França

PSG x Mbappé: clube exclui jogador de treinamento para forçar sua saída

Com contrato só até 2024, Mbappé não quer sair e o PSG quer vender o jogador para não o perder de graça na próxima temporada

A batalha interna que opõe o Paris Saint-Germain contra a sua principal estrela, Kylian Mbappé, continua. O clube decidiu que o atacante não treinaria com o elenco principal nesta segunda-feira, no retorno da equipe da pré-temporada disputada na Coreia do Sul e Japão. É mais um capítulo da disputa entre o clube e o jogador em relação ao seu contrato, que acaba em junho de 2024.

O PSG retornou a Paris após a pré-temporada e o elenco se reapresentou nesta segunda. Só que Mbappé foi colocado para treinar separado do elenco principal, com um grupo de jogadores que não são parte dos planos do clube para a temporada.

Uma novela que começa em 2021

É uma saga que começa em 2021, quando o Real Madrid fez tudo para contratar Mbappé ainda em julho, antes do início da temporada 2021/22. A situação era exatamente a mesma de agora: o atacante francês entraria no seu último ano de contrato. Mbappé estava disposto a sair. O Real Madrid se apresentou e fez proposta de mais de €200 milhões pelo jogador. Não foi aceito.

Na época, o PSG adotou uma postura similar à que teve com Neymar, anos antes. O jogador era especulado para voltar ao Barcelona e chegou a declarar publicamente que queria sair. Era 2019 e o clube foi firme na postura, não aceitou qualquer proposta e obrigou o jogador a cumprir o contrato assinado. Mesmo insatisfeito, o brasileiro ficou. Naquela temporada, ele jogou bem, o PSG foi até a final da Champions League e a situação melhorou. Em 2021, ele renovou contrato até 2025, com possibilidade de extensão até 2026.

No caso de Mbappé, porém, o PSG não conseguiu renovar com antecedência. E não quis vender também em 2021, correndo o risco de ver o jogador sair em junho de 2022, de graça. Parecia que era exatamente o que aconteceria. O PSG apostou que conseguiria renovar com o jogador em algum momento.

Em maio, a um mês do fim do vínculo, foi feito um grande anúncio para a renovação do seu contrato, em condições muito favoráveis ao jogador, com o salário mais alto do elenco e muita influência no clube.

O anúncio dizia que o contrato ia até 2025, mas com o detalhe que o vínculo só iria até 2024 e a extensão até 2025 seria uma opção única e exclusiva de Mbappé. Foi justamente essa opção (e o fato de não ter exercido) que fez a disputa entre clube e jogador se acirrar.

Por que o PSG quer negociar Mbappé?

Mbappé, de 24 anos, foi colocado à venda pelo PSG depois de se recusar a renovar o seu contrato com o clube. Se o PSG não o vender nesta janela, a partir de janeiro ele poderá assinar um pré-contrato com qualquer clube e poderá deixar o clube em junho de 2024 sem custos.

A disputa começou já nas férias, quando o jogador oficializou o que ele disse que o clube já sabia: que ele não exerceria a opção de renovação do vínculo que tem com o clube, que acaba em 2024 e poderia ir até 2025 se ele assim quisesse. Ele não quis e o clube considera que não pode perder o jogador de graça. Então, o colocou a venda.

A preferência do clube era que ele renovasse o contrato e já mostrou que estaria disposto a chegar a basicamente qualquer valor que o atacante quiser. O problema é que Mbappé não quer. E a essa altura, ele pondera jogar mais um ano pelo PSG e sair, tranquilamente e sem custos, em junho de 2024 para onde quiser. Mbappé ganhou um poder enorme com o seu contrato e virou um fruto da política do PSG, comum aos superclubes, que inflacionaram um mercado e criaram um problema para eles mesmos.

Proposta da Arábia Saudita usada para pressionar o jogador

Com a loucura da Arábia Saudita acontecendo nesta temporada, o Al Hilal, um dos clubes do país turbinado com o dinheiro do governo (que estatizou os quatro principais clubes do país), fez uma proposta completamente indecente por Mbappé. Soou quase como uma provocação entre potências do petróleo que parecem ter dinheiro infinito.

A proposta era monumental para o PSG: €300 milhões pelo jogador. Seria a maior transferência da história. Os rumores sobre o seu salário eram ainda mais insanos. E o mais maluco: seria só por um ano. Assim, o jogador poderia jogar uma temporada pelo clube saudita antes de se transferir para onde quiser — e tudo indica que ele quer o Real Madrid. Mbappé não aceitou.

Disputa de poder entre Mbappé x PSG

Em 2021, o clube usou o poder que tinha para impedir que Mbappé saísse. A sua renovação, em maio de 2022, foi uma surpresa, mas as condições foram totalmente favoráveis a ele. Agora, é o jogador que exerce esse poder. Quer permanecer mais um ano com o clube e sair de graça na temporada seguinte. Desta vez é o clube que não quer isso e por isso quer vendê-lo. Só que no futebol, se o jogador não aceitar uma proposta, ele não é obrigado a sair.

Por isso, o PSG tem tentado exercer pressão sobre o jogador. Primeiro, aceitou a proposta do Al Hilal e tornou isso público. Com isso, queria forçar o jogador a tomar uma posição. Ele tomou, recusando a proposta. A ideia é conseguir dinheiro com Mbappé, porque é importante para o PSG arrecadar com um jogador como Mbappé para amenizar as pressões do Fair Play Financeiro (sempre imensamente leniente, mas sempre também perigoso para os clubes gastadores).

Mbappé está decidido a ficar no clube e exercer o seu direito de cumprir o contrato até o fim. O PSG quer que ele saia agora e gere dinheiro aos cofres do clube. Mais do que isso: desconfia que já há um acordo alinhado entre Mbappé e o Real Madrid e, por isso, o jogador não se preocupa em sair agora.

Ao não relacionar Mbappé para a pré-temporada no Japão e na Coreia do Sul e o obrigar a treinar separado, com o grupo de jogadores que não interessam para a temporada, é mais um movimento para fazer pressão sobre o jogador, com uma ameaça clara que, caso ele se recuse a sair agora, ficará a temporada toda afastada.

Neste momento, parece um blefe do PSG. O time francês não tem como arcar uma temporada inteira sem Mbappé. No primeiro momento de pressão, o seu nome será chamado. Por outro lado, caso o PSG cumpra essa ameaça, Mbappé pode ficar muito prejudicado no ano da Eurocopa, que acontecerá justamente em junho de 2024, na Alemanha. Um ano sem jogar o deixaria sem ritmo de jogo e prejudicaria a sua preparação para o torneio — e da própria seleção francesa.

Resta saber se alguém irá pagar para ver o blefe. Neste momento, a relação entre PSG e Mbappé parece fratura de uma forma difícil de ser consertada.

Foto de Felipe Lobo

Felipe Lobo

Formado em Comunicação e Multimeios na PUC-SP e Jornalismo pela USP, encontrou no jornalismo a melhor forma de unir duas paixões: futebol e escrever. Acha que é um grande técnico no Football Manager e se apaixonou por futebol italiano (Forza Inter!). Saiu da posição de leitor para trabalhar na Trivela em 2009, onde ficou até 2023.
Botão Voltar ao topo