InglaterraPremier League

O West Brom correu sérios riscos, mas confirmou a volta à Premier League – e consagrou a temporada de Matheus Pereira

Com um orçamento alto e um dos elencos mais fortes da Championship, o West Brom permanecia como um dos favoritos a retornar à Premier League desde que caiu em 2018. Os Baggies não tiveram força para isso na temporada passada e precisaram se contentar com os playoffs, nos quais caíram diante do rival Aston Villa durante as semifinais. Na atual campanha, porém, a equipe confirmou tal favoritismo ao selar o acesso na última rodada. Durante a maior parte do tempo, o West Brom permaneceu na zona de acesso direto e até liderou por mais semanas que o campeão Leeds United. Todavia, as vitórias escassas nesta reta final quase colocaram tudo a perder. Com uma ajudinha do Barnsley, o time de Slaven Bilic subiu.

O West Brom fez uma campanha bastante consistente durante o primeiro turno da Championship. Alguns empates no começo retardaram a tomada da liderança, mas os Baggies sofreram apenas uma derrota na primeira metade da competição – na visita ao antagonista Leeds. De qualquer maneira, em outubro o time já tomava a primeira colocação e ganharia gordura no início de dezembro, ao emendar seis vitórias consecutivas. Neste momento, chegou a abrir dez pontos na zona de acesso direto, embora os resultados ruins na virada do ano tenham diminuído tal vantagem.

O West Brom emendou sete partidas sem vencer até o final de janeiro e, além de ser ultrapassado pelo Leeds, veria a ameaça de quem vinha logo abaixo. A calmaria só retornou com o ótimo fevereiro, em que cinco vitórias e um empate voltaram a colocar os Baggies no topo da tabela, com uma diferença de nove pontos dentro do G-2. Dois tropeços antes da paralisação da Championship deram a dianteira novamente ao Leeds e reduziram a gordura para seis pontos, mas nada que ameaçasse tanto a situação rumo ao acesso, restando mais nove rodadas para o término da segunda divisão.

O West Brom retornou em junho com um empate diante do Birmingham e logo depois perdeu para o Brentford. Este resultado seria importante, não apenas por frear os Baggies, mas também por acelerar as Abelhas. O Brentford superou Fulham e Nottingham Forest com aquele triunfo, tomando a terceira colocação. Com cinco pontos a menos, passaria a pressionar o próprio West Brom. O time de Slaven Bilic até venceu os três jogos seguintes, mas o Brentford não dava sossego e chegou a uma sequência de seis triunfos consecutivos. Que se ampliaria a oito, ao mesmo tempo em que os Baggies empatavam com Fulham e Blackburn. Assim, a distância entre as duas equipes seria pulverizada a um ponto.

A sorte do West Brom é que o Brentford falhou na hora decisiva. Os Baggies perderam diante do Huddersfield na penúltima rodada, mas não foram ultrapassados porque os concorrentes também sucumbiram contra o Stoke City. Já nesta quarta-feira, o empate por 2 a 2 contra o Queens Park Rangers bastou em The Hawthorns. O único momento em que o Brentford teve o acesso nas mãos ocorreu quando o QPR abriu o placar – o que permitia às Abelhas tomarem a segunda colocação com seu empate parcial, graças ao saldo de gols. Todavia, o West Brom empatou antes do intervalo com Grady Diangana e virou no início do segundo tempo a partir de uma jogadaça do garoto, passando para Callum Robinson concluir. As possibilidades de acesso aumentavam, considerando que o Barnsley também havia aberto o placar contra o Brentford.

A situação poderia ter sido menos arriscada ao West Brom. Logo depois da virada, a equipe criou várias chances em The Hawthorns, mas parou no goleiro Joe Lumley. Cedeu o empate diante do QPR num contra-ataque e viu a preocupação aumentar quando o Brentford, minutos depois, buscou o empate diante do Barnsley. Um gol do Brentford ou um gol do QPR nos 20 minutos finais colocariam tudo a perder para os Baggies. Mas a sorte sorriu. Ainda pressionando, o time de Slaven Bilic não levou novos sustos diante do QPR e ainda contou com o segundo gol do Barnsley – que se safou do rebaixamento graças a vitória por 2 a 1 sobre o Brentford, relegando as Abelhas aos playoffs de acesso com a terceira colocação.

A sensação em The Hawthorns era de alívio geral. O técnico Slaven Bilic, muito agitado durante toda a noite, finalmente poderia sorrir. “O acesso está no topo das conquistas de minha carreira. Vocês não sabem quão exaustiva foi esta temporada. Não podem imaginar como estou orgulhoso e feliz. Treinei a seleção do meu país por seis anos e disse que, não importava o clube, nada poderia se comparar a dirigir sua equipe nacional. Não posso dizer agora que é a mesma coisa, mas me sinto orgulhoso de maneira parecia no West Brom. Temos trabalho a fazer, mas não pensei nisso por causa desta situação maluca. Hoje não e nem amanhã, mas começaremos o planejamento na próxima semana. Que temporada e que campeonato!”, afirmou.

Nesta temporada, o West Brom garantiu um número razoável de reforços e contou com muitos jogadores experientes. Porém, há vários atletas emprestados e outros que se encaminham ao final da carreira, prontos a deixar o clube. Isso significará um investimento grande na próxima Premier League – quando a crise não permite tantas regalias. A lista dos que não ficarão inclui Ali Al Habsi, Gareth Barry e Chris Brunt – este, um dos maiores símbolos dos Baggies nos últimos anos, parte do elenco desde 2007. Já entre os medalhões que seguem com contrato aparecem Hal Robson-Kanu e Charlie Austin, autores de gols importantes ao acesso, e ainda Jake Livermore, referência no meio-campo.

Outros nomes que chamam atenção, de qualquer forma, são menos badalados. O goleiro Sam Johnstone não se ausentou em um minuto sequer da campanha. Semi Ajayi se manteve como uma peça intocável na defesa ao lado de Kyle Bartley e Romaine Sawyers também foi importante para dar consistência ao meio-campo. Já na frente, enquanto Diangana aproveitou bem o empréstimo do West Ham, Matheus Pereira foi o melhor jogador da campanha.

Emprestado pelo Sporting, o brasileiro deve permanecer em definitivo por €10 milhões, um preço bem baixo ao nível dos serviços prestados. Jogando como ponta direita ou meia centralizado, Matheus protagonizou os melhores momentos dos Baggies, especialmente durante o primeiro turno. Foram oito gols e 20 assistências ao longo da Championship para o jovem de 24 anos. Já nesta reta final, brilharia especialmente na sequência de três vitórias no início de julho, com dois gols e quatro assistências neste intervalo. Chegará com expectativas à Premier League, se continuar mesmo em The Hawthorns.

Com ou sem Matheus Pereira, o desafio do West Brom será repetir a estabilidade vista na Premier League em sua última estadia. Os Baggies emendaram oito temporadas e fizeram algumas campanhas dignas, com destaque ao oitavo lugar em 2012/13. De qualquer maneira, as dificuldades enfrentadas neste semestre e também os empecilhos para melhorar o elenco no atual cenário tornam evidente o risco de uma nova queda. Por mais que Slaven Bilic seja um bom técnico, não tende a ser um trabalho estável. Diferentemente do Leeds, o West Brom empolga menos neste retorno.

Classificação fornecida por SofaScore LiveScore

Mostrar mais

Leandro Stein

É completamente viciado em futebol, e não só no que acontece no limite das quatro linhas. Sua paixão é justamente sobre como um mero jogo tem tanta capacidade de transformar a sociedade. Formado pela USP, também foi editor do Olheiros e redator da revista Invicto, além de colaborar com diversas revistas. Escreve na Trivela desde abril de 2010 e faz parte da redação fixa desde setembro de 2011.

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo