Futebol feminino

Alex Morgan deixa o Tottenham após apenas cinco jogos para voltar aos Estados Unidos

Alex Morgan foi contratada pelo Tottenham no meio do ano com uma proposta clara. Como a temporada da National Women’s Soccer League previa apenas um mini-torneio ao segundo semestre, topou um empréstimo com os Spurs, para manter a forma física e se manter na briga por vaga na seleção norte-americana que disputará a Olimpíada do ano que vem, após ter dado à luz em maio. E foi só isso que ela fez mesmo.

O curioso é que um dos motivos para Morgan ter se mudado pra Londres é que a Fall Series armada pela NWSL previa apenas quatro partidas para o segundo semestre, mas a bicampeã mundial acabou jogando pouco mais do que isso pelo Tottenham. Estreou no começo de novembro, completou 90 minutos apenas uma vez e a partida contra o Aston Villa, em 13 de dezembro, foi a última das cinco nessa passagem pela Inglaterra.

Haveria outra, mas o jogo contra o Chelsea foi adiado devido a um surto de casos de Covid-19 no elenco dos Blues. Morgan, jogadora do Orlando Pride, retorna aos Estados Unidos após ter marcado dois gols. O acordo sempre foi tido como temporário, mas havia uma dúvida se Morgan o estenderia para terminar a temporada da Superliga Feminina, até maio. Não a terminou, mas pelo menos curtiu a breve experiência no futebol inglês.

“Serei eternamente grata pelo clube, minhas companheiras e os torcedores do Tottenham por terem cuidado tão bem de mim e da minha família”, afirmou a jogadora que morou em Londres a maior do tempo com a filha Charlie e a sogra. “Desde o momento em que cheguei, percebi que estava fazendo parte de uma organização de primeiro nível, que me deu a oportunidade de imergir novamente no jogo que eu amo. Obrigado a todos que fizeram com que este capítulo da minha jornada no futebol fosse tão especial”.

A diretora de futebol feminino do Tottenham destacou o aprendizado das outras jogadoras no dia a dia com uma das referências da categoria. “Ficamos felizes, no começo da temporada, quando Alex escolheu nosso clube para recuperar a forma física e dar os primeiros passos de volta ao futebol competitivo, após ter dado à luz no começo do ano. Foi um prazer ter Alex conosco durante esse período e o time inteiro tirou muita coisa dos trabalhos que fez todos os dias com alguém na primeira prateleira do futebol feminino”, disse.

Com 10 das 22 rodadas da Superliga Feminina disputadas, o Tottenham é o oitavo colocado, entre 12 participantes, com apenas nove pontos, em duas vitórias e três empates. Tem um jogo a menos, mas o líder é o Manchester United, com 26 pontos, seguido pelo Arsenal, com 22.

.

Mostrar mais

Bruno Bonsanti

Como todo aluno da Cásper Líbero que se preze, passou por Rádio Gazeta, Gazeta Esportiva e Portal Terra antes de aterrissar no site que sempre gostou de ler (acredite, ele está falando da Trivela). Acredita que o futebol tem uma capacidade única de causar alegria e tristeza nas mesmas proporções, o que sempre sentiu na pele com os times para os quais torce.

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo