Europa

Procura-se quem quer ser campeão

Existe um campeonato em que o líder vive tropeçando. Perde pontos para times inexpressivos, o ataque não rende mesmo diante de defesas frágeis. Mas ele segue lá, em primeiro. Um tanto pela gordura que acumulou desde que o campeonato começou (sim, esse líder também ganhou jogos importantes, contra adversários diretos). E outro tanto pela incapacidade de seus concorrentes, que parecem querer brincar de “siga o mestre”: se quem está na frente tropeça, eles tropeçam junto.

Não estivesse o parágrafo acima numa coluna dedicada ao futebol austríaco e suíço, você certamente diria que o tal campeonato citado é o Brasileirão. Mas não trato aqui das peripécias de Corinthians, Vasco, Fluminense, Botafogo, Flamengo e cia, e sim das estripulias da turma formada por Admira, Áustria Viena, Rapid Viena e Red Bull Salzburg.

Nas últimas cinco rodadas, desde que o Admira assumiu a liderança, a Bundelisga austríaca teve 44% dos seus jogos terminando empatados. Nesse período, o melhor aproveitamento foi o do Sturm Graz (66,6%), que fez dez pontos. Atual campeão nacional, o time faz campanha de recuperação e é o sexto colocado, com 20 pontos – sete a menos que o primeiro.

O Admira, que marcou nove pontos nas últimas cinco partidas, só continua ostentando a posição de líder porque seus principais adversários conseguiram ser ainda piores nesse tempo: seis pontos obteve o Áustria Viena (vice-líder), mesmo aproveitamento do rival da capital, o Rapid, terceiro colocado.

Pior ainda fez o Red Bull, que liderou o campeonato por seis rodadas consecutivas, mas só obteve dois empates nos últimos cinco jogos – campanha semelhante à do lanterna Kapfenberger.

O resultado que deu a liderança ao Almirantado, na 10ª rodada, foi uma vitória expressiva: 3 a 2 sobre o Rapid Viena. Naquela mesma rodada, o Áustria Viena bateu o Red Bull por 3 a 2 e chegou ao segundo lugar, apenas um ponto atrás do líder e dois à frente dos próprios touros vermelhos, que caíram para terceiro.

No giro seguinte, o 0 a 0 do Admira com o Kapfenberger seria suficiente para tirá-lo do primeiro posto, não fosse o fato dos violetas caírem por 2 a 1 diante do Ried. Assim, mesmo empatando com o pior time do campeonato, o Almirantado conseguiu ampliar sua vantagem.

A situação foi se repetindo rodada após rodada. O Admira empata contra adversários teoricamente inferiores (foram dois 0 a 0 nas últimas partidas, contra Mattersburg e Wiener Neustadt) e o Áustria Viena… Também empata (2 a 2 diante de Kapfenberg e Wacker Innsbruck).

Isso, somado à exceção da 12ª rodada (quando o Admira ganhou do Innsbruck e o Áustria Viena empatou o dérbi com o Rapid), explica a diferença de quatro pontos que o líder conseguiu abrir.

O Campeonato Austríaco ainda não chegou nem à sua metade, mas é evidente que tamanha irregularidade chama a atenção. Mais do que a brincadeira de que “ninguém quer ser campeão”, fica uma reflexão sobre o baixo nível técnico dos times (basta dar uma olhada nos resultados da Liga Europa para notar a disparidade na comparação com equipes de outros países).

Ou não é estranho um campeonato em que o líder não vence e nem marca gol há dois jogos, o vice-líder não ganhe há quatro rodadas e mesmo assim ambos continuem em suas posições sem grandes ameaças?

Segura o Basel!

Se na Áustria a irregularidade é a marca na disputa pelo título, na Suíça pode-se dizer que nove equipes estão preocupadas com a ascensão do Basel, atual campeão, dono de seis títulos nas últimas dez temporadas e grande favorito à conquista da Super League.

A vida do time da Basileia não foi das mais fáceis até agora. Depois de peregrinar pelas posições intermediárias da tabela, o FCB assumiu a liderança na 14ª rodada, ao empatar em pontos ganhos com o Luzern, mas ter melhor saldo de gols. Na rodada do último final de semana, a 15ª, abriu três pontos de vantagem (venceu o Lausanne por 3 a 2 fora de casa e viu o rival perder, também fora, para o Thun, por 3 a 1).

Assim, o sinal amarelo acendeu forte nas demais equipes que sonham com o título. Principalmente porque, em termos de estrutura, condições financeiras e qualidade de elenco, é difícil algum clube suíço superar os RotBlau hoje em dia. E isso mesmo com o Basel lidando com a perda do treinador Thorsten Fink para o Hamburg e dividindo suas atenções entre o campeonato nacional e a Liga dos Campeões.

O reflexo da boa fase pode ser medido pelos pedidos públicos de alguns jogadores para que o técnico interino Heiko Vogel seja efetivado no cargo. Ex-assistente técnico de Finsk, Vogel levou o Basel a vencer as três partidas que disputou sob seu comando na Super League. O interino tem contrato com o FCB até o final deste ano.

CURTAS

 

ÁUSTRIA

– A temporada atual da Bundesliga austríaca registrou empates em 27 de seus 70 jogos disputados até agora, ou seja, 38,5%.

– O recorde foi a 11.ª rodada, que teve quatro das cinco partidas terminando empatadas.

– A rodada do final de semana teve os seguintes resultados: Wiener Neustadt 0 x 0 Admira, Ried 1 x 1 Rapid Viena, Mattersburg 3 x 0 Red Bull Salzburg, Sturm Graz 1 x 0 Kapfenberger e Áustria Viena 2 x 2 Wacker Innsbruck.

– Ao empatar com o Lask Linz por 1 a 1, o St. Andrä assumiu a ponta da Erste Liga, com 35 pontos, um a mais que o Altach. A equipe foi beneficiada pela derrota do rival: 2 a 1 para o Scholz Grödig.

– As surpresas da primeira convocação de Marcel Koller como técnico da seleção austríaca não entram em campo. Koller, que priorizou chamar jogadores experientes e que atuam fora do país, anunciou mudanças na comissão técnico do OFB Team.

– Saem o assistente técnico Manfred Zsak e o treinador de goleiros Franz Wohlfahrt. Para os seus lugares, foram contratados dois assisentes, Fritz Schmid e Thomas Janeschitz e o preparador de goleiros Otto Konrad.

– O novo treinador fará sua estreia no dia 15 de novembro, em amistoso contra a Ucrânia, fora de casa. A partida marcará a inauguração da Arena Lviv, um dos estádios que receberá jogos da Eurocopa 2012.

SUÍÇA

– O zagueiro Alain Nef, do Young Boys, foi a novidade da convocação do técnico Ottmar Hitzfeld para os amistosos da Suíça contra Holanda e Luxemburgo. Ele não atua pela Nati desde setembro de 20009.

– A fase anda ruim para o Zürich, que ao contrário do que fez nas últimas temporadas não dá mostras de que vai brigar pelo título. No domingo, perdeu para o Neuchâtel Xamax por 3 a 1 e caiu para o oitavo lugar.

– Na Liga Europa, o FCZ foi até Roma, perdeu para a Lazio por 1 a 0 e praticamente deu adeus às chances de classificação. Antes do jogo, torcedores do time suíço soltaram fortes bombas nas arquibancadas do Estádio Olímpico.

– Um dos petardos explodiu na mão de um torcedor, que perdeu três dedos. Segundo testemunhas, ele teria se confundido e achava que estava segurando um sinalizador.

– Devido ao episódio, a diretoria do Zürich afirmou que não permitirá a presença de sua torcida no próximo jogo fora de casa pela Liga Europa, dia 1º de dezembro, contra o Sporting.

– Eis os resultados da 15.ª rodada da Super League: Lausanne 2 x 3 Basel, Thun 3 x 1 Luzern, Grasshopper 2 x 1 Sion, Neuchâtel Xamax 3 x 1 Zürich e Servette 1 x 0 Young Boys.

– Na Challenge League, o St. Gallen perdeu em casa para o Chiasso por 1 a 0, mas segue tranquilo na liderança, sete pontos à frente do Bellinzona – e com um jogo a mais.

– Bulat Chagaev, o misterioso dono do Xamax, aprontou mais uma. Agora, ele é acusado de ter entregado um falso documento que comprovaria ter 35 milhões de dólares numa conta do Bank of America. O documento foi utilizado no processo para evitar a declaração de falência do Xamax.

– O problema é que a suposta declaração do banco tem vários detalhes que são, no mínimo, estranhos. Segundo a imprensa suíça, o endereço citado não corresponde à nenhuma agência do banco em Nova Iorque, o funcionário que teria assinado o documento não existe e há erros de ortografia incomuns para declarações desse tipo.

Mostrar mais

Equipe Trivela

A equipe da redação da Trivela, site especializado em futebol que desde 1998 traz informação e análise. Fale com a equipe ou mande sua sugestão de pauta: [email protected]

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo