Premier League

Kane sobre De Bruyne: “Os passes que ele dá pelo Manchester City são o sonho de qualquer atacante”

Com futuro supostamente indefinido, atacante do Tottenham estaria no radar do Manchester City, e declaração sobre o belga deverá alimentar ainda mais os rumores

Depois de divulgar um pequeno trecho da entrevista especial de Gary Neville com Harry Kane, o canal The Overlap, novo projeto do ex-jogador do Manchester United e hoje comentarista de TV, publicou nesta sexta-feira (21) a íntegra do papo. Anteriormente, tínhamos visto o atacante do Tottenham falar sobre uma possível saída do clube. Desta vez, os assuntos foram bem variados: de Pochettino e Mourinho à sua impressão sobre Kevin De Bruyne. E a declaração do atacante sobre o meia do Manchester City é para deixar os torcedores do Manchester City sonhando com uma futura parceria entre os dois.

Em meio aos rumores de que teria pedido para deixar o Tottenham, algo que não confirmou neste papo com Gary Neville, Kane estaria no radar de diversos clubes, com o Manchester City como um dos principais pretendentes. A máquina de Pep Guardiola, já tão efetiva mesmo sem um atacante de origem em grande fase, ganharia um toque final de ouro com um jogador como Kane no comando de ataque – e sua hipotética parceria com Kevin De Bruyne teria potencial de ser das mais letais do mundo. Admirador do futebol do belga, parece que o inglês também já parou para pensar nisso.

“Quando vejo o De Bruyne jogar, vejo um jogar muito especial, e alguns dos passes que o vejo dar pelo City são simplesmente um sonho para um atacante, sendo sincero. É um jogador fantástico com a bola, sem a bola, pressionando, mas a sua criação de jogadas é a melhor que já vi, honestamente”, exaltou Kane.

Falando sobre a demissão de José Mourinho no mês passado, alguns dias antes da decisão da Copa da Liga Inglesa contra o Manchester City, Kane afirmou ter sido surpreendido pela decisão, que, segundo ele, só chegou ao conhecimento dos jogadores “cinco minutos antes” de chegar à imprensa. O atacante, em particular, tinha um excelente relacionamento com o treinador português, mas reconheceu que as exigências do comandante não eram um sucesso unânime dentro do elenco.

“Foi completamente diferente, sendo sincero. No estilo de jogo, na maneira como eles se preparavam, o treino tático que fazíamos. Com o Mauricio (Pochettino), fazíamos muito trabalho na academia, enquanto com o José (Mourinho) não era muito assim. Mas ele, José, esperava que fossemos homens e agíssemos como homens no campo, com líderes no campo. Honestamente, foi provavelmente aí que não funcionou muito bem com o José, porque não tínhamos exatamente lideranças suficientes, algo que precisávamos no momento”, avaliou.

“Eu tive um ótimo relacionamento com o José desde o primeiro minuto. O José só queria vencer. Esta era a mentalidade que ele estava tentando colocar nos jogadores, de fazer qualquer coisa para vencer, e acho que, como você disse, ficamos mais ‘malandros’, mas talvez houvesse relações que não funcionaram muito bem neste sentido. Do meu ponto de vista, ele foi ótimo para mim”, continuou.

“O José é um vencedor, conhecemos seu histórico em finais. Eu disse antes, descobrimos (sobre sua demissão) talvez cinco minutos antes de todo mundo. Se foi algo em que eles vinham pensando há algum tempo ou apenas uma decisão do momento, não tenho certeza. Descobrimos pouco antes de todo mundo. Entendo que presidentes precisam tomar decisões difíceis em tempos difíceis, então nunca critiquei alguém por fazer algo, porque não estou na sua posição e não sei todos os detalhes. Mas fiquei surpreso.”

Kane falou ainda sobre a fracassada proposta da Superliga, celebrando a derrota da ideia especialmente por seu caráter anticompetitivo, com um clubinho fechado de equipes (que incluía o próprio Tottenham). “Pensando na competitividade, você está jogando por quê? Se você não está vencendo a liga, então por que é que você está jogando? Precisa haver algum tipo de recompensa por estar no top 4 ou no top 6. Então, neste sentido, eu não gostei (da proposta da Superliga). Portanto, fiquei feliz com o resultado.”

O capitão dos Spurs, no entanto, acredita que, embora derrotada, a ideia deverá ressurgir em algum momento no futuro, possivelmente com os envolvidos tendo aprendido mais da experiência mais recente. Para Kane, os proprietários foram pegos de surpresa pela reação negativa basicamente unânime.

“Tenho certeza de que haverá uma espécie de segunda onda, provavelmente. Acho que eles subestimaram como seria a reação dos jogadores e dos torcedores. Mas vamos ver o que vai acontecer. De qualquer forma, estou feliz que não foi em frente.”

O destino de Kane neste momento está indefinido. Parece claro que ele quer deixar o Tottenham, mas tirá-lo de lá será complicado. Não dá para descartar também que ele permaneça no clube, com o qual tem contrato até 2024, aliás. Os torcedores do Manchester City certamente já imaginaram Kane e De Bruyne juntos. Assim como, provavelmente, o próprio Kane se imagine.

Mostrar mais

Leo Escudeiro

Apaixonado pela estética em torno do futebol tanto quanto pelo esporte em si. Formado em jornalismo pela Cásper Líbero, com pós-graduação em futebol pela Universidade Trivela (alerta de piada, não temos curso). Respeita o passado do esporte, mas quer é saber do futuro (“interesse eterno pelo futebol moderno!”).

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo