Copa do Mundo Feminina

Hinata Miyazawa arrebentou a Espanha e simboliza os acertos do Japão

Hinata Miyazawa foi o grande destaque nos 4 a 0 do Japão sobre a Espanha, adversária que a meia havia derrotado na final do Mundial Sub-20 de 2018

O Japão encheu os olhos na fase de grupos da Copa do Mundo Feminina. As Nadeshiko conquistaram nove pontos e avançaram de maneira categórica para as oitavas de final. As vitórias sobre Zâmbia e Costa Rica eram naturais, e contaram com apresentações imponentes das nipônicas mesmo quando rodaram a equipe titular. Entretanto, nenhuma prova de força é maior que os 4 a 0 sobre a Espanha nesta segunda-feira. No confronto direto pela primeira colocação, o Japão deu a posse de bola para as adversárias, mas foi avassalador no ataque. Destaque da goleada, a ponta Hinata Miyazawa simboliza a voracidade.

A Espanha teve 77% de posse de bola, mas apenas dez finalizações. Parou na bem montada defesa do Japão, ao passo que o ataque nipônico funcionou com enorme eficiência. Os quatro gols vieram de sete arremates das Nadeshiko, incluindo três tentos nas três finalizações dadas no primeiro tempo. Miyazawa teve um papel brilhante dentro desse funcionamento, com dois gols e uma assistência. É uma jogadora jovem, de 23 anos, que ajudou a impulsionar o ótimo futebol apresentado pelas japonesas na fase de grupos e também mostra um processo de renovação bem feito pela federação local.

Destaque nas seleções de base

Hinata Miyazawa é nascida em Kanagawa, prefeitura do Japão que se destaca pela formação de talentos no futebol durante os últimos anos. Mesmo protagonistas da equipe masculina despontaram na região, como Kaoru Mitoma, Takefusa Kubo, Junya Ito e Wataru Endo. Criada apenas pela mãe, Miyazawa se desenvolveu no futebol escolar do Japão, até ser levada pelo Tokyo Verdy Beleza em 2018. Paralelamente, a meia fazia seu nome também pelas seleções de base.

A primeira grande competição de Hinata Miyazawa aconteceu em 2016, quando ganhou a chance de disputar o Mundial Sub-17 com o Japão. As Nadeshiko fizeram ótimo papel e alcançaram a decisão, derrotadas nos pênaltis pela Coreia do Norte. Miyazawa disputou as seis partidas da campanha e teve destaque pelo gol contra os Estados Unidos, que tirou as americanas na fase de grupos. Já em 2018, Miyazawa integrou o Japão no Mundial Sub-20. As nipônicas foram campeãs, com vitória por 3 a 1 sobre a Espanha na decisão. A meia mais uma vez teve papel fundamental, inclusive com o primeiro gol sobre as espanholas na final.

A estreia de Miyazawa pela seleção principal do Japão aconteceu em 2018. A jovem de 20 anos não disputou a Copa do Mundo de 2019 e levou um pouco mais de tempo para se firmar entre as titulares da Nadeshiko. Entretanto, o sucesso recente passa pelos seus pés. Desde 2022, a jovem se tornou titular na equipe nacional, também pelo reflexo do que vivia nos clubes.

Hinata Miyazawa teve boa passagem pelo Tokyo Verdy Beleza em seus primeiros anos de carreira. A meia fez parte da equipe que conquistou a primeira edição da Champions Asiática em 2019. Foram três temporadas com a equipe, incluindo 13 gols em 52 partidas pela liga nacional. A jovem permaneceu no elenco até 2020, quando ocorreu uma transformação importante no futebol local.

A partir de 2021, o Campeonato Japonês Feminino se profissionalizou. A criação da chamada Liga de Empoderamento Feminino passou a oferecer contratos plenos às atletas, enquanto a antiga Liga Nadeshiko era semiprofissional. Numa etapa importante de desenvolvimento da modalidade, Miyazawa se confirmou entre os destaques da competição nacional. Desde 2021/22 com a camisa do MyNavi Sendai, a jovem foi votada entre as melhores do torneio nas duas últimas temporadas.

Sem medo da primeira Copa

Miyazawa desembarcou na Copa do Mundo como uma jogadora importante do Japão, mas ainda assim precisando se provar. Tal afirmação se notou logo na abertura da competição, com dois gols na vitória por 5 a 0 sobre Zâmbia. A jovem acabou poupada na segunda rodada e entrou apenas depois do intervalo nos 2 a 0 sobre a Costa Rica. Mesmo sem contribuir diretamente aos gols, deu novo gás às Nadeshiko. Isso até que a partida contra a Espanha marcasse seu ápice no Mundial, como principal responsável pela goleada.

Miyazawa combinou versatilidade e ímpeto na partida. Meia adaptada como ponta, a jovem possui um senso de oportunismo imenso, unido com sua velocidade. Estava atenta para anotar o primeiro gol, num lançamento muito bem feito por Jun Endo. No segundo gol, Miyazawa arrancou e serviu a batida prensada de Riko Ueki. Já no terceiro, Miyazawa disparou e chutou no alto das redes. Estava imparável. Não precisou ser a atuação mais participativa da camisa 7, mas foi letal. E ela seria essencial também pelo combate sem a bola, com seis ações defensivas ao longo da partida. Reconhecimento merecido, até ganhou um descanso no intervalo, substituída por Aoba Fujino.

O resultado do Japão se valeu de outras ótimas atuações. Saki Kumagai é uma lenda no coração da defesa e liderou as companheiras na solidez sem a bola, com uma marcação que mal deixou a Espanha produzir. Jun Endo voa baixo na ala esquerda e se prova como a melhor da posição no Mundial até o momento. Riko Ueki também potencializou a eficiência do ataque japonês diante das espanholas. De qualquer maneira, foi a partir de Miyazawa que o resultado se tornou concreto.

Expectativas se elevam sobre o Japão

O Japão conta com uma base titular bastante jovem nesta Copa do Mundo. Das 11 titulares contra a Espanha, sete não passavam dos 25 anos. É um reflexo do trabalho realizado nas categorias de base, que colhe os frutos dos times finalistas nos Mundiais Sub-17 e Sub-20. A federação local aproveitou a onda gerada pelo título da Copa do Mundo em 2011 e investiu na formação de garotas. Não ficou dependente da geração campeã, à medida em que heroínas como Homare Sawa se aposentavam. Além do mais, a força da liga nacional também oferece condições melhores às mulheres. Que o time possua destaques em atividade na Europa, muitas das titulares vêm do próprio Campeonato Japonês.

Os méritos também precisam ser compartilhados com o técnico Futoshi Ikeda. Era ele o treinador da seleção sub-20 na conquista do Mundial de 2018. Promovido ao cargo principal em 2021, aproveita os talentos que conhece há tempos. O técnico foi capaz de armar uma equipe funcional, mas com variações táticas dentro de seu 3-4-3. Contra Zâmbia e Costa Rica, as Nadeshiko foram uma equipe naturalmente agressiva. Diante da Espanha, ficaram mais contidas na defesa e souberam muito bem como armar seu ataque em velocidade. É um time que chegou sem tanta badalação à Copa Feminina, mas que inspira cuidados. Hinata Miyazawa é uma ótima prova desse potencial.

Foto de Leandro Stein

Leandro Stein

É completamente viciado em futebol, e não só no que acontece no limite das quatro linhas. Sua paixão é justamente sobre como um mero jogo tem tanta capacidade de transformar a sociedade. Formado pela USP, também foi editor do Olheiros e redator da revista Invicto, além de colaborar com diversas revistas. Escreveu na Trivela de abril de 2010 a novembro de 2023.
Botão Voltar ao topo