Europa

Salvador da pátria

Hugues Quennec, um empresário de 46 anos de idade pouco conhecido de quem acompanha o futebol suíço, pode se tornar um dos novos grandes nomes do esporte no país. E ídolo incondicional da torcida do Servette, equipe de grande tradição e segunda maior vencedora da história no campeonato nacional.

Canadense, filho de mãe suíça e pai francês, Quennec vive na Suíça desde 1994 e é o dono do time de hóquei de Genebra, denominado Genebra-Servette Hockey Club. E, se as esperanças dos Grenats se confirmarem, será também o proprietário e o salvador da pátria do clube de futebol do Servette.

Na prática, na verdade, ele já responde pelo clube desde a semana passada. Quennec topou o desafio de tirar o Servette da falência, que havia sido declarada na semana anterior e que poderia excluir o time da Super League. Teve reuniões com o então proprietário/presidente, Majid Pishyar, e combinou que assumiria o clube por um mês e analisaria qual a real possibilidade de pagar toda a dívida – estimada em 3 milhões de francos suíços (cerca de R$ 5,6 milhões). Passado esse período, se houver esperança, comprará o clube pelo valor simbólico de 1 franco suíço.

Parece pouco provável que o negócio não dê certo. Nas entrevistas que concedeu, o canadense já falou como sendo realmente o novo proprietário Grenat. Disse que não injetará um centavo de sua fortuna, mas que tem empresário dispostos a aplicar dinheiro. São, segundo ele as mesmas “pessoas da comunidade financeira de Genebra” que o procuraram pedindo que assumisse o clube – e que preferem ficar no anonimato. “São pessoas que, assim como eu, amam esta cidade, o futebol e o clube.”

A resposta da torcida foi imediata. Mais de dez mil pessoas compareceram ao Stade de Gèneve no domingo e assistiram a vitória grená sobre o Luzern por 2 a 1. O jogo foi especial. Antes da bola rolar, a água Sherkan, mascote da equipe de hóquei, voou pelo estádio, numa clara demonstração de que agora os dois clubes estão realmente unidos. Em campo, a vitória veio com o gol salvador de Julian Esteban, aos 43 minutos do segundo tempo.

O resultado devolveu o Servette ao quarto lugar no Campeonato Suíço, apenas dois pontos atrás do Young Boys, terceiro colocado. O time, portanto, volta a brigar por uma vaga nas competições europeias. E os jogadores – que finalmente receberam o último salário, embora ainda tenham vencimentos atrasados – ganharam ânimo novo.

É claro que ainda é muito cedo para dizer que os Grenats se salvaram totalmente da falência. Mas é animador o fato de que, logo nos primeiros dias de trabalho, Quennec conseguiu reunir investimentos de 650 mil francos suíços (R$ 1,2 milhão) sem colocar a mão no próprio bolso.

Por fim, vale ressaltar que os torcedores do Servette têm mais um motivo para ficarem tranquilos, ao menos por enquanto. Ao contrário do que ocorre com outras equipes, cujos proprietários têm fortunas envoltas em mistérios, Quennec é figura respeitada no meio empresarial e esportivo suíço. Construiu seu império com uma corretora de investimentos que ele mesmo montou e possui endereço fixo na cidade de Genebra. Poode até parecer irrelevante, mas nos últimos tempos ter esse perfil virou algo muito importante no futebol suíço.

CURTAS

ÁUSTRIA

– Tem novo líder no Campeonato Austríaco. O Red Bull Salzburg derrotou o Rapid Viena por 3 a 1, em casa, e tomou a primeira posição do rival.

– As duas equipes (assim como o Áustria Viena, que fez 2 a 1 no Admira) têm 38 pontos, mas os Touros Vermelhos levam vantagem nos critérios de desempate.

– Na Erste Liga, o encontro do líder St. Andrä com o Altach, segundo colocado, terminou em 0 a 0, na casa do Altach. A diferença entre eles segue sendo de três pontos.

SUÍÇA

– Criticado por desaparecer em meio à crise instaurada no Servette, o iraniano Majid Pishyar, agora ex-dono do clube, divulgou nota no site oficial do time dizendo que estava correndo atrás de investidores e que jamais abandonará os Grenats.

– A vitória do Servette sobre o Luzern foi boa também para o Basel. O líder do campeonato jogou em Zurique e passou pelo Grasshopper: 2 a 0. Assim, abriu 12 pontos de vantagem sobre o Luzern, que mesmo com a derrota permanece na vice-liderança.

– Faz tempo que a coisa não anda boa no Grasshopper. Cotado como postulante à briga pelo título antes do campeonato começar, está à frente somente de Lausanne e Sion na classificação. Depois da derrota para o Basel, o técnico Ciriaco Sforza negou-se a responder às perguntas dos jornalistas.

– Com aeromoças vestindo a camisa do time e em clima de festa, a delegação do Basel já voou para a Alemanha, onde enfrentará o Bayern Munique pelo jogo de volta das oitavas de final da Liga dos Campeões. Na divertida entrevista coletiva em solo alemão, Marco Streller e Alex Frei não pouparam piadas e revelaram brincadeiras internas do elenco.

– Pela Challenge League, a segunda divisão, o vice-líder Bellinzona empatou fora de casa com o Wil 1900 por 1 a 1. Bom para o líder St. Gallen, que joga nesta segunda-feira, contra o penúltimo colocado Kriens, também fora de casa, e pode ampliar sua vantagem para oito pontos.

Mostrar mais

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo