México

Preview da Liga MX – parte I

No último fim de semana, foi dado o pontapé inicial da segunda parte da temporada do futebol mexicano, com o início do torneio Clausura da Liga MX. Como em solo azteca são disputados dois campeonatos, faremos nessa e na próxima semana um review do que rolou na primeira parte da temporada (torneio Apertura) e quais as previsões e expectativas para o complemento da mesma.

Confira a primeira parte do preview da temporada da Primera División com os nove clubes piores colocados no Apertura 2012 do futebol azteca:

Vagas continentais do Clausura 2012

Campeão da Liguilla: fase de grupos da Concacaf Champions League 2013-14
Vice-campeão da Liguilla: fase de grupos da Concacaf Champions League 2013-14
Último colocado (média das últimas três temporadas, incluindo Clausura 2013): rebaixado

Querétaro

Nome do clube: Querétaro Fútbol Club
Fundação: 08/jul/1950
Site oficial: www.clubqueretaro.com
Estádio: Corregidora (34.130 torcedores)
Cidade: Santiago de Querétaro (1.097.028 habitantes)
Técnico: Sergio Bueno
Colocação no Apertura 2012: 18º (7 pontos, 17 jogos, 1 vitória, 4 empates, 12 derrotas, 11 gols marcados e 30 gols sofridos)
Competição continental: nenhuma
Destaque: Luis Ángel Landín (A)
Artilheiro: Luis Ángel Landín, 3 gols
Garçom: Diego Vera, 3 assistências
Decepção: Carlos Bueno (A)
Principais reforços: Diego Cervantes (Z, Puebla), Diego Martínez (Z), Manuel Pérez (M), Antonio Gallardo (M, Chivas de Guadalajara), Juan Carlos Mariño-PER (M, Sporting Cristal-PER), Pablo Gabas-ARG (M, Alajuelense-CRC), Wilberto Cosme-COL (A, Millonarios-COL) e Julio Nava (A, Chivas de Guadalajara)
Provável time-base: Sergio García (Liborio Sánchez), Luiz Apodi, Onay Pineda, Dionicio Escalante e Christian Pérez (Alfonso Rippa); Edson Vásquez, Juan Carlos Mariño, Gonzalo Pineda e Julio Nava (Antonio Gallardo); Wilberto Cosme e Luis Ángel Landín;
Expectativa: fugir do rebaixamento

Que os Gallos Blancos seriam fortes candidatos ao descenso, poucos duvidavam. Não se imaginava, porém, que o time faria tão feio no Apertura. Pior defesa, pior ataque, lanterna da competição igualando o pior desempenho da história em torneios curtos… Não houve muito que comemorar na Corregidora na primeira parte da temporada. Menos mal que o principal adversário na briga contra a queda (Altas) também não disparou na tabela. A única vitória do Querétaro aconteceu na última rodada, frente ao já eliminado Puebla, servindo para, ao menos, igualar o time aos Rojinegros no acumulado.

As expectativas para o Clausura não são elevadas. O retorno do artilheiro e ídolo Carlos Bueno foi um fiasco, uruguaio recém-chegado (Diego Vera) obteve algum destaque a despeito da fraca campanha, mas já foi colocado na lista de negociáveis. Ainda assim, o clube continua apostando em jogadores de nível mediano do futebol sul-americano e atletas de pouco brilho do futebol azteca. O desafio do técnico Sergio Bueno será formar o quanto antes um sistema coletivo que consiga ao menos superar no Clausura a campanha do Atlas, única esperança para manter os Gallos na elite.

Atlas

Nome do clube: Club Social y Deportivo Atlas de Guadalajara
Fundação: 15/ago/1916
Site oficial: www.atlas.com.mx
Estádio: Jalisco (56.713 torcedores)
Cidade: Guadalajara (1.564.514 habitantes)
Técnico: Tomás Boy
Colocação no Apertura 2012: 17º (12 pontos, 17 jogos, 1 vitória, 9 empates, 7 derrotas, 16 gols marcados e 24 gols sofridos)
Competição continental: nenhuma
Destaque: Hector Mancilla (A)
Artilheiro: Hector Mancilla, 6 gols
Garçom: Hector Mancilla, Luis Bolaños e Luis Telles, 2 assistências
Decepção: Matías Vuoso (A)
Principais reforços: Jesús Arturo Paganoni (M, Toluca), Isaac Brizuela (A, Toluca), Rodrigo Millar-CHI (M, Colo-Colo-CHI), Óscar Razo (Z, Morelia), José Luis Chávez-BOL (M, Blooming-BOL), Edson Rivera (A, Braga-POR) e Omar Bravo (A, Cruz Azul)
Provável time-base: Miguel Pinto, Sergio Ponce, Leandro Cufré, Facundo Erpen e Óscar Razo; Ricardo Bocanegra, Isaac Brizuela, Carlos Gutiérrez (José Luis Chávez) e Rodrigo Millar; Matías Vuoso (Edson Rivera) e Omar Bravo;
Expectativa: fugir do rebaixamento

Em um ambiente em constante ebulição, os Zorros até começaram bem sua campanha no Apertura, mas o excesso de empates e uma guinada ladeira abaixo na metade final da competição devolveu ao Atlas a corda no pescoço na briga contra o retorno à Liga de Ascenso. Os Rojinegros tiveram todas (e mais algumas) chances de abrir vantagem frente ao Querétaro e chegar ao Clausura com alguma folga, mas uma sequência de seis derrotas nas últimas oito partidas afundou de vez a Academia.

De positivo, até valia ressaltar a rápida e vital adaptação do artilheiro Mancilla ao clube de Guadalajara. O chileno, ainda que menos prolífico do que em anos anteriores, foi o único a marcar mais de uma vez no Apertura, mas já arrumou as malas para rumar para o Morelia em 2013. Para o seu lugar, o Atlas repatriou a antiga promessa de sua base Rivera, que pouco mostrou em solo português, além do veterano Omar Bravo, ídolo no arquirrival Chivas. Não é muito, mas o time vem se mostrando perito em escapar na última hora da queda para a Segundona.

Puebla

Nome do clube: Club de Fútbol Puebla 
Fundação: 07/mai/1944
Site oficial: www.pueblafutbolclub.com.mx
Estádio: Cuauhtémoc (48.648 torcedores)
Cidade: Puebla de Zaragoza (1.539.819 habitantes)
Técnico: Manuel Lapuente
Colocação no Apertura 2012: 16º (13 pontos, 17 jogos, 3 vitórias, 4 empates, 10 derrotas, 16 gols marcados e 27 gols sofridos)
Competição continental: nenhuma
Destaque: Matías Alustiza (A)
Artilheiro: Matías Alustiza, 5 gols
Garçom: Matías Abelairas, DaMarcus Beasley e Brayan Martínez, 2 assistências
Decepção: DaMarcus Beasley (M)
Principais reforços: Jonathan Lacerda-URU (Z, Necaxa), Michael Orozco-EUA (Z, San Luis), William Paredes (Z, San Luis), Emmanuel Cerda (A, San Luis), Alberto Medina (M, Pachuca), Luis Miguel Noriega (M, Jaguares), Segundo Castillo-EQU (M, Pachuca) e Félix Borja-EQU (A, Pachuca)
Provável time-base: Alexandro Álvarez (Víctor Hernández), Jaime Durán, Roberto Carlos Juárez, Michael Orozco e Jonathan Lacerda; Diego de Buen, Segundo Castillo, Alberto Medina, DaMarcus Beasley e Matías Alustiza; Félix Borja;
Expectativa: fugir do rebaixamento

Irregular e pouco ameaçador, o Puebla é um time aquém de brigar por uma vaga nos playoffs. As preocupações com o descenso seriam até maiores se Atlas e Querétaro não disputassem um torneio paralelo para ver quem fica com o troféu de piada da Liga MX. O problema é que o desempenho da Franja vem caindo vertiginosamente e o entra e sai de jogadores a cada novo torneio só dificulta algum entrosamento mínimo.

De positivo, o Puebla manteve o argentino Alustiza, que chegou para atuar como segundo atacante, mas se torneou o artilheiro do time. Com a chegada dos equatorianos Castillo e Borja, que ficariam sem espaço no Pachuca, a aposta é aumentar o poder ofensivo, contando ainda com a melhora no rendimento do norte-americano DaMarcus Beasley, um dos poucos atletas realmente pertencente aos Camoteros e não fruto de empréstimos de outras equipes.

San Luis

Nome do clube: San Luis Fútbol Club
Fundação: 01/jan/1957
Site oficial: www.clubsanluis.com.mx
Estádio: Alfonso Lastras Ramírez (24.576 torcedores)
Cidade: San Luís Potosí (1.165.379 habitantes)
Técnico: Eduardo Fentanes
Colocação no Apertura 2012: 15º (15 pontos, 17 jogos, 3 vitórias, 6 empates, 8 derrotas, 14 gols marcados e 24 gols sofridos)
Competição continental: nenhuma
Destaque: Sebastián Fernández (A)
Artilheiro: Luis Mendoza, 3 gols
Garçom: Sebastián Fernández, 2 assistências
Decepção: Wilmer Aguirre (A)
Principais reforços: Javier Muñoz Mustafá-ARG (Z, León), Álvaro Ortiz (Z, Lobos BUAP), Omar Esparza (M, Chivas de Guadalajara), Mario Méndez (Z, Irapuato), Ricardo Jiménez (Z, Atlante), Jherson Córdoba-COL (M, Atlético Nacional-COL), Yasser Corona (Z, Jaguares), Alan Zamora (M, Jaguares), Francisco Acuña (M, Tigres), Juan Cuevas-ARG (M, Gimnasia y Esgrima-ARG) e Mauro Matos-ARG (A, All Boys-ARG)
Provável time-base: Oscar Pérez, Omar Esparza, Ricardo Jiménez, Javier Muñoz Mustafá e Orlando Rincón; Francisco Acuña, Jherson Córdoba, Moisés Velasco e Luis Mendoza; Mauro Matos e Santiago Tréllez (Juan Cuevas);
Expectativa: temporada tranquila

O Apertura consolidou um status que poucos potosinos gostariam de ter: o San Luis passou de incômodo constante dos grandes a clube médio que dificilmente irá para os playoffs e, se for, pouco ameaçará os favoritos. O time vice-campeão azteca em 2006, presença constante nas competições continentais após retornar à elite, se foi. O 14º lugar como melhor posto na primeira parte da temporada serviu apenas para reforçar essa tese.

Ainda que a ameaça de queda esteja distante, a insatisfação dos Reales com as fracas campanhas se mostram visíveis com as constantes trocas de comando e os pacotes de reforços contratados. É bem verdade que a grande maioria deles são apostas, como os atacantes Mauro Matos e Juan Cuevas, destaques do segundo escalão argentino, mas são exatamente essas apostas que vem mantendo o time longe da briga pelo descenso, ainda que também longe de qualquer pretensão de protagonismo.

Atlante

Nome do clube: Club de Fútbol Atlante S.A. de C.V.
Fundação: 18/abr/1916
Site oficial: www.atlantefc.com.mx
Estádio: Olímpico Andrés Quintana Roo (20.000 torcedores)
Cidade: Cancún (628.306 habitantes)
Técnico: Ricardo La Volpe-ARG
Colocação no Apertura 2012: 14º (20 pontos, 17 jogos, 5 vitórias, 5 empates, 7 derrotas, 23 gols marcados e 28 gols sofridos)
Competição continental: nenhuma
Destaque: Esteban Paredes (A)
Artilheiro: Esteban Paredes, 11 gols
Garçom: Osvaldo Martínez, 5 assistências
Decepção: Valdo (M)
Principais reforços: Diego Ordaz (Z, San Luis), José Antonio Castro (Z, San Luis), Diego Jiménez (Z, Estudiantes Tecos), Erik Pimentel (Z, América), David Quiroz-EQU (M, LDU-EQU), Isaac Acuña (A, América) e Joaquín Larrivey-ARG (A, Cagliari-ITA)
Provável time-base: Jorge Villalpando, José Antonio Castro, Luis Venegas, Diego Jiménez, Diego Ordaz e Oscar Vera; Cristian Maidana, Francisco Fonseca e David Quiroz (Daniel Guerrero); Joaquín Larrivey (Isaas Acuña) e Esteban Paredes;
Expectativa: fugir do rebaixamento

Sob o comando do argentino La Volpe, técnico do título nacional de 1993, o Atlante começou bem o Apertura, chegando a frequentar a zona de classificação para os playoffs. Ainda que tenha perdido fôlego na reta final do torneio, os Potros contaram com um entrosamento vital entre os atacantes sul-americanos Esteban Paredes e Osvaldo Martínez, municiados por Maidana.

Para o Clausura, contudo, Martínez tomou o rumo da capital, para defender o América, sendo substituído pelo argentino Larrivey, antiga promessa argentina de passagem apagada pelo futebol italiano, enquanto o seguro zagueiro Guagua foi para o Deportivo Quito. Menos mal que o experiente chileno Paredes, artilheiro do Apertura, foi mantido na equipe, bem como o argentino Maidana. Para consertar a segunda pior defesa do Apertura, os Azulgranas fecharam um pacote de zagueiros mexicanos. Não é muito. Mas nas mãos de La Volpe e sem muita pressão, o Atlante é sempre um candidato a surpreender. 

Pachuca

Nome do clube: Pachuca Club de Fútbol 
Fundação: 28/Nov/1901
Site oficial: www.tuzos.com.mx
Estádio: Hidalgo (30.024 torcedores)
Cidade: Pachuca de Soto (267.862 habitantes)
Técnico: Gabriel Caballero-ARG
Colocação no Apertura 2012: 13º lugar (21 pontos, 17 jogos, 5 vitórias, 6 empates, 6 derrotas, 13 gols marcados e 20 gols sofridos)
Competição continental: nenhuma
Destaque: Mauro Cejas (A)
Artilheiro: Félix Borja, 5 gols
Garçom: Mauro Cejas, 3 assistências
Decepção: Raúl Tamudo (A)
Principais reforços: Fernando Navarro (Z, Tigres), Jaime Correa (M, San Luis), Christian Marrugo-COL (M, Tolima-COL), Avilés Hurtado-COL (M, Atlético Nacional), Christian Suárez-EQU (A, Santos), Daniel Ludueña-ARG (M, Santos), Ángel Reyna (A, Monterrey) e Abraham Darío Carreño (A, Monterrey)
Provável time-base: Rodolfo Cota, Néstor Vidrio, Daniel Arreola, Paulo da Silva e Óscar Rojas; Jorge Hernández, Héctor Herrera, Avilés Hurtado (Jaime Correa) e Daniel Ludueña; Christian Suárez e Ángel Reyna;
Expectativa: título

O projeto ousado ainda não deu retorno esperado. E ainda que não tenha sido desmantelado, alguém teria de pagar pelo fracasso inicial. O técnico Hugo Sánchez pagou o pato e foi substituído pelo assistente Gabriel Caballero. “Hugol”, aliás, falhou principalmente em fazer funcionar as peças recém-incorporadas aos Tuzos. O zagueiro paraguaio Da Silva foi o único a corresponder às expectativas. Mesmo com a chegada de Tamudo, Nery Castillo, Calderón e Medina, na hora do aperto o Pachuca se viu obrigado a recorrer aos velhos conhecidos Borja e Cejas para mexer no placar. Por isso não espanta o fato de ter contado com um ataque pífio (atrás somente do lanterna Querétaro).

Para o Clausura, o setor ofensivo foi completamente reformulado. Borja e Castillo foram para o Puebla, enquanto Cejas e Calderón serviram de moeda de troca com o Santos na chegada de Ludueña e Suárez. Para substituir Tamudo e Nery Castillo, o Decano acertou com os colombianos Marrugo e Hurtado, além do empréstimo do selecionável Ángel Reyna. O sonho da retomada do protagonismo em solo azteca ainda não terminou, e é confiando nessa reformulação do seu setor ofensivo que o clube de Hidalgo quer voltar às glórias.

Tigres

Nome do clube: Club de Fútbol Tigres de la Universidad Autónoma de Nuevo León
Fundação: 07/mar/1960
Site oficial: www.tigres.com.mx
Estádio: Universitario (43.000 torcedores)
Cidade: San Nicolás de los Garza (476.761 habitantes)
Técnico: Ricardo Ferretti-BRA
Colocação no Apertura 2012: 12º lugar (21 pontos, 17 jogos, 5 vitórias, 6 empates, 6 derrotas, 23 gols marcados e 18 gols sofridos)
Competição continental: enfrenta o Seattle Sounders-EUA  nas oitavas de final da Concachampions
Destaque: Juninho (Z)
Artilheiro: Lucas Lobos, 6 gols
Garçom: Damián Álvarez, 4 assistências
Decepção: Edno (A)
Principais reforços: Hugo Rodríguez (Z, Atlas), Emmanuel Villa-ARG (A, Pumas UNAM), José Francisco Torres-EUA (M, Pachuca) e Danilinho-BRA (M, Atlético Mineiro-BRA)
Provável time-base: Enrique Palos, Israel Jiménez, Juninho, Hugo Ayala e Jorge Torres Nilo; Carlos Salcido, Jesús Dueñas (Danilinho), Elías Hernández e Damián Álvarez (José Francisco Torres); Lucas Lobos e Emanuel Villa;
Expectativa: título

Poucas coisas abalam as convicções do técnico Ricardo Ferretti. Nem mesmo ficar de fora da Liguilla após três participações consecutivas. O brasileiro não mudou a base que conquistou o título nacional há cerca de um ano. Apenas o atacante Mancilla deixou os felinos, o que prova que entrosamento e conjunto são os pontos fortes do elenco universitário. A falta de um centroavante cobrou seu preço no Apertura.Com Alan Pulido longe de confirmar as expectativas depositadas nele e um Edno muito aquém daquele que brilhou na Portuguesa, o clube de Nuevo León se viu obrigado a contar com a produção dos meias Lucas Lobos e Damián Álvarez, sendo que até os zagueiros Ayala e Juninho foram requisitados para suprir essa carência de gols.

Para 2013, os Auriazules apostaram na chegada do argentino Emanuel Villa, de ótimas passagens por Atlas, Estudiantes Tecos e Cruz Azul. E o cartão de visitas de “Tito” foi espetacular: três gols em sua partida de estreia frente ao Jaguares, no último fim de semana. Se o encaixe se confirmar tão promissor será difícil não colocar a La U como uma das grandes favoritas ao título. Até por que a fórmula de contratações cirúrgicas + bom entrosamento + elenco de qualidade + bom treinador ainda parece ser a tônica do sucesso no Volcán.

Jaguares

Nome do clube: Club de Fútbol Jaguares de Chiapas S.A. de C.V.
Fundação: 27/jun/2002
Site oficial: www.clubjaguares.com.mx
Estádio: Víctor Manuel Reyna (31.500 torcedores)
Cidade: Tuxtla Gutiérrez (503.320 habitantes)
Técnico: José Guadalupe Cruz
Colocação no Apertura 2012: 11º lugar (22 pontos, 17 jogos, 6 vitórias, 4 empates, 7 derrotas, 23 gols marcados e 24 gols sofridos)
Competição continental: nenhuma
Destaque: Luis Gabriel Rey (A)
Artilheiro: Luis Gabriel Rey, 8 gols
Garçom: Jorge Marcelo Rodríguez, 5 assistências
Decepção: Cristian Trombetta (Z)
Principais reforços: Francisco Javier Dórame (Z, Neza), David Toledo (M, Tigres) e Jorge Gastelum (M, Puebla)
Provável time-base: Edgar Hernández, George Corral, Leiton Jiménez, Gerardo Espinoza e Miguel Martínez; Jorge Kalú Gastelum, Ricardo Esqueda (Armando Zamorano), Edgar Andrade (David Toledo) e Jorge Marcelo Rodríguez; Franco Arizala e Luis Gabriel Rey;
Expectativa: vaga na Liguilla

Um começo fraco de Apertura parecia mostrar que a expectativa criada em torno do Jaguares, sensação da temporada anterior, havia perdido força: quatro derrotas consecutivas e lanterna. Não era. A retomada do bom futebol dos felinos passou novamente pelos pés dos colombianos do time. Se perdeu Martínez para o Porto, os chiapanecos puderam contar com o sempre seguro Rey e os renascidos Arizala e Rodríguez. Isso sem falar no jovem Córdoba, de apenas 19 anos, tratado como promessa no clube Naranja.

A classificação para os playoffs não veio, muito graças ao fraco desempenho longe de Tuxtla Gutiérrez, mas o sentimento de que o bom futebol dos comandados de “Profe” Cruz ainda pode deixar um grande legado em solo azteca continua ativo. Diferente de anos anteriores, o clube se mexeu pouco no mercado de inverno, fator que pode ajudar pela manutenção da base e agregar entrosamento. Poucos cravam o Jaguares como favorito às vagas na Liguilla, mas ninguém duvida que o clube estará perto disso no Clausura.

Pumas UNAM

Nome do clube: Club Universidad Nacional A.C
Fundação: 12/set/1954
Site oficial: www.clubpumasunam.com
Estádio: Olímpico Universitario (63.186 torcedores)
Cidade: Cidade do México (8.851.080 habitantes)
Técnico: Juan Antonio Torres
Colocação no Apertura 2012: 10º (23 pontos, 17 jogos, 7 vitórias, 2 empates, 8 derrotas, 18 gols marcados e 23 gols sofridos)
Competição continental: nenhuma
Destaque: Darío Verón (Z)
Artilheiro: Martín Bravo, 5 gols
Garçom: Javier Cortés, 3 assistências
Decepção: Luis García (M)
Principais reforços: Robin Ramírez-PAR (A, Tolima-COL) e Ignacio González (Z, Neza)
Provável time-base: Alejandro Palacios, Luis Fernando Fuentes, Marco Antonio Palacios, Darío Verón e Efraín Velarde; Jehu Chiapas, Jaime Lozano (David Cabrera), Martín Romagnoli e Javier Cortés, Martín Bravo (Robin Ramírez) e Eduardo Herrera (Luís García);
Expectativa: vaga na Liguilla

A má fase vivida pelo Pumas é crônica. Desde o título do Clausura em 2011, os felinos não voltaram aos playoffs da Liga MX. Pior: a UNAM viu-se facilmente superada pelos rivais e até por times menores. Poucos torcedores universitários poderiam imaginar que o aperto de cintos financeiro proposto pela direção após a conquista seria tão profundo. Contratado do rival Cruz Azul, o atacante Emanuel Villa foi embora para o Tigres, caminho tomado por boa parte dos jogadores que se destacam pelos Auriazules nas últimas temporadas.

Com um time montado basicamente por jogadores das categorias de base, o Pumas investiu timidamente para repor a perda de seu centroavante, trazendo o paraguaio Ramírez, artilheiro do Tolima no campeonato colombiano. Fora isso, somente atletas promovidos da base e retornos de empréstimo. Muito pouco para uma torcida acostumada aos títulos. E que hoje já começa a se dar por satisfeita apenas com uma vaga na Liguilla.

Curtas

– Seleção da 1ª rodada Trivela: Miguel Pinto (Atlas), Óscar Rojas (Pachuca), Paulo da Silva (Pachuca), Hugo Ayala (Tigres) e Edwin Hernández (León); Lucas Lobos (Tigres), Jesús Molina (América), Héctor Herrera (Pachuca) e Duvier Riascos (Tijuana); Javier Orozco (Cruz Azul) e Emanuel Villa (Tigres); T: Ricardo Ferretti (Tigres).

Mostrar mais

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo