Europa

Sven-Göran Eriksson faz triste anúncio: ‘Só me resta um ano de vida’

Campeão italiano pela Lazio, treinador está afastado do futebol desde fevereiro para cuidar da saúde

O mundo do futebol acordou mais triste e apreensivo nesta quinta-feira (11), com mais uma lenda do esporte bretão em uma condição delicada de saúde. A lenda Sven-Göran Eriksson, multicampeão pela Lazio no fim dos anos 90 e ex-treinador da seleção da Inglaterra, do México e da Irlanda, anunciou que não lhe resta mais do que um ano de vida, em decorrência de um câncer na região do pâncreas, que infelizmente está em um estágio avançado, já sem condições de reversão por meio de intervenção cirúrgica.

O ex-treinador atuava como diretor esportivo do IF Karlstad e se afastou de suas atribuições do cargo em fevereiro para cuidar de sua saúde. Aos 75 anos, Sven-Göran Eriksson revelou seu estado de saúde em entrevista para a rádio sueca P1, a qual relevou seu estado atual de saúde e o tempo de vida proposto pela medicina, porém, fez questão de dizer que não está pensando muito nisso e afirmou que vai lutar com todas as suas forças contra este delicado problema.

“Toda a gente compreende que tenho uma doença que não é boa. Todos adivinharam que era câncer e é mesmo. Mas preciso de lutar da maneira que conseguir. Quanto tempo tenho de vida? Talvez um ano no máximo, no pior cenário um bocadinho menos. No melhor, pouco mais. Podem ter a certeza, é melhor nem pensar muito nisso”, disse o ex-treinador.

Sven-Göran Eriksson recebe várias mensagens de apoio

Lenda viva do futebol mundial, o ex-treinador sueco colecionou amigos ao longo dos seus 47 anos de carreira. A informação de que seu estado de saúde não é dos melhores mobilizou várias personalidades do esporte, clubes pelo qual trabalhou e ex-jogadores, como Wayne Rooney, que teve a sua primeira chance como titular da seleção da Inglaterra sob os olhares sempre atentos e serenos do comandante em 2004, na Eurocopa sediada em Portugal.

O perfil oficial do Leicester e do Manchester City, clubes pelo qual Sven-Göran Eriksson passou durante sua trajetória, também enviaram mensagens de apoio e força ao treinador, desejando que seu quadro médico possa melhorar. Apaixonado pelo futebol e dedicado em todos os trabalhos que fez, o último trabalho do sueco na função de técnico foi à frente da seleção das Filipinas, entre outubro de 2018 e janeiro de 2019.

Títulos na Itália, Suécia e Portugal credenciaram trabalho do treinador

Sven-Göran Eriksson começou sua carreira como técnico no Degerfors em 1977, em seguida partiu para o IFK Gotemburgo, clube pelo qual se destacou muito já que conquistou o Campeonato Sueco na temporada 1981/1982 e o bi-campeonato da Copa Sueca nas temporadas  78/79 e 81/82 e a antiga Copa da Uefa, também na temporada 81/82, o credenciando como um dos maiores técnicos europeus da época.

O sucesso impressionante de conquistas do treinador seguiu no Benfica em Portugal, faturando por três vezes o Campeonato Português, nas temporadas 1982/1983, 83/94 e 90/91, além da Supercopa de Portugal em 82/83. Acostumado a desafios e a transformar equipes médias em grandes esquadrões, Sven-Göran Eriksson fez seu nome conquistando títulos em seu 3º país diferente, na Itália, vencendo primeiramente a Copa da Itália com a Roma em 85/86 e depois com a Sampdoria na temporada 93/94.

Mesmo conquistando tantos títulos e impulsionando o futebol europeu a jogar de forma mais fluída e bela, em detrimento do jogo mais truncado, que era a sua característica nos anos 80, Sven-Göran Eriksson colocou de vez seu nome na história do futebol ao conquistar praticamente tudo no final dos anos 90 pela Lazio. Sob seu comando, o time da capital italiana faturou por duas vezes a Copa da Itália, também foi bi-campeão da Supercopa da Itália, campeão da antiga Copa da Europa, uma vez campeão da Serie A e vencedor da Supercopa da Uefa.

Em seu auge, treinou e revolucionou a forma de jogar do futebol inglês, que passou a ser mais ofensivo e envolvente. Nas copas de 2002, quando foi eliminado para o Brasil nas quartas de final e em 2006, quando também parou nas quartas, mas para Portugal, o mundo pôde ver o quanto Sven-Göran Eriksson fez pelo esporte na Terra da Rainha, que embora tivesse uma das gerações mais talentosas de sua história, jogava ofensivamente, abolindo de vez o tradicional chuveirinho que marcou gerações no Reino Unido.

 

Foto de Lucas de Souza

Lucas de Souza

Esse é Lucas de Souza, redator e repórter do Futebol na Veia e da Trivela. Jornalista especializado em Marketing digital é também narrador do Portal Futebol Interior e da RP2Marketing.
Botão Voltar ao topo