Copa do Mundo Feminina
Tendência

Seleção brasileira tem atuação dominante e estreia com goleada na Copa

Com três gols de Ary Borges, Brasil estreia muito bem na Copa com goleada sobre o Panamá e vai com moral para o próximo jogo, contra a França

A seleção brasileira feminina estreou na Copa do Mundo Feminina com uma grande vitória. Nesta segunda-feira (24), o time comandado por Pia Sundhage venceu o nervosismo da estreia e fez 4 a 0 no Panamá, no Coopers Stadium, em Adelaide, e começou muito bem no torneio. Com três gols de Ary Borges e um de Bia Zaneratto, o Brasil dominou o jogo por completo, sem dar chances para o Panamá, e deu ótimos sinais. A fragilidade da seleção caribenha, claro, é um fator, mas a forma como o Brasil se impôs foi um ótimo sinal, especialmente depois dos jogos contra Inglaterra e Alemanha, em abril, quando o time também já tinha ido muito bem.

Surpresa na escalação e emoção nos hinos

Quando surgiu a escalação, a técnica Pia Sundhage trouxe novidades. A principal foi a presença da zagueira Lauren como titular do time. Quem vinha jogando habitualmente era Kethellen. No ataque, a escolhida para jogar ao lado de Debinha foi Bia Zaneratto. Havia dúvida se Geyse, titular em amistosos em abril, seria titular nesta estreia e a escolhida foi Bia.

Já nos hinos, momentos de emoção. O hino brasileiro teve só a primeira parte, mas como se tornou tradicional, a torcida e as jogadoras cantaram a segunda parte. No momento do hino do Panamá, a emoção foi das jogadoras: algumas estavam chorando por ser a primeira Copa do Mundo do país.

Pressão desde o começo e gol que tira pressão

Ary Borges é abraçada por companheiras (Thais Magalhães/CBF)

Logo no primeiro minuto, uma boa jogada de Debinha e Bia Zaneratto, a bola sobrou para Adriana finalizar e ganhar o primeiro escanteio do jogo. Mostrou um Brasil mais perigoso. Foi a tônica desde os primeiros minutos. Antonia e Bia Zaneratto tiveram chances em boas finalizações que erraram o alvo, mas assustaram as adversárias.

A Seleção dominava a posse de bola e tentava pelos dos lados. Foi em uma jogada pela ponta que saiu o primeiro gol, aos 18 minutos. Debinha recebeu pela esquerda de Tamires na ponta esquerda, puxou para o pé direito e cruzou para a segunda trave. Ary Borges, livre, tocou de cabeça para marcar 1 a 0.

Mesmo vencendo, o Brasil seguia melhor e dominando a partida. Luana teve uma boa chance em finalização de fora da área que a goleira precisou mandar para escanteio. Antes do fim do primeiro tempo, porém, o Brasil chegaria ao segundo gol. Novamente pela esquerda, mas desta vez com tabela entre Tamires e Adriana, que devolveu para Tamires cruzar para a área e Ary Borges aparecer na segunda trave e cabecear bem, a goleira defendeu e ela pegou o rebote para marcar 2 a 0, aos 38 minutos.

Domínio, chances e um show de Ary Borges

Bia Zaneratto comemora o gol pelo Brasil (Thais Magalhães/CBF)

A esquerda mais uma vez foi o lado forte. Tamires acionou Debinha, que tocou para Adriana, recebeu de volta de letra da camisa 11, Debinha cruzou para a área onde achou Ary Borges, na cara do gol, e só ajeitou para trás onde Bia Zaneratto tocou para marcar 3 a 0, logo a dois minutos da etapa final. É a terceira Copa do Mundo da atacante, no seu sexto jogo, e o seu primeiro gol.

Já com o placar tranquilo, Pia Sundhage fez três mudanças logo aos 13 minutos da etapa final. Saíram Antonia, Debinha e Bia Zaneratto e entraram Bruninha, Geyse e Gabi Nunes. Só que quem balançou as redes foi a mesma dos dois primeiros gols: Ary Borges. Aos 25 minutos, em cruzamento de Geysi, Ary Borges apareceu livre de novo para marcar 4 a 0.

Pia aproveitou o placar absolutamente tranquilo para mexer mais no time. Colocou em campo a craque Marta no lugar de Ary Borges e Duda Sampaio no lugar de Luana. A Seleção seguia criando chances e Gabi Nunes fez uma linda jogada, mas preferiu o passe em vez do chute e acabou não dando em nada.

Craque do jogo: Ary Borges

Ary Borges comemora: três gols na estreia da Seleção na Copa (Thais Magalhães/CBF)

Ary Borges foi a dona do jogo e nem poderia ser diferente. Estrear em uma Copa do Mundo com três gols, e três gols em jogadas aéreas, ao menos no início, que nem é a sua especialidade, mostra o quanto ela conseguiu se destacar. Ela foi muito bem em campo, aparecendo muito bem na segunda trave, já que o Brasil criou muitas jogadas pelo lado esquerdo.

Além de ter sido o grande destaque pelos gols, ela ainda deu a assistência para o gol de Bia Zaneratto. Foi uma atuação inesquecível para uma jogadora que fazia seu primeiro jogo em Copas e é alguém que simboliza muito o que a técnica Pia Sundhage quer. Ela é uma meia que sempre se acostumou a atuar com muita liberdade do meio para frente, mas no time de Pia ela precisa tanto fechar pelos lados quanto chegar ao ataque, com liberdade para aparecer pelo meio quando o time tem a posse da bola. Fez isso tão bem que pareceu atacante.

Brasil inicia bem e lidera o grupo

Com o empate entre França e Jamaica por 0 a 0, um resultado inesperado, o Brasil lidera a chave com a vitória sobre o Panamá. A próxima rodada terá o duelo com a França, que era a favorita no grupo antes do torneio começar. A situação é que se o Brasil vencer a França, não só se classifica como ainda complica demais a vida das francesas, que vão correr risco no último jogo. Por outro lado, uma vitória francesa pode colocar Brasil e Jamaica em um duelo direto pela vaga. O Brasil volta a campo no sábado, dia 29, às 7h (horário de Brasília) para enfrentar a França no Suncorp Stadium, em Brisbane.

Grupo F
# Seleção J V E D +/- Pontos
1 França (F)

França (F)

3 2 1 0 4 7
2 Jamaica (F)

Jamaica (F)

3 1 2 0 1 5
3 Brasil (F)

Brasil (F)

3 1 1 1 3 4
4 Panamá (F)

Panamá (F)

3 0 0 3 -8 0

Panamá não teve forças para disputar com o Brasil

Era de se esperar que o Panamá não fosse um grande obstáculo para o Brasil nesta estreia da Copa do Mundo. A seleção caribenha é estreante em Copas e se classificou com muito sofrimento para esta edição do torneio. É um time ainda bastante inexperiente diante de uma Seleção que, mesmo não sendo uma das maiores potências, é uma das mais tradicionais seleções do mundo. O Panamá voltará a campo no próximo sábado, 29, às 9h30 (horário de Brasília) no HBF Park, em Perth, Austrália.

Estatísticas do jogo

  • Posse de bola: Brasil 73% x 27% Panamá
  • Finalizações: Brasil 32 x 6 Panamá
  • Passes: Brasil 571 x 211 Panamá
  • Grandes chances: Brasil 7 x 0 Panamá
  • Faltas: Brasil 7 x 0 10 Panamá

Brasil (F)

Brasil (F)
4-4-2
12
Leticia Izidoro
br
2
Antonia
br
14
Lauren
br
4
Rafaelle
br
6
Tamires
br
17
Ary Borges
br
21
Kerolin Nicoli
br
5
Luana
br
11
Adriana
br
16
Bia Zaneratto
br
9
Debinha
br
17
Ariadina Borges
br
Substitutos
3
Kathellen
br
15
Duda Sampaio
br
13
Bruninha
br
18
Geyse
br
23
Gabi Nunes
br
8
Ana Vitoria
br
20
Angelina
br
1
Barbara
br
7
Andressa
br
19
Monica
br
10
Marta
br
22
Camila Rodrigues
br

Panamá (F)

Panamá (F)
5-4-1
12
Yenith Bailey
pa
4
Katherine Castillo
pa
5
Yomira Pinzon
pa
15
Rosario Vargas
pa
23
Carina Baltrip
pa
2
Hilary Jaen
pa
11
Natalia Mills
pa
20
Aldrith Quintero
pa
8
Schiandra Gonzalez
pa
10
Marta Cox
pa
9
Karla Riley
pa
Substitutos
14
Carmen Montenegro
pa
13
Riley Tanner
pa
7
Emily Cedeno
pa
1
Sasha Fabregas
pa
21
Whitney De Obaldia
pa
16
Rebeca Espinosa
pa
19
Lineth Cedeno
pa
18
Erika Hernandez
pa
3
Wendy Natis
pa
17
Laurie Batista
pa
6
Deysire Salazar
pa
22
Farissa Cordoba
pa
Foto de Felipe Lobo

Felipe Lobo

Formado em Comunicação e Multimeios na PUC-SP e Jornalismo pela USP, encontrou no jornalismo a melhor forma de unir duas paixões: futebol e escrever. Acha que é um grande técnico no Football Manager e se apaixonou por futebol italiano (Forza Inter!). Saiu da posição de leitor para trabalhar na Trivela em 2009, onde ficou até 2023.
Botão Voltar ao topo