Europa

Van Persie: “Uefa foi covarde ao apoiar expulsão de Nani”

A eliminação do Manchester United para o Real Madrid nas oitavas da Liga dos Campeões ainda ressoa pelos lados de Old Trafford. A expulsão de Nani no segundo tempo, em falta sobre Arbeloa, parece ter determinado o destino da partida, vencida de virada pelos espanhóis. Logo após o apito final de Cuneyt Çakir, os atletas dos Red Devils partiram para cima do árbitro e reclamaram sobre a decisão.

Na semana seguinte, a Uefa emitiu comunicado que apoiava o turco, dizendo que se nenhum dos auxiliares levantasse outro depoimento conflitante, a decisão permaneceria a mesma. Entretanto, quem estava em campo não esquece do lance, como Robin Van Persie, que fez duras críticas à entidade. “O cartão vermelho foi totalmente sem justificativa. Não era nem para amarelo ou falta. Nani não pôde fazer nada a respeito, mal tocou em Arbeloa. O pior de tudo é que a Uefa apoia o árbitro. Isso é covarde, não consigo entender a razão. Por que simplesmente não são honestos e admitem: ele não viu nada?”

Revoltado, o holandês continuou com a queixa, afirmando que até alguns adversários admitiram não ter acontecido nada de irregular no momento da expulsão. “Também não entendi outra coisa. Antes do jogo, sabíamos que este cidadão, quase desconhecido, apitaria. Ele não esteve em nenhum grande confronto em meses. Até os caras do Real me disseram depois que a entrada não era para cartão vermelho”.

Analisando o confronto em si, Van Persie revela frustração com a derrota, apesar do empenho tático do United. “Por uma hora tivemos a sensação que iríamos marcar o segundo gol e daí ficaria bem difícil para o Real Madrid. Mas aí, o árbitro mostrou aquele cartão vermelho. Eles não foram tão perigosos assim, tenho certeza que teríamos mantido nossa postura. Agora nos resta focar no título da Premier League”, finaliza o atacante.

Mostrar mais

Felipe Portes

Felipe Portes é zagueiro ocasional, cruyffista irremediável e desenhista em Instagram.com/draw.portes

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo