México

Domínio nortista

Já virou lugar-comum essa coluna dar destaque à intensa competitividade e equilíbrio do campeonato mexicano. Por esse motivo, dificilmente os clubes se desgarram ou afundam demais na tabela. E a regularidade ano a ano acaba se tornando um trunfo dos times que a obtém. Geralmente conseguida pelos grandes do país, essa característica é ocupada, hoje, por clubes que não possuem espaço, por sua história e tradição, no hall reservado aos grandes do futebol azteca.

E esse processo não vem de hoje. Enquanto os grandes oscilam, clubes outrora medianos vêm ocupando esse vácuo. Toluca, Pachuca e Morelia tiveram participação importante nessa mudança. Mas uma região em particular vem se destacando. Monterrey, Santos e Tigres aproveitaram os últimos anos para se estabelecer como favoritos em todos os torneios que disputam. Subsidiados por grandes empresas da região (as companhias de bebidas FEMSA e Grupo Modelo e a gigante da construção CEMEX, respectivamente), os três times do norte montam bons elencos e utilizam receitas que resultaram em sucessos e conquistas nas temporadas mais recentes.

Os números e retrospectos dão suporte a esse crescimento. Desde 2000, esses três times estiveram em 12 finais das Liguillas. Nas últimas quatro competições, disputaram entre si três decisões. E esse domínio não dá sinais de que vá arrefecer. Uma mostra disso é o atual bicampeonato da Concachampions do Monterrey, sendo que, na última edição, precisou passar pelo Santos para ficar com a taça.

Corroborando ainda mais esse bom momento do futebol do norte azteca, os três clubes lideram suas chaves na atual edição do torneio continental, enquanto o único representante mexicano a oscilar na competição (e também o único a sofrer a uma derrota até aqui) é o Chivas de Guadalajara, um dos grandes do país, que ocupa a segunda posição de seu grupo.

Para completar o bom momento da região, o Tijuana, sediado na cidade limítrofe com a fronteira dos Estados Unidos, vem realizando uma campanha surpreendente em sua segunda temporada na primeira divisão. Os Xolos venceram novamente no fim de semana e estão há apenas um ponto do líder Toluca.

Talvez até mais do que os títulos, os desempenhos resultam em consequentes boas médias na tabela de rebaixamento, e mantém os clubes nortistas distantes da queda, algo importante para consolidá-los entre os grandes. Os gigantes aztecas há muito não sofrem seriamente ameaças de rebaixamento, a despeito das campanhas decepcionantes em alguns campeonatos. Cruz Azul, Chivas, América e Pumas possuem popularidade, tradição e espaço na mídia, mas enfrentam jejuns preocupantes de troféus e/ou estabilidade, o que abre espaço para clubes administrados de maneira mais organizada, com estrutura enxuta e ambiente de pressão infinitamente menor.

O processo para ocupar uma vaga nesse seleto grupo é longo. Os chamados quatro grandes contaram com verdadeiros esquadrões e série consecutivas de títulos para obter o status que possuem hoje. Mas não dá para negar que os postulantes, cada uma à sua maneira, seguem caminhos que parecem cada vez mais perto de colocá-los no topo. E os títulos da região norte estão aí para comprovar.

Concachampions

A rodada foi dos times aztecas na Concacaf Champions League. Foram três vitórias em três jogos. E duas delas fora de casa. O Monterrey bateu o Municipal, na Guatemala, com gol de Humberto Suazo, enquanto o Santos venceu o Toronto, no Canadá, por 3×1, com os gols da vitória marcados já nos acréscimos. Campeão e vice da última Concachampions, ambos lideram seus grupos. O Monterrey é o primeiro do grupo 7, com 6 pontos, seguido por Municipal (3) e Chorrilo (0), do Panamá. O Santos lidera o grupo 1, também com 6, à frente de Toronto (3) e Águila (0), de El Salvador.

Para completar a festa dos mexicanos, o Chivas se recuperou da derrota na estreia e goleou o W Connection (TRI) por 4×0, com hat-trick de Marco Fabián. O clube de Guadalajara é vice-líder do grupo 8, com 3 pontos, um a menos que Xelajú (GUA) e dois acima dos trinitários. Outro time do país, o Tigres da UANL, folgou na rodada, mas manteve a liderança do grupo 6, com 4 pontos, mesma somatória da Alajuelense (CRC), que venceu o Real Estelí pelo placar mínimo, na casa do adversário. Ainda sem somar no torneio, o clube da Nicarágua segura a lanterna da chave.

Os times norte-americanos também se saíram bem na rodada, a despeito de não obterem somente triunfos. O Seattle Sounders voltou a superar o Caledonia pelo mesmo placar (3×1), agora em Trinidad & Tobago, e lidera o grupo 4, com 6 pontos em dois jogos, enquanto os rivais somaram apenas um ponto em três partidas, tornando-se o primeiro time já eliminado da CCL. Também com um ponto, mas em apenas uma partida, está o Marathón (HON). Com nova goleada em casa (4×0 no Puerto Rico Islanders), o Los Angeles Galaxy chegou aos 6 pontos, no topo do grupo 5, enquanto Isidro Metapán (SLV) tem 3 e os porto-riquenhos não somaram.

O Houston Dynamo arrancou um empate por um gol do Olímpia, em Honduras, e soma 4 pontos na liderança do grupo 3, mesmo número dos hondurenhos. O FAS (SLV) é o lanterna da chave, ainda sem pontuar. Único clube de fora das duas grandes ligas (MLS e Liga MX) a seguir 100% na competição, o Herediano (CRC) bateu o Tauro (PAN) por 1×0, fora de casa, e está na ponta do grupo 2, com 6 pontos. Real Salt Lake (EUA), com 3 pontos, e Tauro, sem pontos, vem a seguir.

Curtas

– Seleção Trivela da 7ª rodada do Apertura mexicano: Alejandro Palacios (Pumas UNAM), Jesús Chávez (Puebla), Miguel Ángel Ponce (Chivas) e Jonny Magallón (León); Carlos Rodríguez (Toluca), Gerardo Torrado (Cruz Azul), Luis García (Pumas UNAM) e Mauro Cejas (Pachuca); Duvier Riascos (Tijuana), Oribe Peralta (Santos) e Darwin Quintero (Santos); T: Gustavo Matosas (León);

– Antes mesmo do início da 7ª rodada, Joaquín del Olmo foi demitido de seu cargo no comando do Pumas UNAM. Para o seu lugar, a direção felina trouxe Mario Carrillo, ex-assistente técnico da seleção mexicana. E “Capello” estreou com vitória: 1×0 sobre o Morelia;

Costa Rica

– Com uma boa vitória por 3×0 sobre a Deportiva Carmelita, fora de casa, a Alajuelense ampliou sua vantagem na liderança do Campeonato de Invierno. O clube de Alajuela soma 18 pontos em oito jogos, três a mais que os rivais Saprissa, derrotado em casa para o Belén (2×0), e Herediano, que ficou no empate em 1×1 com o Cartaginés;

El Salvador

– Uma vitória fora de casa sobre Once Municipal, por 2×1, manteve o Alianza na liderança do Apertura da Liga Mayor, com 17 pontos. Em segundo, com 14 pontos, aparecem Isidro Metapán, que goleou o UES por 4×1 fora de casa, Luis Ángel Firpo, que bateu o FAS por 1×0, e Águila, após vencer o Atlético Marte por 1×0;

Guatemala

– Caiu o último invicto do Apertura da Liga Nacional. E de forma contundente. Mesmo sendo goleado por 4×1 pelo Suchitepéquez, fora de casa, o Comunicaciones manteve a ponta, com 21 pontos em 10 partidas. Os Cremas foram beneficiados pelo empate sem gols entre Municipal, vice-líder com 18 pontos, e Heredia, quarto colocado com 15. Com um triunfo em casa sobre o Halcones (2×0), o Marquense assumiu o terceiro posto, com 17 pontos;

Honduras

– Olímpia e Vida venceram seus duelos na rodada e encostaram no líder Victoria, que só empatou por um gol com o Atlético Choloma, fora de casa, e agora soma 14 pontos. Os Merengues venceram o “Clássico moderno” sobre o Real España por 1×0, mesmo placar do triunfo do Vida sobre o Platense. Ambos aparecem com 13 pontos no Apertura da Liga Nacional;

Panamá

– Com um empate em casa contra o Sporting San Miguelito (1×1), o surpreendente Río Abajo desperdiçou a chance de manter a ponta do Apertura, somando 15 pontos em oito jogos. Isso por que o Tauro derrotou o Alianza por 1×0 e alcançou 17 pontos, tornando-se líder isolado da Liga Panamenha.

Mostrar mais

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo