México

O Chivas provocou um Aztecazo, ao eliminar o América nas semifinais com um gol aos 43 do 2° tempo

O Chivas precisava vencer a volta das semifinais do Clausura por dois gols de diferença dentro do Azteca e buscou o feito contra os maiores rivais

Chivas Guadalajara e América sustentam a maior rivalidade do México. E o clássico ganhou um capítulo memorável neste domingo, com uma reviravolta provocada pelo Rebaño Sagrado já batizada de “Aztecazo”. Os dois gigantes se enfrentavam pelas semifinais do Torneio Clausura da Liga MX. Na partida de ida, o América surpreendeu na visita a Guadalajara e garantiu a vitória por 1 a 0 no Estádio Akron. Por terem a melhor campanha na fase de classificação, as Águilas poderiam perder até por um gol de diferença no Estádio Azteca que estariam classificadas para a final. Pois, mesmo em circunstâncias tão adversas na casa dos oponentes, o Chivas alcançou o seu milagre: venceu por 3 a 1, com a classificação sacramentada aos 43 do segundo tempo. A empolgação com o resultado foi tamanha que mais de 10 mil torcedores alvirrubros saíram às ruas de Guadalajara para comemorar o triunfo nesta madrugada. E isso porque ainda faltam mais dois jogos para buscar a taça, com a decisão diante do Tigres.

O América tinha conquistado um excelente resultado no primeiro clássico, dentro do Estádio Akron. Foi uma partida bastante movimentada, em que o goleiro Luis Malagón salvava as Águilas. E, depois que os visitantes tiveram um gol anulado, o tento da vitória por 1 a 0 foi anotado aos 15 minutos da segunda etapa, por Alejandro Zendejas. A situação do Chivas se tornava preocupante, diante da necessidade de buscar uma virada no placar dentro do Estádio Azteca.

Durante o primeiro tempo do jogo de volta, o América pouco produziu com sua ampla posse de bola. O Chivas conseguiu ser mais contundente e criou as melhores oportunidades, até abrir o placar aos 19 minutos. Num contra-ataque, Ronaldo Cisneros passou pelo goleiro Malagón e contou com o escorregão de Israel Reyes para marcar. O América, no entanto, cresceu na volta do intervalo e buscou o empate aos 12 do segundo tempo. Numa bola alçada na área, Diego Valdés desviou de cabeça e estufou o barbante. A esta altura, a missão do Rebaño Sagrado parecia muito difícil.

O caminho do Chivas começou a se abrir aos 19 minutos, com o auxílio de Álvaro Fidalgo. O volante do América deu uma entrada desleal e recebeu o vermelho direto. Com um homem a mais, o Rebaño Sagrado cresceu. O time visitante teve um gol anulado aos 26, mas marcou para valer o segundo tento aos 31. Numa cobrança de falta ensaiada, Alan Mozo soltou um míssil da entrada da área e guardou. Ainda assim, o Guadalajara precisava de mais um gol. A insistência se mantinha, com um punhado de lances perigosos. O tento da classificação saiu aos 43, numa bola cruzada em que Jesús Orozco meteu a testa na bola. A celebração dos alvirrubros seria trepidante. Enquanto isso, o técnico Fernando Ortiz até pediu demissão do América.

A outra semifinal do Clausura também contou com um clássico. Tigres e Monterrey tinham empatado por 1 a 1 no Estádio Universitário. A classificação dos felinos aconteceu fora de casa, no Estádio BBVA, com a vitória por 1 a 0 sobre os Rayados. Sebastián Córdova anotou o gol decisivo do Tigres, num jogo em que o Monterrey teria a vantagem do empate por causa da melhor campanha. Já na decisão, tal regra não existe. Chivas e Tigres se enfrentarão em dois jogos e, no caso de igualdade, vão para prorrogação e pênaltis. Desta vez, o Guadalajara terá a oportunidade de fazer a volta em casa. Chega mais motivado para buscar a taça que não vem desde 2017.

Foto de Leandro Stein

Leandro Stein

É completamente viciado em futebol, e não só no que acontece no limite das quatro linhas. Sua paixão é justamente sobre como um mero jogo tem tanta capacidade de transformar a sociedade. Formado pela USP, também foi editor do Olheiros e redator da revista Invicto, além de colaborar com diversas revistas. Escreveu na Trivela de abril de 2010 a novembro de 2023.
Botão Voltar ao topo