e Uefa trabalham por si mesmas e, principalmente, contra a Fifa. A Liga das Nações entre as duas seria um golpe muito forte na ideia de uma Copa do Mundo a cada dois anos. Até aqui, um movimento de xadrez das duas principais confederações do futebol mundial. Na guerra fria que se arma entre a Fifa e Uefa e Conmebol, as confederações saíram na frente.

As palavras dos presidentes

Aleksander Ceferin, presidente da Uefa:

Estamos muito satisfeitos de consolidarmos nossa excelente relação com a Conmebol, e nosso forte desejo de agir em conjunto pelo desenvolvimento do futebol e seus benefícios à sociedade estejam refletidos neste novo Memorando de Entendimento.

Há uma longa tradição de cooperação entre Uefa e Conmebol, como pudemos testemunhar ao longo dos anos como competições como o Troféu Artemio Franchi e a Copa Intercontinental, é com grande orgulho que estamos relançando um prestigioso troféu nacional para apreciação dos amantes do futebol ao redor do globo.

Estamos muito ansiosos para explorar as novas oportunidades juntos e aguardamos ansiosamente a chegada da Finalissima, em Londres, em junho de 2022.

Gostaria de agradecer a Alejandro Domínguez por seu envolvimento dedicado nenste projeto e por seu trabalho fora de série na gestão do futebol sul-americano.

Alejandro Domínguez, presidente da Conmebol

Sentimos uma grande satisfação com os frutos que estamos colhendo em conjunto com a Uefa, de uma exceleção entre as nossas instituições. Com este acordo de renovação e ampliação do nosso Memorando de Entendimento, estamos formando as bases para que esta cooperação fluida cresça e se desenvolva ainda mais. A finalíssina entre Argentina e Itália no dia 1º de junho em Londres se soma a outros eventos esportivos de primeiro nível, como corresponde a tradição do futebol europeu e sul-americano. A abertura do escritório conjunto permitirá encarar com agilidade e vigor os novos projetos para benefício de milhões de torcedores em nossos continentes e no resto do mundo.

Gostaria de agradecer aos membros do Conselho da Conmebol que respaldaram com a maior firmeza essa iniciativa e também muito especialmente o presidente Aleksander Ceferin e sua equipe de colaboradores, com quem compartilhamos a mesma visão sobre a importância estratégica da nossa aliança.

Mostrar mais

Felipe Lobo

Formado em Comunicação e Multimeios na PUC-SP e Jornalismo pela USP, encontrou no jornalismo a melhor forma de unir duas paixões: futebol e escrever. Acha que é um grande técnico no Football Manager e se apaixonou por futebol italiano (Forza Inter!) desde as transmissões da Band. Saiu da posição de leitor para trabalhar na Trivela em 2009.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo