O JogaMiga, iniciativa para aproximar meninas e mulheres da prática do futebol, se uniu à , uma consultoria focada em negócios do esporte e entretenimento, de forma a fortalecer o futebol feminino. A ideia é trabalhar em ações afirmativas, que unam o coletivo e marcas, para melhorar desde infraestrutura para prática do esporte até resgatar a história das pioneiras e levar informação sobre o futebol feminino. O leque é amplo e a ideia é criar ações tanto para os profissionais quanto para a prática amadora, de pessoas que querem apenas se divertir com o esporte.

“Temos uma baixa participação na prática esportiva, escassez no desenvolvimento de atletas e em programas de treinamento exclusivos para mulheres, falta de um plano de crescimento sustentável a médio e longo prazo, pouca visibilidade, nem mesmo administrativamente. Hoje, 85% dos homens compõem a direção de equipes femininas. Em outras palavras, inexiste uma cultura esportiva voltada para nós”, afirma Carol Chrispim, consultora da OutField que lidera o projeto com o JogaMiga.

“Por meio de parcerias estratégicas, iremos desenvolver soluções reais e eficazes para criar uma cultura em torno da modalidade, para contar histórias escondidas dessas heroínas, inspirar meninas e mulheres, estimular o entusiasmo, aumentar o engajamento e atrair a atenção da mídia”, continua Carol Chrispim.

A proposta é levar marcas para participar das ações pelo futebol feminino, mais do que apenas expor a marca como um patrocínio. O projeto tem seis pilares, segundo informado em comunicado pelas duas instituições: compreensão do mercado, valorização das atletas, incentivas a participação delas na gestão e profissionalizar mais a administração, iniciar programas de formação e buscar a fidelização do público e a consequente monetização.

“Com o JogaMiga, vamos dar mais peso à iniciativa, criar e explorar oportunidades comerciais, além de focar na co-criação de conteúdos sobre o futebol feminino no país e no mundo. A visão que temos é que esse projeto nos ajudará a trazer esse impacto positivo, fazendo a modalidade crescer, ajudando mais mulheres a jogar e vencendo todos os problemas e preconceitos que sabemos que existem hoje”, diz ainda a consultora.

“O JogaMiga em si é uma iniciativa que também não conta com verba, nem financiamento e ainda assim conseguimos viabilizar inúmeras ações, como o recente patrocínio ao Íbis Feminino, por exemplo. Com a Outfield acreditamos poder ir ainda mais longe”, conta Nayara Perone, fundadora do JogaMiga. “Ter uma agência parceira que também trabalha com esporte e tem expertise na área e está engajada em promover melhorias e fomentar o futebol para mulheres agrega um enorme diferencial. Isso nos faz acreditar na força da comunidade envolvida com o projeto e é o que nos faz seguir lutando pela modalidade”.

Segundo informado à Trivela, o projeto está em estágios iniciais com as marcas, mas a ideia é executar projetos de futebol de base, dentro de clubes que ainda não estão estruturados, além de se unir a coletivos e projetos sociais. Assim, querem difundir a cultura de escolinhas de futebol para meninas, como já existe para os meninos. Além disso, criar ações que resgatem a história do futebol feminino no Brasil e valorizar aquelas que foram as pioneiras da modalidade, que ficou proibido por quase 40 anos, de 1941 a 1979.

Além de projetos que trabalhem na parte amadora e na história do futebol feminino, há também projetos para a parte profissional. A consultoria quer trabalhar na construção de marca e identidade, com redes sociais e patrocínios, de forma que tenham mais visibilidade para inspirar mais meninas a fazerem o mesmo. A Outfield também quer se unir a outros coletivos para expandir também o alcance dos projetos.