México

Preview da Liga MX – parte II

A bola já está rolando e entraremos nessa semana na terceira rodada do Clausura da Liga MX. Na Trivela você confere a segunda parte do preview da temporada da Primera División com os nove clubes melhores colocados no Apertura 2012 do futebol azteca:

Vagas continentais do Clausura 2012

Campeão da Liguilla: fase de grupos da Concacaf Champions League 2013-14
Vice-campeão da Liguilla: fase de grupos da Concacaf Champions League 2013-14
Último colocado (média das últimas três temporadas, incluindo Clausura 2013): rebaixado

Santos

Nome do clube: Club Santos Laguna S.A. de C.V.
Fundação: 04/set/1983
Site oficial: www.clubsantoslaguna.com.mx
Estádio: Territorio Santos Modelo (30.000 torcedores)
Cidade: Torreón (639.629 habitantes)
Técnico: Pedro Caixinha-POR
Colocação no Apertura 2012: 9º lugar (23 pontos, 17 jogos, 6 vitórias, 5 empates, 6 derrotas, 22 gols marcados e 26 gols sofridos)
Competição continental: enfrenta o Houston Dynamo-EUA nas oitavas de final da Concachampions
Destaque: Carlos Darwin Quintero (A)
Artilheiro: Carlos Darwin Quintero, 7 gols
Garçom: Daniel Ludueña, 4 assistências
Decepção: Christian Suárez (A)
Principais reforços: Néstor Calderón (M, Pachuca), Mauro Cejas-ARG (M, Pachuca) e Andrés Rentería-COL (A, Alianza Petrolera-COL)
Provável time-base: Oswaldo Sánchez, Jorge Iván Estrada, Aarón Galindo, Felipe Baloy e Osmar Mares (César Ibáñez); Marc Crosas, Juan Pablo Rodríguez (Rodolfo Salinas) e Néstor Calderón; Carlos Darwin Quintero; Mauro Cejas (Hérculez Gomez) e Oribe Peralta;
Expectativa: título

Após a conquista do Clausura 2012 e o fim de quatro anos de campanhas que sempre batiam na trave, as expectativas em Torreón eram grandes para a temporada 2012/13. A irregularidade do time e a demora para as principais peças do elenco engrenarem, contudo, fizeram com que os laguneros ficassem de fora dos playoffs pelo saldo de gols. A derrota para o Morelia na rodada derradeira e a eliminação causaram exigiram mudanças nos Guerreros.

Benjamin Galindo, comandante do título na primeira metade do ano, deixou o cargo. E para as mudanças não ficarem somente fora de campo, Ludueña, um dos pilares do clube nos últimos cinco anos, e Suárez foram trocados com o Pachuca, resultando nas chegadas dos meias Cejas e Calderón. Para treinar o time, os Albiverdes trouxeram o português Pedro Caixinha, ex-assistente de José Peseiro e único técnico europeu na Liga MX. Ainda assim, as mudanças foram poucas. E o Santos mantém uma base forte e entrosada. Que espera (e tem potencial) chegar mais longe no Clausura.

Chivas de Guadalajara

Nome do clube: Club Deportivo Guadalajara S.A. de C.V.
Fundação: 08/mai/1906
Site oficial: www.chivascampeon.com
Estádio: Omnilife (49.850 torcedores), em Zapopan
Cidade: Guadalajara (1.564.514 habitantes)
Técnico: Benjamin Galindo
Colocação no Apertura 2012: 8º lugar (23 pontos, 17 jogos, 6 vitórias, 5 empates, 6 derrotas, 17 gols marcados e 17 gols sofridos) – Eliminado nas quartas de final pelo Toluca
Competição continental: eliminado na fase de grupos da Concachampions
Destaque: Héctor Reynoso (Z)
Artilheiro: Rafael Márquez Lugo, 7 gols
Garçom: Miguel Ponce, 3 assistências
Decepção: Omar Arellano (A)
Principais reforços: Sergio Pérez (Z, Monterrey), Adrián Cortés (Z, Cruz Azul), José Manuel Rivera (A, RoPS-FIN) e Miguel Sabah (A, Morelia)
Provável time-base: Luis Ernesto Michel, Sergio Pérez, Héctor Reynoso, Kristian Álvarez e Miguel Ángel Ponce (Adrián Cortés); Patricio Araujo, Jorge Enríquez, Luis Ernesto Pérez e Marco Fabián; Miguel Sabah (Jesús Sánchez) e Rafael Márquez Lugo (Erick Torres);
Expectativa: vaga na Liguilla

As expectativas geradas com o projeto “holandês” nas categorias de base do clube de Jalisco, capitaneado pela lenda Johan Cruyff, eram grandes. Principalmente em um time que tem a política de somente utilizar jogadores mexicanos em suas fileiras. O resultado, porém, foi catastrófico. Com pressões constantes do instável presidente Jorge Vergara e fracos resultados dentro de campo, o Chivas até conseguiu a vaga na Liguilla, mas foi facilmente superado pelo líder Toluca já nas oitavas. Pior: conseguiu a proeza de ser o primeiro clube azteca eliminado ainda na fase de grupos da Concachampions.

Fim do projeto e decepção para a maior torcida do futebol mexicano. As esperanças do Rebaño Sagrado de pôr fim ao já incômodo jejum de oito anos em 2013 é pequena. O clube de Guadalajara se desfez de muitos jogadores, incluindo Omar Arellano, um dos pilares do time nas últimas cinco temporadas. Apostando ainda mais na fama de suas “fuerzas básicas”, o Chivas trouxe apenas três nomes, sendo que apenas o veterano atacante Sabah, de volta ao clube que o revelou após oito anos, deve adicionar algo a mais. Ainda que o discurso seja o de brigar pela taça, nem mesmo o falastrão Vergara acredita firmemente nessa possibilidade.

Monterrey

Nome do clube: Club de Fútbol Monterrey
Fundação: 28/jun/1945
Site oficial: www.rayados.com
Estádio: Tecnológico (36.485 torcedores)
Cidade: Monterrey (1.130.960 habitantes)
Técnico: Víctor Manuel Vucetich
Colocação no Apertura 2012: 7º lugar (23 pontos, 17 jogos, 5 vitórias, 8 empates, 4 derrotas, 23 gols marcados e 23 gols sofridos) – Eliminado nas quartas de final pelo Tijuana
Competição continental: enfrenta o Xelajú-GUA nas oitavas de final da Concachampions
Destaque: Humberto Suazo (A)
Artilheiro: Humberto Suazo, 6 gols
Garçom: Neri Cardozo, 4 assistências
Decepção: Ricardo Osorio (Z)
Principais reforços: Leobardo López (Z, Pachuca) e Omar Arellano (A, Chivas de Guadalajara)
Provável time-base: Jonathan Orozco, Ricardo Osorio (Severo Meza), Hiram Mier, Leobardo López, José María Basanta e Dárvin Chávez; Walter Ayoví, César Delgado e Neri Cardozo; Aldo de Nigris e Humberto Suazo;
Expectativa: título

É difícil criticar o desempenho do Monterrey. Ainda que o clube tenha sido eliminado nas quartas da Liguilla, os Rayados já não deixam dúvidas de terem tomado de assalto o posto de “time da década” no futebol azteca do Pachuca. Se não foi brilhante em âmbito nacional, manteve o domínio na Concacaf, garantindo a vaga na fase final com a melhor campanha da fase grupos (4 vitórias em 4 jogos, 15 gols marcados e nenhum sofrido), e obteve a melhor campanha de um time mexicano na história do Mundial de Clubes (3º lugar), salvando sua honra após a fraca campanha em 2011.

E tudo indica que 2013 não será diferente. A base do time de Vucetich muda muito pouco, sendo, justamente, um dos trunfos das boas campanhas. A única saída de maior peso poderia ser o meia/atacante Reyna, mas, ainda que seja titular da Tricolor, o ex-americanista não encontrou sua vaga no esquema armado pelo “Midas” no Tecnológico. Para o seu lugar, a diretoria Albiazul trouxe Arellano, que busca retornar à seleção após brusca queda de rendimento, e o veterano defensor López, ex-Pachuca. Adições que, ainda que não tornem o Monterrey mais forte, no mínimo o manterão no mesmo patamar. Um patamar no qual os adversários ainda não encontraram formas de alcançar. 

Cruz Azul

Nome do clube: Club Deportivo, Social y Cultural Cruz Azul A.C.
Fundação: 22/mai/1927
Site oficial: www.cruz-azul.com.mx
Estádio: Azul (35.161 torcedores)
Cidade: Cidade do México (8.851.080 habitantes)
Técnico: Guillermo “Memo” Vázquez
Colocação no Apertura 2012: 6º lugar (26 pontos, 17 jogos, 6 vitórias, 8 empates, 3 derrotas, 22 gols marcados e 15 gols sofridos) – Eliminado nas quartas de final pelo León
Competição continental: nenhuma
Destaque: Luis Perea (Z)
Artilheiro: Mariano Pavone, 8 gols
Garçom: Christian Giménez e Alejandro Vela, 3 assistências
Decepção: Pablo Barrera (M)
Principais reforços: Teófilo Gutiérrez-COL (A, Junior de Barranquilla-COL) e Nicolás Bertolo-ARG (M, Palermo-ITA)
Provável time-base: Jesús Corona, Gerardo Flores (Júlio Dominguez), Néstor Araujo (Jair Pereira), Luis Perea e Alejandro Castro; Israel Castro, Gerardo Torrado, Javier Aquino (Alejandro Vela) e Christian Giménez; Teófilo Gutiérrez (Javier Orozco) e Mariano Pavone;
Expectativa: título

Pressão na Plaza de Toros é algo cada vez mais comum, principalmente graças aos recém-completos 16 anos sem conquistas nacionais. Mas mesmo que tenha oferecido pouca resistência ao León nas quartas de final da Liguilla, a Máquina Azul tem bons motivos para esperar uma melhora que, enfim, leve às finais em 2013. O bom desempenho das contratações é um deles: o experiente zagueiro colombiano Luis Amaranto Perea parece ter arrumado de vez o setor defensivo dos azuis, tornando-o o menos vazado do Apertura. O atacante argentino Pavone, por sua vez, tornou-se a referência no ataque, substituindo seu compatriota “Tito” Villa, hoje no Tigres.

Vázquez ainda precisa encontrar uma forma de fazer render o futebol de Pablo Barrera, uma das esperanças dos Cementeros na renovação do elenco. Assim como “Téo” Gutiérrez, goleador nato, mas problemático na mesma medida que traz consigo um bom número de gols. Se conseguir adaptar os jovens ao esquema tático pretendido e livrar o elenco da pressão que sempre afeta a Máquina, “Memo” pode conseguir dar o passo adiante que os torcedores do Cruz Azul tanto esperam.

Morelia

Nome do clube: Monarcas del Atlético Morelia S. A. de C. V.
Fundação: 21/nov/1924
Site oficial: www.fuerzamonarca.com
Estádio: Morelos (41.056 torcedores)
Cidade: Morelia (729.757 habitantes)
Técnico: Rubén Omar Romano-ARG
Colocação no Apertura 2012: 5º lugar (27 pontos, 17 jogos, 6 vitórias, 9 empates, 2 derrotas, 25 gols marcados e 16 gols sofridos) – Eliminado nas quartas de final pelo América
Competição continental: nenhuma
Destaque: Jefferson Montero (M)
Artilheiro: Miguel Sabah, 9 gols
Garçom: Jefferson Montero, 5 assistências
Decepção: Antonio Pedroza (A)
Principais reforços: José María Cárdenas (M, América), Fernando Morales (M, Pumas UNAM), Héctor Mancilla-CHI (A, Atlas) e Sergio Santana (A, Atlas)
Provável time-base: Federico Villar, Uriel Álvarez, Enrique Pérez, Joel Huiqui e Carlos Morales; Christian Valdez, Aldo Leão Ramírez (Rodrigo Salinas), Jefferson Montero e José María Cárdenas,; Joao Rojas e Héctor Mancilla;
Expectativa: vaga na Liguilla

Poucos imaginavam que o Monarcas não manteria seu desempenho sempre constante no Apertura. O problema para os Purépechas, todos sabem, é dar o gás final que leve o clube de volta aos títulos. Algo que se pôde ver novamente na primeira parte da temporada da Liga MX. Perdendo pouco, com uma defesa forte e segura e com Sabah garantindo os gols na frente, a Monarquía voltou a Liguilla com certa tranquilidade. Mas logo nas quartas de final caiu para o América, um time ao qual já estava acostumado a surpreender.

Para o Clausura o Morelia mudou pouco. Em quantidade. Por que dentro de campo perdeu o veterano atacante Miguel Sabah, capitão, referência e artilheiro dos Canários nos últimos quatro anos, que retornou ao Chivas. O atacante Héctor Mancilla foi trazido para ocupar a vaga de “borrego”, mas será necessário esperar para conferir se o chileno irá se adaptar ao futebol pragmático característico em Morelos. Se seguir os passos do meia equatoriano Jefferson Montero, trazido a peso de ouro do futebol espanhol e rapidamente adaptável ao time, o Morelia terá novos motivos para reanimar as esperanças de voltar ao topo. 

América

Nome: Club de Fútbol América S.A. de C.V
Fundação: 12/out/1916
Site oficial: www.clubamerica.com.mx
Estádio: Azteca (105.064 torcedores)
Cidade: Cidade do México (8.851.080 habitantes)
Técnico: Miguel Herrera
Colocação no Apertura 2012: 4º lugar (31 pontos, 17 jogos, 8 vitórias, 7 empates, 2 derrotas, 28 gols marcados e 15 gols sofridos) – Eliminado nas semifinais pelo Toluca
Competição continental: nenhuma
Destaque: Christian Benítez (A)
Artilheiro: Christian Benítez, 13 gols
Garçom: Paul Aguilar, 6 assistências
Decepção: Efraín Juárez (Z)
Principais reforços: Osvaldo Martínez-PAR (M, Atlante), Narciso Mina-EQU (A, Barcelona-EQU) e Francisco Rodríguez (Z, Stuttgart-ALE)
Provável time-base: Hugo González, Paul Aguilar (Efraín Juárez), Francisco Rodríguez, Aquivaldo Mosquera, Diego Reyes e Adrián Aldrete; Jesús Molina (Juan Medina), Osvaldo Martínez (Christian Bermúdez) e Rubens Sambueza; Narciso Mina (Raúl Jiménez) e Christian Benítez;
Expectativa: título 

Ao contrário de anos anteriores, os comandados de Herrera não decepcionaram em nenhum momento da temporada e fizeram por merecer a vaga na Liguilla com bastante antecedência. E por muito pouco as águias não deixaram os futuros campeões Tijuana pelo caminho, nas semifinais. Se faltou algo, esse algo ficou óbvio: faltou Benítez. Melhor jogador atuando no futebol azteca, “Chucho” é o termômetro do futebol Milloneta. Se ele brilha, como brilhou na fase regular, os adversários pouco podem fazer para segurar o América. Mas se está em um dia ruim, como no jogo de volta, as outras opções (caras e que ainda estão devendo) precisam ocupar esse espaço. Algo não muito constante na capital azteca.

Para o Clausura, o América perdeu o jovem e seguro zagueiro Diego Reyes, vendido ao Porto, mas conseguiu reter a promessa por 6 meses, com “Yeyito” se apresentando ao Dragão somente em junho. Quem deu adeus de vez foi o capitão argentino Daniel Montenegro, que rescindiu seu contrato para voltar ao Independiente de seu país natal. Mas contratações, sempre caras e empolgantes quando envolvem os Cremas, trouxeram para o Azteca o meia paraguaio Martínez, destaque do Atlante, e o atacante equatoriano Mina, além de repatriar o selecionável zagueiro “Maza” Rodríguez, que estava na Bundesliga. No somatório, como quase sempre acontece, o América leva vantagem no saldo da janela de transferências, contando com o elenco mais caro, talentoso e pressionado da Liga MX. Resta saber, contudo, se a “Chuchodependência” dará a tônica do desempenho no Clausura e se Benítez irá corresponder nos momentos decisivos. Caso a resposta seja positiva, a torcida terá motivos para sorrir em 2013. 

León

Nome: Club León F.C.
Fundação: 20/ago/1944
Site oficial: http://www.clubleon-fc.com/
Estádio: León “Nou Camp” (33.943 torcedores)
Cidade: León (1.590.962 habitantes)
Técnico: Gustavo Matosas-URU
Colocação no Apertura 2012: 3º lugar (33 pontos, 17 jogos, 10 vitórias, 3 empates, 4 derrotas, 34 gols marcados e 17 gols sofridos) – Eliminado nas semifinais pelo Tijuana
Competição continental: primeira fase da Copa Libertadores
Destaque: Nelson Sebastián Maz (A)
Artilheiro: Nelson Sebastián Maz, 10 gols
Garçom: Nelson Sebastián Maz e Hernán Burbano, 6 assistências
Decepção: Javier Muñoz Mustafá (Z)
Principais reforços: Rafael Márquez (Z, New York Red Bulls-EUA), Jorge Zataraín (M, Necaxa), Nery Castillo (A, Pachuca) e Yovanny Arrechea-COL (A, Changchun Yatai-CHN)
Provável time-base: Christian Martínez (Edgar Hernández), Juan Carlos Rojas, Jonny Magallón (Ignacio González), Rafael Márquez e Edwin Hernández; Juan Vázquez, Hernán Darío Burbano, Carlos Peña (Nery Castillo) e Luis Montes; Matías Britos e Nelson Sebastián Maz;
Expectativa: vaga na Liguilla

Poucos torcedores Esmeraldas poderiam prever um retorno mais espetacular à Liga MX. La Fiera teve o melhor ataque do Apertura, de forma disparada, com uma campanha empolgante, brigando pela ponta de igual para igual com os grandes do futebol azteca. Com um estilo ofensivo e envolvente, o jovem técnico Gustavo Matosas apostou numa fórmula pouco usual para os clubes recém-chegados à elite: manteve a base que brilhou na Liga de Ascenso, com adições pontuais e mentalidade vencedora. A queda nas semifinais para o Tijuana, após vencer a primeira partida por 2×0, foi um banho de água fria para os fanáticos torcedores do León, mas serviram também de lição ao uruguaio, que pela primeira vez no Apertura recuou o time em uma partida, pagando caro pela mudança tática em momento vital da competição.

Ainda que não tenha se livrado matematicamente do risco de descenso, as chances de rebaixamento são nulas, com os Panzas Verdes liderando a tabela de quocientes. Outra lição que o León parece ter aprendido: mudar pouco para agregar entrosamento é básico para um bom desempenho na Liga MX. Para 2013, a direção leonina trouxe dois reforços importantes para agregar experiência: o zagueiro Rafa Márquez e o atacante Nery Castillo. Adições pontuais, que não devem alterar a espinha dorsal de um time que vem encantando sem grandes estrelas e com um estilo aguerrido. Já não é mais zebra e poucos não os colocam como candidatos ao título.

Toluca

Nome do clube: Deportivo Toluca Fútbol Club S.A. de C.V 
Fundação: 12/fev/1917
Site oficial: www.deportivotolucafc.com
Estádio: Nemesio Díez (33.000 torcedores)
Cidade: Toluca de Lerdo (1.846.602 habitantes)
Técnico: Enrique Meza
Colocação no Apertura 2012: vice-campeão (34 pontos, 17 jogos, 10 vitórias, 4 empates, 3 derrotas, 28 gols marcados e 17 gols sofridos) – Derrotado na final pelo Tijuana
Competição continental: fase de grupos da Copa Libertadores
Destaque: Lucas Silva (M)
Artilheiro: Lucas Silva, 7 gols
Garçom: Lucas Silva, 8 assistências
Decepção: Jesús Arturo Paganoni (M)
Principais reforços: Fausto Pinto (Z, Cruz Azul), Xavier Báez (M, Chivas de Guadalajara) e Flavio Santos (A, Atlas)
Provável time-base: Alfredo Talavera, Marvin Cabrera, Diego Novaretti, Edgar Dueñas e Carlos Gerardo Rodríguez (Fausto Pinto); Wilson Mathias, Antonio Ríos, Sinha e Lucas Silva; Carlos Esquivel e Luis Tejada (Edgar Benítez);
Expectativa: título

Com muitas trocas, saídas, mudanças na formação e no comando e até algum risco antes inimaginável de briga contra o descenso, o Toluca não parecia um time para brigar nem mesmo por Liguilla no Apertura. Mas os Diablos surpreenderam. Sob o comando de Meza, os veteranos Choriceros deram caldo e levaram o Toluca à Superliderança da fase regular da Liga MX. O destaque foi o brasileiro Lucas Silva, ex-Botafogo, que, atuando de forma mais adiantada, redescobriu seu faro goleador da primeira passagem pelo futebol azteca. Goleador e líder em assistências, Lucas é ídolo na La Bombonera e tratado como futuro substituto do brasileiro naturalizado Sinha. A derrota na final para os Xolos não foi o fim que todos imaginavam, mas diante das expectativas do início da temporada, os torcedores não puderam reclamar.

Na janela de transferências do meio de temporada, a equipe Escarlata foi pouco atuante, mantendo a base e apostando nas suas prolíficas categorias de base. Há ainda algumas contratações que estão devendo, como o promissor atacante paraguaio Benítez, protelado pelo veterano panamenho Tejada no time titular. Em 2013, contudo, a mentalidade é outra. O ambiente também. E o Toluca entra novamente na Liga MX como um dos favoritos e com a fama que caracterizou o clube na década passada.

Tijuana

Nome: Club Tijuana Xoloitzcuintles de Caliente
Fundação: 14/jan/2007
Site oficial: www.xolos.com.mx
Estádio: Caliente (33.333 torcedores)
Cidade: Tijuana (1.300.983 habitantes)
Técnico: Antonio Mohamed-ARG
Colocação no Apertura 2012: campeão (34 pontos, 17 jogos, 9 vitórias, 7 empates, 1 derrotas, 23 gols marcados e 15 gols sofridos) – Venceu o Toluca na final da Liguilla
Competição continental: fase de grupos da Copa Libertadores
Destaque: Pablo Aguilar (Z)
Artilheiro: Duvier Riascos, 10 gols
Garçom: Fernando Arce, 4 assistências
Decepção: Raúl Nava (A)
Principais reforços: Noé Maya (M, San Luis) e Daniel Omar Márquez (A, Necaxa)
Provável time-base: Cirilo Saucedo, Juan Carlos Núñez, Javier Gandolfi, Pablo Aguilar e Edgar Castillo; Cristian Pellerano, Leandro Augusto Joe Corona (Fidel Martínez) e Fernando Arce; Alfredo Moreno e Duvier Riascos;
Expectativa: título

Três torneios e um ano e meio na elite foram suficientes para dar ao jovem Tijuana seu primeiro título nacional do campeonato mexicano. Time com menor tempo de existência a conquistar a Liga MX, os Xolos mostravam uma evolução que certamente resultaria em título, ainda que não fosse esperado tanta rapidez. Com um técnico jovem e talentoso, um elenco entrosado, misturando jovens promissores e veteranos acostumados à Primera División, em um ambiente sem a pressão dos grandes do futebol azteca, os Perros levaram o titulo nacional, de forma incontestável.

Se a Superliderança não veio pelo saldo de gols na primeira fase, as excelentes exibições na Liguilla tornaram a conquista dos Rojinegros ainda mais merecedora. Como em time que está ganhando não se mexe, o Tijuana foi o clube que menos se mexeu na janela de transferências de inverno. Com apenas dois retornos de empréstimo e uma saída (também de empréstimo), todas de jogadores reservas, a base vencedora foi mantida de forma precisa. Ainda que “Turco” tenha, também, que dividir as atenções do time no primeiro semestre com a Copa Libertadores, não colocar os Xolos como candidatos ao bi atualmente é inimaginável. 

Curtas

– Seleção da 2ª rodada Trivela: Miguel Pinto (Atlas), Sergio Ponce (Atlas), Diego Reyes (América), Javier Gandolfi (Tijuana) e José Arturo Rivas (Tigres); Rubens Sambueza (América), Lucas Silva (Toluca), Lucas Lobos (Tigres) e Christian Giménez (Cruz Azul); Amaury Escoto (Querétaro) e Oribe Peralta (Santos); T: Ricardo Ferretti (Tigres);

Confira um resumo dos principais campeonatos nacionais da Concacaf na primeira parte da temporada

Costa Rica

– Campeão do Campeonato de Invierno 2012: Alajuelense (28º título)

– Vice-campeão: Herediano

– Artilheiro: Cristhian Lagos (Santos de Guápiles) – 18 gols

– O Campeonato de Verano, torneio que fecha a temporada da Primera DiIvisión costarriquenha, teve início no último fim de semana. A liderança é ocupada por Cartaginés, Puntarenas, Uruguay, San Carlos e Santos, times que venceram na estreia e somam 3 pontos;

– Os grandes clubes do país tiveram um desempenho sofrível na rodada inaugural: atual campeão, a Alajuelense não passou de um empate sem gols contra o Belén Siglo XXI, em casa, enquanto o Herediano foi derrotado em visita ao Santos. Maior campeão nacional, o Saprissa fez ainda pior, perdendo em casa para o Deportiva San Carlos;

El Salvador

– Campeão do Apertura 2012 da Liga Mayor: Isidro Metapán (7º título)

– Vice-campeão: Alianza

– Artilheiros: Nicolás Muñoz-PAN (Isidro Metapán) e Sean Fraser-JAM (Alianza) – 12 gols

– O torneio Clausura da Liga Mayor terá início no dia 2 de fevereiro, com o Clássico Nacional opondo FAS e Águila, os dois maiores campeões nacionais, logo na rodada inaugural. Atual campeão, o Isidro Metapán recebe o Atlético Marte;

Guatemala

– Campeão do Apertura da Liga Nacional: Comunicaciones (25º título)

– Vice-campeão: Municipal

– Artilheiro: Robin Betancourth (Heredia) – 13 gols

– O torneio Clausura da Liga Nacional começa no próximo fim de semana. Na rodada inicial, o atual campeão Comunicaciones recebe o Petapa, enquanto o Municipal, vice-campeão, visita o Halcones;

Honduras

– Campeão do Apertura da Liga Nacional: Olímpia (26º título)

– Vice-campeão: Victoria

– Artilheiro: Roger Rojas (Olímpia) – 10 gols

– O torneio Clausura da Liga Nacional começa no próximo fim de semana, com o Olímpia, atual campeão, visitando o Vida, enquanto o Victoria, vice-campeão, viaja até Santa Rosa de Copán para enfrentar o Deportes Savio;

Panamá

– Campeão do Apertura da Liga Panamenha: Árabe Unido (12º título)

– Vice-campeão: Chepo

– Artilheiro: Jorman Aguilar (Río Abajo) – 10 gols

– O Torneo Clausura teve início no último fim de semana. Na reedição da final do Apertura, o Árabe Unido, mesmo com dois jogadores a mais, não foi capaz de superar o Chepo e ficou no empate sem gols;

– A liderança momentânea é do Sporting San Miguelito e do Chorrillo, que venceram suas partidas e somam 3 pontos no topo da Liga Panamenha.

Mostrar mais

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo