Futebol feminino

Flamengo supera o Botafogo na final e levanta a taça da primeira Copinha Feminina da história

Em clássico movimentado no Canindé, Mariana e Pimenta marcaram os gols do título para as Meninas da Gávea

O Flamengo teve uma manhã histórica, neste domingo (17), na final da Copinha Feminina. Na final contra o Botafogo, no Estádio do Canindé, a equipe rubro-negra venceu por 2 a 0 com gols de Mariana e Pimenta, que balançaram as redes na segunda etapa. Essa foi a primeira edição feminina da competição de base que já existe há mais de 50 anos e é organizada pela Federação Paulista de Futebol (FPF).

O primeiro tempo de partida foi muito movimentado, mas nenhuma das equipes conseguiu tirar o zero do placar. As chances foram boas para ambos os lados, mas com superioridade das Meninas da Gávea. Em duas oportunidades de finalização, Pimenta não conseguiu concluir as jogadas com qualidade.

No entanto, o panorama mudou na segunda etapa. Com uma jogadora a mais em campo, o Fla encontrou mais espaços para chegar com qualidade à meta da goleira Mari Zanella, a heroína da classificação do Botafogo na semifinal. Por fim, Mariana abriu o placar aos 30 minutos. Após um cruzamento da Diovana, a bola ficou viva na área e, na sobra, a maestrina rubro-negra tocou para o gol sem marcação.

A partida seguiu muito corrida nos minutos finais, mas com vantagem de posse de bola para o lado flamenguista. O Botafogo até tentou responder em alguns contra-ataques, apostando nas subidas velozes de Tete, mas sem sucesso. Até que, aos 48 minutos, as Meninas da Gávea balançaram as redes novamente com Pimenta, em outro lance de bola parada. Kaylaine cobrou falta quase na marca do escanteio, pelo lado esquerdo, e a atacante tocou de cabeça, com um efeito cinematográfico, bem no cantinho do gol. 2×0 e o título em mãos.

Mariana brilha na Copinha e se emociona com título

Uma das grandes joias da base rubro-negra é Mariana. A autora do primeiro gol do Flamengo na final deste domingo veste a camisa do clube desde 2019, quando entrou na equipe sub-18. Desde então, coleciona gols e, principalmente, a promessa de atuar na categoria principal. Um destino quase certo para a camisa 10.

– Eu tô muito feliz. Esse campeonato premia a gente de uma forma grandiosa, porque a gente estava mostrando isso hoje no aquecimento. Foram 240 sessões de treino no ano. A gente treina mais do qualquer time, eu tenho certeza disso. A gente treina muito, a gente rala muito, muito. Chegar aqui no fim do ano e ser campeão é muito maneiro. Só temos o que agradecer. Batalhamos muito, merecíamos muito isso. Isso aqui é Flamengo, no seu devido lugar, no topo. Obrigada, mãe. E, nação, faz o “M” – desabafou com muitas lágrimas a camisa 10 do Rubro-Negro.

– Estou aqui desde o início, então acompanhei a chegada de todas essas meninas, acompanhei todo o investimento que o Flamengo está fazendo na base. É uma honra fazer parte desse clube. A gente conversou muito sobre ser o último ano de algumas (atletas) no sub-20, na base, e sobre a gente ter a oportunidade de jogar um campeonato tão grande como a Copinha. Então, quero agradecer à Federação Paulista, a Prefeitura, pelo evento, pela competição e por abrir esse espaço para a gente. É uma honra poder participar de uma competição tão grande, de alto nível – completou.

Foto de Livia Camillo

Livia Camillo

Formada em jornalismo pelo Centro Universitário FIAM-FAAM, escreve sobre futebol há cinco anos e também fala sobre games e cultura pop por aí. Antes, passou por Terra, UOL, Riot Games Brasil e por agências de assessoria de imprensa e criação de conteúdo online.
Botão Voltar ao topo