Champions League Feminina

Barcelona mostrou por que é campeão europeu com uma virada contra o Real Madrid na Champions Feminina

Em um duelo marcante na Champions Feminina, o Barça saiu em vantagem ao conseguir uma virada na casa da rival e seguir como plena favorita no futebol europeu

O Barcelona era o grande favorito para o duelo com o Real Madrid mesmo fora de casa no jogo de ida das quartas de final da Champions Feminina, mas o clássico foi muito mais difícil do que se imaginava. Em um autêntico clássico, com tensão em campo, equilíbrio e uma grande virada. Alexia Putellas, melhor jogadora do mundo, foi novamente, decisiva com dois gols na vitória por 3 a 1.

Este foi apenas o sexto El Clasico no futebol feminino, já que o Real Madrid só criou o seu time feminino na última temporada. Em todos os outros cinco jogos, o Barcelona venceu, sendo três deles por goleadas. O último confronto foi no último dia 13 de março e acabou de forma dolorosa para as merengues: vitória por 5 a 0 das blaugranas, com direito à conquista antecipada do título espanhol feminino.

Até por isso, o Real Madrid foi a campo querendo mudar a história. Mesmo diante do favoritismo do Barcelona, fez um jogo bastante equilibrado e conseguiu sair na frente ainda no primeiro tempo.

Em uma bola perdida no meio-campo, a camisa 10 Esther Gonzalez carregou a bola e abriu na esquerda para Olga García, que recebeu e chutou cruzado para marcar 1 a 0 para as merengues. Um gol que deu esperança ao time, que, assim como no masculino, jogou com o seu novo uniforme preto. As visitantes, assim como a equipe masculina, jogaram de amarelo.

O placar do primeiro tempo foi mesmo com a vitória parcial do Real Madrid, mas seria preciso aguentar todo o segundo tempo e essa era uma missão complicada. O técnico do Barça, Jonatan Giráldez, colocou em campo a atacante Claudia Pina na volta para o segundo tempo, substituindo a lateral Leila Ouahabi.

Com um time mais ofensivo em campo, não demorou para o time conseguir criar chances. Aos cinco minutos do segundo tempo, um lance polêmico justamente com a autora do gol do Madrid. Olga dividiu com Carolina Hansen. Inicialmente, a árbitra não marcou, mas o VAR a chamou para revisar o lance.

Na repetição, ficou mais claro que a jogadora do Real Madrid faz a alavanca na adversária. Com a responsabilidade da cobrança, a melhor jogadora do mundo, Alexis Putellas cobrou com firmeza com seu precioso pé esquerdo e marcou: 1 a 1. Empate no Estádio Alfredo Di Stéfano.

O jogo era tenso para os dois lados de El Clasico e quase um erro gerou mais um gol das mandantes. O Barcelona saiu jogando errado e Esther Gonzalez teve uma boa chance, de frente para o gol. Chutou de fora da área, mas errou o alvo e mandou por cima.

Surgiu uma chance claríssima para as catalães logo depois. Fridolina Rolfö recebeu uma linda enfiada de bola de Alexia Putellas e, na linha de fundo, cruzou para trás, rasteiro, uma bola perfeita para a finalização de Claudia Pina, mas a meio-campista chutou mal, por cima do gol. Uma oportunidade de ouro desperdiçada pelas visitantes.

Um pouco melhor na partida, o Barcelona buscava a virada, mas o tempo passava e as coisas não aconteciam. Eis que aos 35 minutos de jogo, Claudia Pina abriu na direita para Carolina Hansen, que carregou na ponta, tentou a jogada e tocou para o meio para Aitana Bonmatí. Ela foi travada pela defesa e a bola sobrou para Claudia Pina, dentro da área, e ela chutou cruzado para marcar: 2 a 1 para a equipe catalã.

Com a virada consolidada, o Barcelona jogou os minutos finais com mais tranquilidade e ainda conseguiu aproveitar para ampliar. Eram 48 minutos quando Patricia Guijarro recebeu em contra-ataque, avançou e tocou para Alexia Putellas, livre, esperar a saída da goleira para tocar com categoria com uma cavadinha para marcar: 3 a 1. Golaço da atacante, que mesmo longe do seu melhor jogo, foi absolutamente decisiva quando acionada.

O jogo de volta será no dia 30 de março, no Camp Nou, que terá casa cheia para a partida. Provavelmente veremos uma partida com algo em torno de 90 mil pessoas para ver a equipe que é, hoje, aquela a ser batida no futebol feminino europeu.

Veja os gols:

Mostrar mais

Felipe Lobo

Formado em Comunicação e Multimeios na PUC-SP e Jornalismo pela USP, encontrou no jornalismo a melhor forma de unir duas paixões: futebol e escrever. Acha que é um grande técnico no Football Manager e se apaixonou por futebol italiano (Forza Inter!) desde as transmissões da Band. Saiu da posição de leitor para trabalhar na Trivela em 2009.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo