Mundo

Valcke defende reeleição de Blatter na cara de pau

“Time que está ganhando não se mexe”. A frase é um desses lugares comuns que se fala no futebol e se usa para tudo na vida, mas desta vez foi usada de uma forma tão cínica e cara de pau que merece destaque. Ela foi proferida pelo secretário-geral da Fifa, Jérôme Valcke, sobre o atual presidente da entidade, Joseph Blatter, continuar no cargo por mais um mandato. Sim, isso mesmo. Mesmo com tudo que Blatter tem sido criticado nos últimos anos. Mesmo com todos os escândalos que a Fifa se mostra envolvida. Começa a se articular a permanência de um dirigente que há muito perdeu a credibilidade.

“O atual presidente é muito bom”, declarou Valcke durante uma coletiva de imprensa na Copa das Confederações. “Por que ele não deveria concorrer novamente para presidente da Fifa se ele está fazendo um bom trabalho?”, continuou o dirigente. “Por que mexer em um time que é bom e está ganhando? Veremos”, afirmou. “Nós temos tempo. 2015 é em um pouco menos de dois anos, então veremos”.

Blatter está na presidência da Fifa desde 1998. Tem 77 anos e foi reeleito em 2011 para o seu quarto mandato. A quantidade de escândalos que a Fifa viveu neste período é enorme. No último mês, na Mauritânia, Blatter conseguiu que a proposta com limite de idade não fosse aplicado. A Uefa, uma das confederações mais fortes politicamente, queria impor uma restrição de idade ou número de mandatos, mas a proposta ainda não foi aprovada integralmente. A tendência é que seja imposto um limite, mas talvez só a partir da próxima eleição – não valeria para os mandatos anterior de Blatter, por exemplo.

Diversos membros do Comitê Executivo da Fifa foram acusados – e condenados, em alguns casos – por corrupção. Entre esses acusados, os brasileiros Ricardo Teixeira, que acabou deixando o cargo na entidade depois de sair também da CBF. Outros, como Issa Hayatou, de Camarões, Julio Grondona, da Argentina, perderam totalmente o pouco crédito que tinham. O ex-presidente da Conmebol, Nicolás Leoz, renunciou ao cargo alegando problemas de saúde, mas também foram feitas fortes acusações contra o paraguaio. Blatter foi inocentado de qualquer acusação de corrupção, mesmo no caso ISL (que arrastou Ricardo Teixeira para o buraco), mas foi considerado “negligente”.

Esse é o senhor que quer continuar à frente da Fifa. Do ponto de vista dele e de Valcke, certamente o time está ganhando. Só que esse time não representa o futebol mundial, como deveria ser a entidade.

Mostrar mais

Felipe Lobo

Formado em Comunicação e Multimeios na PUC-SP e Jornalismo pela USP, encontrou no jornalismo a melhor forma de unir duas paixões: futebol e escrever. Acha que é um grande técnico no Football Manager e se apaixonou por futebol italiano (Forza Inter!) desde as transmissões da Band. Saiu da posição de leitor para trabalhar na Trivela em 2009.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo