México

Dois jogos são suficientes para avaliar um técnico?

O que mantém o México na briga por uma vaga na Copa do Mundo é um gol dos Estados Unidos, nos últimos minutos, contra o Panamá. A situação do time, que vai enfrentar a Nova Zelândia na repescagem, não surpreende tanto se levarmos em consideração que a cúpula que comanda o futebol do país acredita que dois jogos são suficientes para avaliar o trabalho de um treinador.

Isso mesmo. Víctor Manuel Vucetich venceu o Panamá com um gol de bicicleta nos minutos finais, perdeu da Costa Rica e foi demitido. Ele substituiu José Manuel de la Torre em 13 de setembro e ficou até 18 de outubro no cargo. Foram 35 dias. Comandou seis sessões de treinamento. Isso tudo foi suficiente, por exemplo, para o dono do Chivas, Jorge Vergara, um dos membros do comitê de desenvolvimento que vai se reunir nesta sexta-feira para definir o novo treinador.

Em entrevista à ESPN mexicana, Vergara criticou decisões “muito ilógicas” da comissão técnica de Vucetich, como usar Chicharito Hernández, o principal jogador da seleção, mesmo sem ritmo de jogo. “Uma mudança é necessária”, disse Vergara à ESPN, na última quarta-feira. “O técnico precisa ser alguém que usa as calças e tem vontade de decidir”. O treinador do América do México, Miguel Herrera, é o favorito.

Conhecido como Rei Midas, por ter vencido 14 das 15 finais que disputou, Vucetich, obviamente, achou uma falta de respeito ser demitido dessa forma. “Eu sou arrogante. Sou o Rei Midas, mas não sou Deus. Foi uma experiência positiva, mas não a que eu queria. De repente, acabou. É por isso que estamos desse jeito”, disse à ESPN americana.

Cabe debate por quanto tempo um técnico deve ser mantido no trabalho, mesmo com resultados ruins, mas dificilmente alguém sensato acredita que dois jogos são suficientes.

Mostrar mais

Bruno Bonsanti

Como todo aluno da Cásper Líbero que se preze, passou por Rádio Gazeta, Gazeta Esportiva e Portal Terra antes de aterrissar no site que sempre gostou de ler (acredite, ele está falando da Trivela). Acredita que o futebol tem uma capacidade única de causar alegria e tristeza nas mesmas proporções, o que sempre sentiu na pele com os times para os quais torce.

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo

Bloqueador detectado

A Trivela é um site independente e que precisa das receitas dos anúncios. Considere nos apoiar em https://apoia.se/trivela para ser um dos financiadores e considere desligar o seu bloqueador. Agradecemos a compreensão.