Futebol feminino

O que Linda Caicedo fez é fenomenal: disputou Mundial Sub-17, Sub-20 e Copa América pela Colômbia em três meses

Eleita a melhor jogadora da Copa América Feminina em julho, Linda Caicedo ainda se destacou nos Mundiais Sub-17 e Sub-20 desde então

Linda Caicedo se coloca como a principal herdeira de Marta no futebol da América do Sul. A colombiana tem apenas 17 anos, mas é considerada a principal jogadora de seu país no momento. E toda a precocidade da atacante rendeu feitos impressionantes nos últimos três meses. Em julho, Caicedo arrebentou pela seleção adulta: marcou o gol que classificou as Cafeteras para a Copa do Mundo de 2023 e para as Olimpíadas de 2024. Vice-campeã contra o Brasil, foi eleita a melhor jogadora da Copa América Feminina. Em agosto, a garota foi a protagonista da equipe nacional que alcançou as quartas de final do Mundial Sub-20. Já em outubro, a craque disputou também o Mundial Sub-17. Levou às colombianas à decisão, realizada no último final de semana, e terminou eleita a segunda melhor jogadora da competição. Fenômeno.

Linda Caicedo é conhecida no futebol colombiano desde 2019. A menina tinha apenas 14 anos quando estreou pela equipe profissional do América de Cali. Anotou sete gols em sete partidas pelo Campeonato Colombiano, sagrando-se artilheira do time campeão nacional. Na época, era chamada de “Neymar de Cali” por seus dribles e velocidade – um apelido que a apetecia, fã do brasileiro a ponto de usar a camisa 11 e imitar sua comemoração. No ano seguinte, a fenômeno pulou o muro e se mudou ao rival Deportivo Cali. Continuou se desenvolvendo e apresentando seu talento, campeã nacional novamente em 2021. Já a estreia pela seleção adulta da Colômbia aconteceu também em 2021, às vésperas de completar 16 anos. Estava claro como a atacante era uma joia rara.

O ano de 2022 seria bastante ocupado para Linda Caicedo. As viagens internacionais com a seleção começaram em março, no Uruguai. A atacante se juntou à seleção sub-17 e terminou como vice-campeã do Campeonato Sul-Americano, atrás do Brasil. A Colômbia garantiria a classificação para o Mundial da categoria. Meses depois, sem a craque, as colombianas também ficaram com o vice no Sul-Americano Sub-20 e se confirmaram em outro Mundial.

O grande desafio para Linda Caicedo aconteceu em julho. A atacante disputou sua primeira competição internacional com a seleção adulta, na Copa América que valia também vaga na Copa do Mundo e nas Olimpíadas. As cafeteras fizeram uma campanha fantástica diante de sua torcida, em que só perderam a final para o Brasil. E a grande estrela da caminhada foi a garota de 17 anos. A vitória mais importante aconteceu na semifinal, em que o triunfo por 1 a 0 sobre a Argentina garantiu a participação nas duas competições internacionais. Caicedo anotou o gol decisivo, numa jogada em que entortou a marcação e bateu no canto. Terminou eleita pela Conmebol como a melhor jogadora do torneio.

A agenda de Linda Caicedo continuava cheia mesmo depois de cumprir sua missão pela seleção adulta. A craque seria chamada também para o Mundial Sub-20 na Costa Rica, em agosto. As cafeteras alcançaram as quartas de final, eliminadas pelo Brasil, mas de novo a atacante ganhou destaque. Foram grandes atuações contra Alemanha e Nova Zelândia, que fizeram o site da Fifa compará-la com Marta, Megan Rapinoe e Alex Popp. Já neste mês de outubro, as promessas da Colômbia viajaram para o Mundial Sub-17 na Índia. Obviamente Linda Caicedo seria a referência do time. As colombianas alcançaram uma histórica final, mas terminaram derrotadas pela Espanha. Mesmo assim, a atacante levou a Bola de Prata e a Chuteira de Bronze, como segunda melhor jogadora e terceira na artilharia, com quatro gols anotados.

A ampla jornada de Linda Caicedo com a Colômbia teve seu prejuízo para o Deportivo Cali. Talvez a história das azucareras na Libertadores de 2022 fosse outra sem o desfalque da atacante, que estava no Mundial Sub-17. Mesmo sem a craque, a equipe eliminou a Ferroviária e alcançou as semifinais, eliminada nos pênaltis para o Boca Juniors. O mais provável é que a adolescente sequer permaneça na América do Sul na próxima temporada. Alguns clubes europeus crescem os olhos sobre o fenômeno, com rumores que a ligam ao Barcelona.

Linda Caicedo terá 18 anos na época da Copa do Mundo de 2023. É a mesma idade de Marta quando conquistou a prata olímpica em 2004, após já ter sido destaque no ouro do Pan de 2003. Em termos de qualidade técnica, é difícil imaginar qualquer jogadora que se aproxime da Rainha. Entretanto, a maneira como Caicedo quebra barreiras indica que provavelmente ela será a principal candidata ao trono na América do Sul. O próximo Mundial será uma ótima maneira de testar seu nível e, um ano mais madura, ela poderá impressionar ainda mais.

Foto de Leandro Stein

Leandro Stein

É completamente viciado em futebol, e não só no que acontece no limite das quatro linhas. Sua paixão é justamente sobre como um mero jogo tem tanta capacidade de transformar a sociedade. Formado pela USP, também foi editor do Olheiros e redator da revista Invicto, além de colaborar com diversas revistas. Escreveu na Trivela de abril de 2010 a novembro de 2023.
Botão Voltar ao topo