Premier League

Enzo marca duas vezes e contra-ataque fulminante dá vitória ao Chelsea em duelo selvagem contra o Brighton

Chelsea jogou todo o segundo tempo com um a menos, mas conseguiu sair vitorioso diante do sempre agudo Brighton de De Zerbi

Em um jogo de alta intensidade, principalmente na primeira etapa, o Chelsea venceu o Brighton por 3 a 2 em Stamford Bridge. Após abrirem 2 a 0, os donos da casa sofreram um gol, tiveram um jogador expulso e precisaram se reeorganizar para sair com os três pontos.

Mesmo com dez, o Chelsea conseguiu abrir 3 a 1 após contra-ataque decisivo puxado pela dupla Sterling-Mudrky. O Brighton, no primeiro minuto dos longos acréscimos, ainda diminuiu com João Pedro, mas a equipe de Pochettino se segurou e consolidou a importante vitória para ainda sonhar com os postos altos da tabela da Premier League.

Enzo brilha e faz seu primeiro gol na Premier League

O Chelsea começou o jogo de maneira impositiva, subindo sua marcação para dificultar a saída de bola trabalhada do Brighton. As escapadas mais agudas do time londrino vieram da velocidade de Sterling pelo lado direito, explorando as deficiências defensivas do jovem Jack Hinshelwood, meio-campista improvisado na lateral por De Zerbi.

Aos 15 minutos, Igor Julio um passe interceptado por Caicedo, que acionou Steling novamente na direita. O inglês escapou da marcação e cruzou para Mudryk que subiu alto, mas não conseguiu alcançar a bola e testá-la para o gol de Steele.

Na sequência, o abafa do Chelsea rendeu frutos. Após escanteio cobrado na segunda trave, Badiashile dominou e conseguiu levantar para dentro da pequena área. Lá dentro, em meio aos altos zagueiros do Brighton, Enzo Fernández conseguiu testar para as redes e marcar seu primeiro gol na Premier League.

Sempre protagonista, o argentino ganhou confiança e seguiu construindo boas ações para os donos da casa. Depois de mais uma enfiada magistral para Sterling, o Chelsea conseguiu mais um escanteio e a receita do primeiro gol seguiu útil. Gallagher cobrou outro belo escanteio na segunda trave, desta vez foi Nicolas Jackson que escorou para a entrada da área para Colwill. O ex-brighton conseguiu completar para o gol. A zaga do Brighton ainda tirou antes da bola tocar as redes, mas não foi o suficiente para evitar o segundo gol da equipe de Pochettino.

Em 20 minutos, a bola área, que já havia feito o Brighton sofrer no meio de semana contra o AEK, pela Liga Europa, voltou a aterrorizar os comandados de De Zerbi. A equipe do sul da Inglaterra ainda não conseguiu completar nenhum duelo da Premier League sem sofrer gols.

O Brighton teve dificuldades para agredir o Chelsea, mas aos 27 minutos os donos da casa quase deram um presente ao rival. Enzo Fernández recuou para Robert Sanchez, que dominou mal, deixou a bola passar e quase protagonizou um gol contra bizarro no Stamford Bridge.

Primeiro tempo teve reta final insana

Mesmo sem conseguir construir dentro da área adversária, o Brighton, impulsionado pelas boas ações dos jovens Baleba e Adingra, tentou assustar a meta de Sanchez. Adingra recebeu pela esquerda e arriscou de longe, mas mandou para fora. Na sequência, Mudryk fez linda jogada individual e também arriscou de longe. A bola passou raspando a trave de Steele e por pouco os donos da casa não foram para o intervalo com um 3 a 0 no placar.

Restando apenas dois minutos para o fim do tempo regulamentar, ainda haveria tempo para dois lances capitais. Aos 43 minutos, Adingra costurou, serviu Lallana, que acionou rapidamente Buonanotte. O argentino dominou e acertou um belo chute no canto de Robert Sanchez para diminuir.

No lance seguinte, em belo lance do Chelsea, a bola sobrou para Jackson dentro da área. O inglês bateu e obrigou Steele a fazer um milagre para evitar uma resposta rápida dos londrinos. Na sequência, mais uma ducha de água fria em Stamford Brige. O capitão Gallagher, que já tinha um cartão amarelo, recebeu mais um após entrada forte e desnecessária no meio de campo, encerrando o que foi um primeiro tempo insano.

Contra-ataque do Chelsea foi fatal e decidiu o jogo

Com um a menos em campo, o Chelsea iniciou o segundo tempo tentando cadenciar o jogo enquanto o Brighton, com muita troca de passes, foi em busca do empate. Aos 10 do segundo tempo, Lallana recebeu na grande área, dominou, girou bonito em cima de Thiago Silva, mas bateu para fora.

Percebendo o bom momento da equipe, De Zerbi confirmou sua fama de técnico ousado e promoveu quatro mudanças ao mesmo tempo aos 11 da etapa final. Entraram no Brighton Milner, Gross, João Pedro e Mitoma.

Logo após mais um ataque do Brighton, o Chelsea conseguiu escapar em um belo contra-ataque puxado por Sterling, que acabou em arrancada Mudryk. O ucraniano caiu dentro da área antes de conseguir finalizar após choque com  Milner. O VAR então chamou o árbitro Craig Pawson para rever o lance e a penalidade máxima foi marcada para os donos da casa. Enzo Fernández foi para a cobrança, deslocou o goleiro Steele e ampliou para os blues, que agora respiraram aliviados na etapa final.

Após o terceiro gol, o Chelsea conseguiu se postar atrás e defendeu o máximo que pode sua vantagem no placar. Com João Pedro incisivo, o Brighton foi para cima dos donos da casa. No fim do jogo, já no primeiro dos dez minutos de acréscimos, o atacante brasileiro venceu Thiago Silva e mandou de cabeça para o fundo das redes para diminuir para os visitantes.

A torcida da casa sofreu um grande susto já aos 100 minutos. O árbitro Craig Pawson anotou um pênalti de Colwill por um suposto toque de mão dentro da área. O VAR, no entanto, entrou em cena e chamou o árbitro para uma nova revisão. A imagem mostrou que a bola tocou apenas no rosto do jogador do Chelsea, para alívio dos milhares de blues presentes e do técnico Maurício Pochettino.

Foto de Lucas Tomazelli

Lucas Tomazelli

Apaixonado por futebol desde as primeiras memórias de infância , é formado em jornalismo pela USP. Antes de integrar a equipe da Trivela, atuou na Jovem Pan Online, Grupo Bandeirantes de Comunicação e Yahoo Notícias Brasil.
Botão Voltar ao topo