Inglaterra

Do choro no West Ham ao refúgio na seleção: os bastidores da vida de Paquetá em meio às investigações

Denunciado pela FA, meio-campista brasileiro teria forçado quatro cartões amarelos na Premier League

Investigado pela Federação Inglesa (FA) por supostas violações às regras de apostas esportivas na Premier LeagueLucas Paquetá vive um verdadeiro pesadelo e corre o risco de ser banido do futebol. O meio-campista do West Ham tinha até 3 de junho para responder às acusações, mas seus advogados conseguiram ganhar tempo.

Nesta quinta-feira (13), o site britânico The Athletic publicou uma reportagem especial sobre Paquetá, revelando bastidores do caso — incluindo a reação do jogador brasileiro, do vestiário do West Ham, da casa de apostas que patrocina o clube londrino e da Federação Inglesa.

Abalado, Paquetá recebe apoio de companheiros do West Ham

Após a divulgação da notícia da investigação em agosto, o elenco do West Ham se reuniu sem o então técnico David Moyes. O objetivo do encontro era ouvir o parecer de Lucas Paquetá que, segundo o The Athletic, não segurou as lágrimas.

Bastante emocionado, o meia brasileiro se disse inocente e ganhou o apoio de vários companheiros de equipe. Edson Álvarez, volante mexicano, prometeu “proteger” Paquetá em campo caso algum jogador adversário tentasse intimidá-lo.

O ombro amigo de Álvarez mexeu com Paquetá. Na vitória por 5 a 0 do West Ham sobre o Freiburg, pela Liga Europa, em 16 de março, o camisa 10 dos Hammers correu em direção ao mexicano e o abraçou após marcar o primeiro gol do jogo.

“Quanto a notícia da investigação se tornou pública, em agosto do ano passado, os jogadores do West Ham tiveram uma reunião com o então técnico David Moyes e todo o estafe do clube. Paquetá chorou bastante durante o encontro. Ele disse aos companheiros de equipe que era inocente e que se sentia como um ‘bode expiatório' da FA”, informou o The Athletic.

Lucas Paquetá e Edson Álvarez celebram gol do West Ham (Foto: Icon Sport)

Ainda segundo a reportagem, a acusação fez Paquetá perder a confiança. O camisa 10, que até então era um dos principais destaques do West Ham, acusou o golpe e passou a ficar mais retraído no dia a dia. Preocupados com a saúde mental do meio-campista, companheiros de clube tentaram reanimar o amigo, mas a missão não foi fácil.

“Um de seus amigos mais próximos, o lateral-esquerdo Emerson Palmieri, tentou de todas as formas organizar uma saída noturna para melhorar o ânimo de Lucas, mas isso nunca aconteceu, já que o meia disse que não queria chamar a atenção”.

Quais são as acusações contra Paquetá?

Lucas Paquetá foi denunciado pela FA no dia 23 de maio. Na acusação, a entidade inglesa cita quatro lances em que o meia esteve envolvido.

O jogador do West Ham e da Seleção Brasileira teria forçado cartões amarelos em quatro partidas da Premier League entre novembro de 2022 e agosto de 2023. Veja caso a caso abaixo:

West Ham 0 x 2 Leicester (12 de novembro de 2022)
Aos 15 minutos do segundo tempo, Paquetá recebe cartão amarelo após dar carrinho por trás em Boubakary Soumare e atingir Dennis Praet na sequência.

West Ham 1 x 1 Aston Villa (12 de março de 2023)
Com 25′ do 2º tempo, Paquetá acerta John McGinn no meio-campo, freando contra-ataque promissor do Aston Villa.

West Ham 3 x 1 Leeds (21 de maio de 2023)
Aos 20 minutos do 2º tempo, Paquetá derruba Crysencio Summerville por trás. A infração impediu que o Leeds avançasse em contra-ataque veloz.

Bournemouth 1 x 1 West Ham (12 de agosto de 2023)
Nos acréscimos, Paquetá disputa a bola no alto, mas leva o cotovelo até o rosto do adversário. Bem posicionado, o árbitro não titubeou ao aplicar o amarelo.

Paquetá recebe cartão amarelo após entrada forte em Boubakary Soumare, do Leicester (Foto: Icon Sport)

— Alega-se que ele (Paquetá) procurou diretamente influenciar o progresso, a conduta ou qualquer outro aspecto ou ocorrência nessas partidas, buscando intencionalmente receber um cartão do árbitro com o propósito impróprio de afetar o mercado de apostas para que uma ou mais pessoas lucrem com as apostas — diz o comunicado da FA.

As investigações apontaram que todas as apostas foram feitas em Paquetá, ilha localizada no Rio de Janeiro, onde o meio-campista cresceu — origem de seu apelido.

Cerca de 60 pessoas apostaram em Paquetá, para o jogador do West Ham receber cartão amarelo nos jogos citados acima. As bets variaram bastante nos valores: 7 libras (R$ 48) a 400 libras (R$ 2.743).

Situação delicada

Muitas das apostas foram realizadas no site Betway, patrocinadora oficial do West Ham. Pouco conhecida no Brasil, a empresa sequer possui representação oficial no país.

Após a Betway e outras casas de apostas relatarem atividades suspeitas na Ilha de Paquetá, a Associação Internacional de Integridade de Apostas (Ibia) resolveu agir. O órgão notificou FIFA e FA, e a partir de então as coisas começaram a complicar para o jogador brasileiro.

Uma fonte anônima da Ibia, ouvida pelo The Athletic, disse que a situação é considerada grave. Caso seja considerado culpado, Paquetá pode não mais atuar como atleta profissional de futebol.

Seleção Brasileira é refúgio

Enquanto aguarda o resultado da investigação, Lucas Paquetá integra o elenco da Seleção Brasileira que vai disputar a Copa América 2024, nos Estados Unidos. O camisa 7 da Canarinho, ao que parece, tem conseguido relaxar um pouco e ‘se desligar' das acusações.

Com Paquetá à disposição do técnico Dorival Júnior, o Brasil estreia na Copa América na próxima segunda-feira (24), quando enfrenta a Costa Rica. A bola rola a partir das 22h (horário de Brasília), no SoFi Stadium, na Califórnia.

Foto de Guilherme Calvano

Guilherme CalvanoRedator

Jornalista pela UNESA, nascido e criado no Rio de Janeiro. Cobriu o Flamengo no Coluna do Fla e o Chelsea no Blues of Stamford. Na Trivela, é redator e escreve sobre futebol brasileiro e internacional.
Botão Voltar ao topo