México

Agora vai?

O ano mal começou e a temporada do futebol mexicano entrará em sua quarta rodada no próximo fim de semana. Se uma pré-temporada adequada é algo ainda distante no futebol brasileiro, em terras aztecas é um luxo ainda mais raro, com o torneio Clausura, principal competição nacional, tendo sua partida inaugural disputada já no dia 4 de janeiro. Com três rodadas completas, três times dividem a ponta, com 100% de aproveitamento: Tijuana, Tigres e América.

Os dois primeiros não surpreendem, no caso do Xolos por se tratar do atual campeão nacional, e no caso dos felinos por ser de um time consistente, entrosado e que acumula boas campanhas em anos recentes, sob o comando do brasileiro Ricardo Ferretti. O terceiro componente da trinca, ainda que seja um dos pesos-pesados do futebol mexicano e o mais tradicional dentre os três, é curiosamente o que mais causa surpresa nesse início de temporada.

Com um começo de ano perfeito, as águias somaram triunfos consistentes, contam com o melhor ataque e a melhor defesa da Liga MX e, no saldo de gols, ocupa a ponta da competição. O que a primeira vista pode parecer um fato corriqueiro não é. Há três anos, mais precisamente desde o dia 17 de janeiro de 2010, quando goleou o San Luis por 5 a 1 na estreia do Clausura de 2010, os Cremas não ocupavam a Superliderança do campeonato mexicano.

Não se discute a força do elenco Canário. Com o suporte financeiro do grupo Televisa, do qual é a grande menina dos olhos no âmbito esportivo, os Millonetas possui um poder econômico sem igual no futebol azteca. Dessa forma, além de os principais nomes do cenário nacional, monopoliza as contratações dos sul-americanos que brilham pelos seus rivais na Primera División, casos de Mosquera, Sambueza, Martínez e Benítez, contratados a peso de ouro, e consegue repatriar os grandes destaques aztecas mundo afora, como o recém-chegado Francisco “Maza” Rodríguez, ex-Stuttgart (ALE), ou Efraín Juárez, ex-Celtic (ESC).

Dessa forma, não faltam opções para Miguel Herrera compor o time. Ainda que tenha sido alvo de alguma contestação durante o Apertura, “El Piojo” foi mantido no cargo mesmo após a queda nas semifinais. Algo pouco comum nas Asturias, já que a pressão por títulos, que não aparecem há oito anos em Coapa, é latente no dia a dia do clube, e já ceifou grande parte dos projetos iniciados pelos últimos treinadores. Herrera, entretanto, parece ter convencido a direção americanista, comandada pelo ex-atacante da seleção Tricolor, Ricardo Peláez, de que a manutenção de um treinador pode ser a chave para o retorno ao caminho das conquistas.

Além da pressão no ambiente interno, os Azulcremas ainda precisam se livrar da sombra das arbitragens favoráveis. Grande parte da imprensa azteca critica as atuações de árbitros e assistentes nas partidas do América. Os desempenhos de Ricardo Nieves e Jorge Pérez foram alvos de contestações pela grande influência nas vitórias sobre Monterrey e Jaguares. Ainda que o Antiamericanismo seja uma cultura permanente no futebol mexicano, esse favorecimento pode facilmente passar para o lado adversário no decorrer da competição e atuar de forma contrária, à medida que se torna mais perceptível.

O início favorável também trouxe outra boa impressão: a melhora no rendimento das demais peças do elenco, livrando o conjunto de Coapa da “Chuchodependência”. O desempenho espetacular do equatoriano nas últimas temporadas eclipsou os demais atacantes do time e, com exceção de Daniel Montenegro, hoje no Independiente (ARG), até mesmo os meias de atuação ofensiva ficaram aquém do esperado. A subida de produção de nomes como Jesús Molina, Rubens Sambueza e do jovem Raúl Jiménez é mais do que uma boa notícia. É fundamental para que o clube dê o passo que falta na Liguilla, onde uma fraca atuação de Benítez quase sempre resulta na eliminação canária.

As expectativas com o bom início, contudo, parecem cada vez maiores. A goleada sobre o Atlante no último fim de semana foi convincente e parece ter espantado o fantasma da pressão no estádio Azteca, onde o clube esteve longe de realizar boas exibições em 2012. Além disso, diferente dos principais rivais na briga pelo título, o América não precisará dividir as atenções com as competições continentais, enquanto Tigres, Monterrey e Santos estão na fase final da Concachampiosn e Tijuana, Toluca e León terão confrontos duros e viagens desgastantes pela Copa Libertadores.

Ainda é cedo para colocar o América como favorito. Mesmo por que a Liga MX é pródiga em cavalos paraguaios, surpresas e grandes reviravoltas, mas é inegável que o clube da capital demonstra nesse início de campeonato um futebol mais consistente que em anos anteriores. Aliado a um grande elenco e uma torcida fanática (nas boas fases), as águias têm os elementos necessários para voltar ao topo. A pergunta que torcedores, direção e jornalistas fazem, contudo, ainda é a mesma das últimas temporadas: será que agora vai?

Curtas

– Seleção da 3ª rodada Trivela: Alfredo Talavera (Toluca), Carlos Gerardo Rodríguez (Toluca), Hugo Ayala (Tigres), Uriel Álvarez (Morelia) e William Paredes (Puebla); Danilinho (Tigres), Jesús Molina (América), Fernando Arce (Tijuana) e Rubens Sambueza (América); Christian Benítez (Tigres) e Raúl Jiménez (América); T: Miguel Herrera (América);

Costa Rica

– Com uma vitória sobre o Deportiva Carmelita, o Cartaginés assumiu a liderança do Campeonato de Verano de forma isolada, com três vitórias em três partidas. O Uruguay goleou o San Carlos e também manteve os 100% de aproveitamento, com seis pontos em dois jogos;

– Já o Saprissa se recuperou do revés inicial ao bater o Santos, em Guápiles, por 2×0 e assumiu a quinta posição da Primera División; 

El Salvador

– O torneio Clausura da Liga Mayor terá início no dia 2 de fevereiro, com o Clássico Nacional opondo FAS e Águila, os dois maiores campeões nacionais, logo na rodada inaugural. Atual campeão, o Isidro Metapán recebe o Atlético Marte;

Guatemala

– Com uma vitória simples sobre o Deportivo Petapa, o atual campeão guatemalteco Comunicaciones estreou com o pé direito no Clausura, somando seus primeiros três pontos em 2013. Já o vice-campeão Municipal estreou com derrota, perdendo para o Halcones por 2 a 0, fora de casa;

– Halcones, Suchitepéquez, Heredia e Comunicaciones lideram a Liga Nacional, com três pontos após vitória na rodada inaugural;

Honduras

– Outro campeão nacional que estreou bem em 2013 foi o Olímpia, que, fora de casa, superou o Vida por 2×0. Os Merengues dividem a liderança do Clausura com Marathón e Real Sociedad, que também venceram na primeira rodada da Liga Nacional;

Panamá

– Com um gol marcado aos 49 minutos da segunda etapa, o San Francisco venceu o Alianza por 2×1 e assumiu a liderança do Clausura da Liga Panamenha, com seis pontos em duas partidas, sendo o único time a alcançar 100% de aproveitamento;

– Atual campeão, o Árabe Unido superou o Chorrillo fora de casa e obteve seu primeiro triunfo na competição.

Mostrar mais

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo