EuropaInglaterraLiga das Nações

Kane foi decisivo para Inglaterra seguir na Liga das Nações com virada sobre a Croácia

Inglaterra e Croácia fizeram um jogo pegado, duro e emocionante em Wembley. Depois de um jogo cardíaco contra a Espanha na quinta (15), com a Croácia arrancando a vitória no último minuto, desta vez foi a vez do duelo contra os ingleses ter emoção até o fim. Desta vez, porém, quem saiu comemorando foi a Inglaterra. Com uma virada, o time comandado por Gareth Southgate venceu por 2 a 1, fez a Croácia ser rebaixada como última dos três do grupo e avança como classificada à fase final da Liga das Nações.

LEIA TAMBÉM: Mais uma vez a Itália vive um drama em San Siro e empate classifica Portugal na Liga das Nações

O duelo entre as duas seleções já tinha acontecido na Copa do Mundo, quando os croatas, na prorrogação, eliminaram os ingleses. Desta vez, o duelo não poderia terminar empatado, porque se não os dois times terminariam eliminados. Pior para a Inglaterra, que ainda seria rebaixada à Liga B da Liga das Nações. Portanto, é compreensível a postura adotada pelos Three Lions com o apito inicial.

Desde o primeiro tempo, era a Inglaterra quem partia para cima da Croácia, que se postava defensivamente. O problema da Inglaterra é, como sempre, a falta de ideias. O time é de fato esforçado, tem alguns bons jogadores e um fora de série em Harry Kane, mas é um time, por assim dizer, simples. Não é um time que faz muitas triangulações, nem que consegue construir muitas jogadas envolvendo o adversário. Assim, fazia pressão, especialmente na saída de bola e não deixando a Croácia respirar. A estratégia parecia ser retomar a bola e atacar em velocidade. E estava até funcionando. O problema é que o gol não saía. As chances, dos dois lados do campo, vinham de falhas defensivas. O placar, porém, ficou no 0 a 0 no primeiro tempo.

No segundo tempo, a Croácia parecia ter cansado. A Inglaterra aproveitou para crescer no jogo. Passou a pressionar muito em busca do gol e praticamente morar na intermediária ofensiva. O gol inglês parecia iminente no lotado estádio de Wembley. Toda vestida de branco, a Inglaterra se aproximava de um gol que a classificaria para a fase final da Liga das Nações. É, mas o futebol tem umas peças sendo pregadas o tempo todo. Tudo até que, aos 12 minutos, um contra-ataque causou um silêncio em Wembley.

Em um ataque pela direita, Nikola Vlasic recebeu dentro da área, tocou para trás e tocou para Andrej Kramaric, que dominou, girou, fintou duas vezes e chutou. A bola desviou e, para sua sorte, morreu dentro do gol: 1 a 0 para os croatas. Assim, a vice-campeã do mundo se classificava e, de quebra, empurrava a Inglaterra para a Liga B. E o gol mudou o jogo não só no placar, mas nos minutos seguintes.

A Croácia, que pouco atacava, passou a ter chances de contra-ataque diante do desespero inglês. Em alguns contra-ataques, o time teve chance de ampliar o marcador. A situação estava tensa para o time da casa, mas aí veio um gol de uma Inglaterra que usa muito as bolas paradas. Em lateral cobrado na área pelo zagueiro Joe Gómez, a bola sobrou para Harry Kane, que tocou de leve para o gol, tirando do goleiro Lovre Kalinic. A bola foi devagar, na direção de entrar, e Jesse Lingard aproveitou para chutar para dentro, completando já em cima da linha: 1 a 1, aos 33 minutos.

Jogo empatado, bom para a Espanha. As duas seleções ficaram com cinco pontos, enquanto a Espanha tinha seis. O empate seria ruim para os dois. Por isso, a Inglaterra precisou colocar a cabeça no lugar. E quando empatou o jogo, Harry Kane instruía os jogadores a voltarem rápido ao seu próprio campo. O capitão ainda acreditava.

A pressão continuava, sem muita bola trabalhada, mas com mais talento em campo. Jadon Sáncho entrou, assim como tinha entrado Lingard, autor do primeiro gol, e Dele Alli, que substituiu Fabian Delph. Sancho deu mais vida ao ataque do time. Rápido, habilidoso e com boa movimentação, ele era quem mais criava chances.

Só que o gol sairia bem ao estilo desse time inglês. Eram 40 minutos e o lateral Ben Chillwell cruzou para a área e a bola foi passando por todo mundo, até que, no meio da área, Kane se jogou em um carrinho para tocar na bola e empurrar para dentro. Gol de camisa 9. Gol de centroavante. Gol da vitória. Gol da classificação. Curiosamente, o seu primeiro gol na Liga das Nações. E logo um gol tão decisivo.

Kane se joga para marcar o gol da vitória da Inglaterra (Photo by Catherine Ivill/Getty Images)

A Inglaterra avança na Liga das Nações. Com sete pontos, os ingleses, semifinalistas da Copa, deixam para trás a Espanha, com seis pontos, e Croácia, com cinco. Os croatas, vice-campeões, caem para a Liga B da Liga das Nações. Em um grupo tão apertado, que todos poderiam se classificar no último jogo, não é algo para se lamentar tanto assim. O mais importante para a Croácia é olhar para a Eurocopa de 2020, quando o time é um dos fortes para buscar, quem sabe, o título que bateu na trave na Rússia.

Os ingleses avançam. Vão às semifinais da Liga das Nações, que será em Portugal, junto com o time da casa. Outras duas seleções ainda serão definidas, mas os ingleses terão a chance de buscar um caneco. E para quem não ganha nada desde a Copa de 1966, quando ficou com a taça jogando em casa, o título da Liga das Nações, a primeira edição, seria bastante marcante. O time tem capacidade para isso. O estilo de jogo ainda está mudando. Apesar das tentativas de mais toque de bola e técnica, o time venceu na bola parada, com o estilo chuveirinho que se viu muito na Copa. Ainda que o futebol não seja tão atraente, tem potencial para mais. Por enquanto, o time resgata a confiança. E pode sonhar mais ainda em Portugal. Um palco onde os ingleses já sonharam. Na Eurocopa 2004, o time caiu diante justamente de Portugal, então dirigido por Luiz Felipe Scolari, nas quartas de final. Será que os ingleses conseguem construir uma nova história?

Mostrar mais

Felipe Lobo

Formado em Comunicação e Multimeios na PUC-SP e Jornalismo pela USP, encontrou no jornalismo a melhor forma de unir duas paixões: futebol e escrever. Acha que é um grande técnico no Football Manager e se apaixonou por futebol italiano (Forza Inter!) desde as transmissões da Band. Saiu da posição de leitor para trabalhar na Trivela em 2009.

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo