Europa

Violência ganha espaço e preocupa Suíça

Cenas lamentáveis protagonizadas por torcedores de Grasshopper e Zürich dominaram o noticiário esportivo da Suíça neste final de semana. Um confronto entre as duas torcidas interrompeu, aos 33 minutos do segundo tempo, o dérbi n.º 226 entre os dois times da cidade de Zurique.

Tudo aconteceu quando o Grasshopper vencia por 2 a 1 – os gafanhotos, aliás, haviam acabado de fazer o segundo gol, numa cobrança de pênalti de Ferltscher Frank. Ninguém sabe exatamente como tudo começou. De repente, viu-se uma correria nas arquibancadas do estádio Letzigrund (que recebia 15 mil espectadores, a metade de sua capacidade).

Quase todos os relatos dos jornalistas que estavam no local dizem que a torcida do GC (alguns encapuzados) começou a intimidar os rivais, roubando e queimando bandeiras do Zürich. Em resposta, os adeptos do FCZ atiraram tochas de fogo. Houve brigas dentro e fora do Letzigrund, além de uma tentativa de invasão de campo.

Assim que a pancadaria teve início, o árbitro Kever Sascha interrompeu o jogo e mandou os dois times para os vestiários. Minutos depois, ele subiu ao gramado e fez o tradicional gesto informando que a partida estava encerrada. A turma do bem – grande maioria no estádio, que recebia muitas crianças – deixou o local calada, perplexa pelo que havia ocorrido.

Segundo as primeiras informações da polícia de Zurique, seis pessoas ficaram feridas (nenhuma gravemente) e quatro torcedores foram presos.

E o motivo?

Quem está acostumado a ver brigas de torcida no Brasil ou na Argentina (só para dar dois exemplos próximos) não se assusta com o que houve neste domingo no dérbi da maior cidade suíça. Afinal, tirando o fato de haver encapuzados entre os brigões, os fatos relatados acima são coisa pequena perto do que rola por aqui.

Mas, em se tratando de Suíça, é bem grave. O último incidente de grandes proporções na primeira divisão havia sido registrado em 2008, quando torcedores do próprio Zürich promoveram arruaça numa partida contra o Basel.

Porém, mais do que o fato em si, o que intriga nos fatos ocorridos domingo é a sua motivação. Ou, melhor dizendo, a falta dela.

Grasshopper e Zürich, que começaram o campeonato cotados como favoritos à disputa do título, estão em situação bastante delicada. O GC é o penúltimo e o FCZ o antepenúltimo colocado. Por isso, não faria o menor sentido para nenhuma das duas torcidas promover a confusão, sabendo que seu clube poderia ser punido com a perda dos pontos.

Motivações neonazistas (como as que geraram a invasão de campo no dérbi de Viena, no final da temporada passada) ou algo do gênero também não são a hipótese mais provável. Até porque, além de não haver histórico desse tipo de problema no futebol suíço atualmente, nenhuma das torcidas portava faixas ou entoou cantos nesse sentido.

Uma das explicações pode ser a hipótese levantada pelo presidente do Grasshopper, Roland Leutwiler. “O incidente tem a ver com a criminalidade juvenil, que está aumentando nos últimos anos. Uma das válvulas é o futebol. Isso é trágico e eu não sei se existem soluções”, disse.

Leutwiler e Ancillo Canepa, o presidente do Zürich, deram entrevista juntos depois do jogo. Eles destacaram a importância da identificação dos brigões. E pediram mais agilidade da Justiça em punir essas pessoas, a quem Canepa chamou de “uns poucos idiotas”.

Futuro incerto

No âmbito esportivo, a decisão sobre o que ocorrerá com a partida não finalizada será tomada pela Comissão Disciplinar da Super League nos próximos dias.

Mas a preocupação fica mesmo com o âmbito social. Teria sido a confusão uma marca negativa eventual provocada por brigões inconsequentes? Ou seria ela o reflexo de um possível crescimento da criminalidade entre os jovens suíços? Ou ainda, para ir um pouco mais longe, estaria nascendo um embrião de hooliganismo nos estádios suíços?

São perguntas que as autoridades do país precisam começar a se fazer – e a buscar respostas. Sob pena de o futebol no país, que já não é dos mais fortes, ficar ainda menor.

E o Basel, hein?

Quando terminou a primeira rodada da Liga dos Campeões, brinquei no Twitter dizendo que o Basel, líder, deveria imprimir a tabela de classificação e mandar fazer um quadro. Afinal, com a vitória sobre o Oletul Galati e o empate entre Benfica e Manchester United, o time liderava seu grupo.

O que nem eu e nem o mais insensato dos torcedores do FCB imaginava é que o time seguiria na primeira colocação do grupo C após a segunda rodada.

O que o Basel fez em Old Traford foi histórico. Não somente por arrancar um ponto fora de casa do Manchester United, mas pelas circunstâncias em que isso ocorreu: virou o jogo e marcou três gols nos Red Devils.

Mas ainda é cedo para dizer se o que o Basel aprontou foi um mero desvio de rota (daqueles em que tudo dá certo em determinado jogo) ou se o time pode mesmo ser uma das surpresas da competição.

Veja vídeos da confusão no Letzigrund:

 

 

CURTAS

ÁUSTRIA

– E aconteceu… com a vitória sobre o Rapid Viena por 4 a 3 e a derrota do Red Bull Salzburg para o Austria Viena por 3 a 2, o Admira assumiu a liderança isolada da Bundesliga.

– A equipe recém-promovida da segunda divisão tem 21 pontos, contra 20 do Austria Viena, o novo vice-líder. O Kapfenberger segue em último, com apenas sete.

– A 10.ª rodada do campeonato teve ainda Wacker Innsbruck 3 x 1 Kapfenberger, Wiener Neustadt 1 x 2 Mattersburg e Sturm Graz 1 x 0 Ried.

– Na Erste Liga, Altach e St. Andrä seguem dividindo a ponta. Eles se encontraram na última rodada e empataram por 2 a 2.

– O nome da vez para assumir a seleção austríaca é Paul Gludovatz, do Ried. Ele foi o enésimo técnico a se reunir com o presidente da Federação, Leo Windtner.

– A Áustria fecha sua participação nas eliminatórias da Euro jogando sexta-feira contra o Azerbaijão e dia 11 diante do Cazaquistão, ambas como visitante.

– A semana que passou foi boa para os austríacos na Liga Europa. Áustria Viena e Sturm Graz jogaram fora de casa e ganharam de Malmö e AEK, respectivamente, por 2 a 1. O Red Bull Salzburg recebeu o Slovan Bratislava e venceu por 3 a 0.

SUÍÇA

– Mesmo perdendo por 1 a 0 para o Young Boys fora de casa, o Luzern segue líder da Super League após a 11.ª rodada. A equipe tem 24 pontos, três a mais que o próprio YB. O Lausanne está em último, com cinco.

– Além dessa partida e do jogo interrompido pela briga, a rodada teve Basel 3 x 0 Servette, Neuchâtel Xamax 4 x 0 Thun e Sion 1 x 0 Lausanne.

– Na Challenge League, a ponta segue absoluta com o St. Gallen, que atuou fora de casa e goleou o Etoile Caroug por 5 a 1.

– Pela segunda rodada da Liga Europa, o Zürich jogou fora de casa e empatou pór 2 a 2 com o Vaslui, da Romênia.

– Nesta sexta, a Suíça precisa vencer País de Gales fora de casa e torce loucamente para que a Inglaterra, que vai a Montenegro, também saia vitoriosa. Se isso ocorrer, a Nati disputa uma vaga na repescagem das eliminatórias da Euro em confronto direto com Montenegro, dia 11, na Suíça.

Mostrar mais

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo