Champions League Feminina

Público recorde, mensagem pró-Palestina e gol de melhor do Mundo: Barcelona é tri da Champions Feminina

Aitana Bonmatí e Alexia Putellas fizeram os gols do Barcelona, tricampeão da Champions League Feminina

O Barcelona é tricampeão da Champions League Feminina. Jogando no Estádio San Mamés, em Bilbao, o time espanhol mostrou mais controle de jogo e teve qualidade para se defender no fim e assegurar o título, conquistado com uma vitória por 2 a 0 contra o Lyon, neste sábado (25). Aitana Bonmatí e Alexia Putellas anotaram os gols das campeãs.

O terceiro título do Barcelona na história da competição é o segundo consecutivo. Campeão também em 2021 e 2023, o time blaugrana agora é o que terceiro que mais conquistou a Champions League Feminina. Lyon, com oito, e o Eintracht Frankfurt, com 4 conquistas, estão à frente.

Os gols da equipe foram anotados por duas das maiores jogadoras da história do time catalão. Eleita a melhor jogadora do mundo pela FIFA em 2023, Aitana Bonmatí recebeu lançamento de Mariona e entrou na área pelo lado esquerdo. Próxima do gol, ela encheu o pé e abriu o placar, aos 18 minutos da segunda etapa.

Com maior controle de bola desde o início do jogo, o time espanhol soube segurar a pressão, e ainda garantiu de vez a terceira conquista da Champions League aos 50 minutos da segunda etapa. Em outra tabela pelo lado esquerdo e aproveitando os espaços dados pelo desesperado Lyon, Claudia Pina tocou para trás e Alexia Putellas, melhor do mundo em 2021 e 2022, encheu o pé para dar números finais à partida.

Recorde de público em Bilbao

Se dentro de campo o resultado foi de muita festa, fora também há motivos para ambos os clubes e a própria UEFA comemorarem. San Mamés recebeu o maior público de uma final da Champions League em todos os tempos. Ao todo, 50.827 pessoas estavam presentes no estádio, localizado no norte da Espanha.

Mensagem importante de paz

Mais do que celebrar os números, a grande decisão entre as melhores equipes femininas do futebol europeu também foi importante para a UEFA se posicionar sociopoliticamente. Com as atletas enfileiradas em campo, antes do início do jogo, uma faixa foi colocada no meio de campo, pedindo para que o genocídio de pessoas na região da Palestina cessasse.

Foto de Vanderson Pimentel

Vanderson Pimentel

Jornalista formado em 2013, e apaixonado por futebol desde a infância. Em redações, também passou por Estadão e UOL.
Botão Voltar ao topo