Futebol feminino

Priscila estreia com gol nos acréscimos, e Brasil vence o Japão em jogão na Neo Química Arena

Japão busca empate após estar perdendo por 3 a 1, mas Priscila brilha em estreia e dá vitória ao Brasil; seleções voltam a se enfrentar no domingo (3)

Em um confronto historicamente marcado pelo equilíbrio, o Brasil teve a vantagem de dois gols, tomou o empate no segundo tempo, mas contou com a estreante Priscila para vencer o Japão por 4 a 3. Bia Zaneratto marcou duas vezes e Gabi Portilho completou o placar brasileiro na Neo Química Arena, nesta quinta-feira (30). Do outro lado, Fujino, Endo e Tanikawa foram as marcadoras.

Antes de encerrar a Data Fifa, a Seleção encara o Japão novamente no dia 3 de dezembro, no Morumbi, às 11h. No dia 6, pega a Nicarágua, na Arena Fonte Luminosa, em Araraquara, às 18h.

Primeiro tempo de iguais

A equipe japonesa partiu para cima, mesmo jogando fora de casa, se distribuindo no gramado com muita facilidade. Com a troca rápida de passes, chegou pelo menos quatro vezes ao gol de Lelê, mas não encaixou tão bem as finalizações. Miyazawa e Ueki até que tiveram boas oportunidades, mas não conseguiram concluir no alvo. Enquanto isso, a Seleção Brasileira também atacava, subia rápido para buscar o gol, mas sofria com alguns erros, principalmente na hora de inverter as jogadas.

Foi aí que o Japão encontrou seu melhor momento, e Fujino colocou a bola para dentro. Após uma jogada bem trabalhada de Miyazawa, que buscou Hasegawa na área, a meio-campista tocou para Fujino na entrada área, e a atacante finalizou com um chute alto. A bola bateu no travessão e pingou para dentro do gol.

A resposta brasileira foi quase imediata. Bia Zaneratto cobrou falta perto da entrada da área, em chute muito bem colocado por cima da barreira, e a bola morreu no canto direito. Hirao quase nem teve tempo de se movimentar debaixo da trave. Golaço!

Bia Zaneratto joga fácil, e Brasil amplia

Na segunda etapa, as japonesas tentaram diminuir o placar. Elas entraram ainda mais fortes na marcação, forçando o erro das brasileiras, e apresentando uma linha bem alta na saída de bola do Brasil. Porém, o bom momento das visitantes durou pouco.

Isso porque a virada aconteceu logo aos 15 minutos. Gabi Portilho aproveitou uma bobeira da defesa, que errou o tempo de bola, roubou no meio de campo e carregou a marcação sozinha. Ela finalizou primeiro em cima da goleira, mas não desperdiçou o rebote.

Dois minutos depois, mais uma vez Bia Zaneratto ampliou. Em mais um erro da defesa japonesa, a camisa 16 carregou a bola para perto da área, deixou Kumagai na saudade, e deu um toquinho por cima para encobrir a goleira.

Resiliência japonesa

A partida parecia se encaminhar para uma vitória maiúscula da Seleção. As japonesas sentiram o baque, mas logo se reestruturaram. Primeiro, Endo diminuiu de pênalti, após sofrer falta de Angelina dentro da área. E, dois minutos depois, foi a vez de Tanikawa deixar tudo igual de novo. A centroavante japonesa recebeu um cruzamento perfeito de Shimizu e finalizou com muita categoria.

Sorte de estreante

Antes do apito final, ainda deu tempo da estreante Priscila marcar sua primeira participação com um golaço.  A jovem, de 19 anos, entrou no lugar de Gabi Nunes, no intervalo, mas ficou um pouco tímida durante quase todo o segundo tempo. Foi só nos acréscimos, já aos 51 minutos, que ela dominou uma bola dentro da área, clareou o lance, e bateu de perna esquerda para encobrir a goleira. Dona do gol da vitória.

– É um sonho, sonho que realizei hoje. Só agradecer a Deus por esse momento, minha família, pessoal que está assistindo. Gratidão a Deus. Muito feliz por esse momento. Estou muito emocionada – disse a jogadora ao Premiere após o fim da partida.

Foto de Livia Camillo

Livia Camillo

Formada em jornalismo pelo Centro Universitário FIAM-FAAM, escreve sobre futebol há cinco anos e também fala sobre games e cultura pop por aí. Antes, passou por Terra, UOL, Riot Games Brasil e por agências de assessoria de imprensa e criação de conteúdo online.
Botão Voltar ao topo