Futebol feminino

Entre batalhas e conquistas: Jonas Urias abre jogo sobre o projeto do Cruzeiro Feminino

Ex-treinador da Seleção Brasileira Feminina sub-20, Jonas Urias chegou ao Cruzeiro Feminino em outubro e já conquistou um título pelas Cabulosas

O Cruzeiro passa por uma grande reformulação em todos os seus departamentos desde a chegada da SAF encabeçada por Ronaldo Nazário. E uma das principais mudanças vistas no clube é no futebol feminino da Raposa, apontado pela diretoria celeste como setor estratégico. Treinamentos na Toca 2, integração com time profissional e categorias de base e boas condições de trabalho ofertadas às Cabulosas, como é conhecida a equipe feminina estrelada, têm rendido frutos, tanto em formação, quanto em conquistas. O título estadual que não vinha há três temporadas voltou a ser levantado. E a ambição do projeto azul e branco foi reafirmada com a contratação do treinador Jonas Urias.

Anunciado pelo Cruzeiro em setembro de 2023, Jonas Urias, de 34 anos, chegou ao clube mineiro ostentando um grande currículo, tendo passagens por Centro Olímpico-SP, Sport e Seleção Brasileira sub-20, onde se destacou, conquistando o bronze no Mundial Sub-20 e o Sul-americano Sub-20, ambos no ano de 2022.

Na Raposa, o sucesso foi instantâneo. Em menos de um mês, Urias esteve à frente da equipe campeã estadual, sobre o rival Atlético-MG. A Trivela bateu um papo exclusivo com o treinador, que falou sobre sua adaptação a Belo Horizonte, o projeto do Cruzeiro a curto e longo prazo e sobre os desafios do futebol feminino no Brasil.

Primeiros passos de Jonas Urias no Cruzeiro e em BH

Jonas Urias começou contando da sua experiência em Belo Horizonte, onde ele está vivendo com sua família. Segundo o treinador, a capital mineira é uma cidade “muito acolhedora e agradável”, onde ele se sente muito bem.

— A escolha de ter vindo para o Cruzeiro fez muito sentido. Tanto antes de vir, quanto depois que eu cheguei, tudo mostra que foi uma escolha muito positiva. Estou bem, com minha família e gostando bastante destes primeiros passos no clube e em BH — avaliou Urias.

O treinador ressaltou a felicidade de sua escolha, que implicou na recusa de outras propostas de trabalho de grandes clubes do futebol nacional. Urias deixou a Seleção Brasileira sub-20 muito valorizado e visado por equipes que queriam dar um salto em seus projetos femininos. Mas, segundo Jonas, as perspectivas de futuro apresentadas pelo Cruzeiro o fizeram escolher BH como destino.

— Quando eu saio da Seleção, sou procurado por alguns clubes do Brasil, acho que como forma de reconhecimento pelo que construímos na equipe sub-20. Me senti lisonjeado de grandes clubes me procurarem e confiarem que eu pudesse agregar em seus projetos. Diante desses grandes clubes, o Cruzeiro surgiu como um clube que deu mais perspectiva de crescimento, dentro da mentalidade que tem e das ações que pratica para o desenvolvimento e evolução do futebol feminino. Eu me identifiquei com esse perfil e, por isso, escolhi o Cruzeiro — contou o treinador das Cabulosas.

Jonas Urias afirmou que o dia a dia do clube dá a certeza de que sua escolha foi a melhor possível. Segundo ele, lidar com pessoas “extremamente competentes, inteligentes, que pensam a modalidade com respeito, carinho e cuidado que o futebol feminino merece” fazem do clube um aliado de quem trabalha pelo melhor do esporte.

— Vejo muito profissionalismo. Essas pessoas que constroem a modalidade no dia a dia, pensando em conjunto, em prol do crescimento do projeto, é o que me faz pensar que escolhi o clube certo — explicou.

Jonas Urias em treinamento do Cruzeiro Feminino durante a preparação para a temporada 2024
Jonas Urias em treinamento do Cruzeiro Feminino durante a preparação para a temporada 2024 – Foto: Gustavo Martins/Cruzeiro

Objetivos do futebol feminino do Cruzeiro

Durante toda a entrevista, Jonas Urias se mostrou um profissional sério e convicto de suas ideias, qualidades constantemente exaltadas pela direção do Cruzeiro como primordiais para o clube. Além do esportivo, o treinador demonstrou preocupação e cuidado com a parte social do esporte. Ele ainda revelou os objetivos do clube para 2024.

— O objetivo do Cruzeiro é se estabelecer no cenário nacional como uma potência. Estamos visando nos posicionar melhor que no ano passado no Campeonato Brasileiro, estamos trabalhando muito para conquistarmos isso. Assim como consolidar-nos em Minas Gerais. Após três anos de jejum, nos colocamos no lugar do campeão mineiro e defender isso é algo importantíssimo para nós também — revelou Urias.

Como funcionam as contratações no Cruzeiro Feminino?

A ttulo de curiosidade, enquanto falávamos do projeto do futebol feminino do Cruzeiro, perguntei a Jonas como funcionam as contratações na modalidade, visto que o clube se reforçou muito para a atual temporada, inclusive com atletas estrangeiras. Ele explicou que há um departamento de análise e que um trabalho de prospecção minucioso é empregado na busca das jogadoras.

— Nós realizamos uma análise de mercado através da nossa equipe, em conjunto com a coordenação técnica, através da Bárbara Fonseca, analisamos as necessidades de elenco e possibilidades de mercado. Tudo muito bem protocolado e estabelecido, cada etapa, a produção de materiais de cada jogadora que a gente está interessado, para primeiro fazer todo um apanhado do que ela pode agregar dentro do nosso projeto. E aí, num segundo momento, realizamos as investidas que achamos interessantes. Essas meninas que vieram de fora foram monitoradas com cuidado, foram feitos relatórios técnicos em relação a elas e projetadas dentro do nosso elenco. Dessa forma, realizamos essas buscas e trouxemos esses ótimos reforços — contou Jonas Urias.

Potência continental em “três ou quatro” anos

Perguntado sobre os objetivos de longo prazo do Cruzeiro, Jonas Urias afirmou que se trata de construir uma trajetória passo a passo, que os clubes que são potência nacional e sul-americana tiveram um ponto de partida do zero. Ele demonstrou confiança no projeto do clube para além de indivíduos. Segundo o treinador, mesmo que ele ou outras pessoas não estejam na Raposa nos próximos anos, o caminho que está sendo trilhado aponta ao sucesso.

— Todo mundo que hoje é visto como uma potência nacional e sul-americana teve um ponto de início e se direcionou de forma correta e caminhou. O tempo tem que vir e agir e a gente respeita muito o tempo que nosso projeto vai levar para ser essa referência. Mas tenho certeza que estamos na estrada correta, tomando decisões pautadas em discernimento, responsabilidade fiscal, técnica, de muito jogo limpo com atletas e todos os agentes envolvidos nesse mundo do futebol — começou Jonas.

O técnico ainda revelou o prazo esperado para que o Cruzeiro consiga estar entre as grandes potências do futebol feminino na América do Sul.

— Cultivando essas boas práticas, eu tenho certeza que o Cruzeiro vai atingir esse ponto no futuro, com o Jonas ou sem o Jonas, o clube está muito bem direcionado e agora é o tempo vir e agir, para que o Cruzeiro consiga atingir, acho que em coisa de três, quatro anos, galgar entre os grandes da América do Sul também — revelou o treinador das Cabulosas.

Integração entre categorias do Cruzeiro

Frequentemente, é possível acompanhar a integração de diversas categorias do Cruzeiro na Toca da Raposa 2. Seja em brincadeiras, ações de marketing ou no trabalho do dia a dia, atletas das categorias de base, feminino e masculino são vistos juntos, passando uma sensação de muita união. Jonas Urias ressaltou a importância dessa união.

— O discurso de que “somos todos um” não pode ficar apenas nas palavras. Ele tem que ser transformado em ações e nossa instituição tem cuidado disso. Para girar esses momentos e as pessoas descobrirem que tudo é feito de pessoas. Pessoas que provavelmente vieram dos mesmos lugares, batalharam e venceram as mesmas lutas para estarem aqui, tudo traz identidade, identificação, senso de união e de grupo. Então eu acho que são boas práticas. Acontecem algumas e podem acontecer ainda mais, porque só trazem benefícios — avaliou o treinador.

Desafios do futebol feminino do Cruzeiro e brasileiro

Jonas Urias terminou a entrevista abraçando uma temática importantíssima, indo além dos gramados e pensando no futebol feminino como um reflexo social. Chamou a atenção a forma com que o treinador enxerga a modalidade como um fenômeno não apenas esportivo. Tal reflexão surgiu quando o treinador foi questionado dos desafios que o Cruzeiro Feminino e a modalidade como um todo enfrentam dia após dia.

Apesar de o clube celeste oferecer condições dignas de trabalho para seus funcionários, isso, infelizmente, é uma realidade de poucas instituições em nosso país. Não apenas nas divisões inferiores, mas até mesmo na elite nacional.

— Os desafios do Cruzeiro são muito parecidos com os de qualquer outro clube que pretende fazer um futebol feminino diferente, respeitoso, profissional. Eles precisam vencer as batalhas culturais, que tanto atrasam o desenvolvimento da modalidade, isso dentro, fora, na sociedade. São obstáculos que sempre iremos enfrentar e precisamos trazer nosso melhor, nossa excelência e mostrar o quanto estamos construindo coisas especiais juntos, para nos sentiremos empoderados o suficiente para vencermos essas batalhas — começou o treinador.

— As maiores batalhas são as sociais, estabelecidas na cultura do Brasil. São muitos anos em que o desenvolvimento da modalidade foi prejudicado e a gente sofre com isso hoje. Somos obrigados a superar estes desafios todos os dias — continuou.

Jonas Urias finalizou apontando caminhos para superar essas adversidades e dar ao futebol feminino e a tantas garotas sonhadoras, lutadoras, o respeito que elas merecem.

— Temos que entender quais são as coisas que estão ao nosso alcance, que temos controle. É a qualidade do nosso trabalho, o profissionalismo que a gente imprime todos os dias em que representamos o Cruzeiro. Nossas rotinas, nosso dia a dia de trabalho. E apresentar um bom espetáculo, sempre. Eu acho que a gente cuidando destes pontos que estão em nossas mãos, podemos afetar, aos poucos, as impressões e desconstruir. Infelizmente eu digo isso, mas temos que desconstruir algumas coisas estabelecidas e termos forças para fazer essa desconstrução social para a valorização da nossa modalidade — finalizou o treinador do Cruzeiro Feminino, que afirmou sempre ficar muito feliz quando é dado o devido interesse ao futebol feminino.

Estreia do Cruzeiro Feminino

O Cruzeiro Feminino estreia na temporada neste sábado (10), às 19h, contra o Real Brasília, no estádio Bezerrão, pela Supercopa do Brasil. A partida será transmitida pelo SporTV.

Foto de Maic Costa

Maic Costa

Maic Costa nasceu em Ipatinga, mas se radicou na Região dos Inconfidentes mineiros. Formado em Jornalismo na UFOP, em 2019, passou por Estado de Minas, Superesportes, Esporte News Mundo, Food Service News e Mais Minas. Atualmente, é setorista do Cruzeiro na Trivela.
Botão Voltar ao topo